FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Instalações para maior produtividade: espaço por animal

POR DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

PRODUÇÃO

EM 18/05/2007

20
1
Instalações funcionais e adequadamente dimensionadas são essenciais para otimizar as práticas de manejo e todo o sistema operacional de uma empresa pecuária, resultando em maiores eficiência operacional, economia de tempo, qualidade de trabalho, bem-estar e produtividade animal.

Independente dos diversos objetivos que uma instalação para ovinos apresenta, esta deve assegurar, sobretudo, o bem-estar dos animais de forma a beneficiar o conforto ambiental dos mesmos, incrementando a produtividade e o rendimento das operações de manejo.

Nesse contexto, o espaço disponível por animal é um fator de grande importância, influenciando o conforto, a saúde e o comportamento dos ovinos. Dessa forma, o espaço reservado a cada animal dentro de uma área de manejo é extremamente importante a fim de facilitar a convivência social em um grupo, o acesso livre a alimentos e água, assim como, assegurar condições higiênicas e físicas que otimizem o conforto e bem-estar dos animais.


Foto 1. Instalação mal dimensionada apresentando alta densidade populacional. Nessas condições há um aumento no nível de estresse social e físico, o que afeta negativamente o conforto, a saúde e a produtividade dos animais.

A área disponibilizada por animal, independente do tipo de instalação (aprisco, piquete de confinamento ou curral de manejo), está relacionada com o número e tamanho dos animais, tipo de piso, tempo de permanência, condições climáticas, declividade do terreno, textura do solo, tipo de manejo e necessidade de alimentação na instalação. A análise desses fatores em conjunto irá auxiliar no dimensionamento mais adequado para as instalações.

Na Tabela abaixo, encontram-se algumas referências de área para diversas categorias ovinas sob alguns tipos de instalação.

Tabela 1. Referências de área (m2/cabeça) para dimensionamento de instalações para ovinos.


A - Instalação coberta.
B - Instalação a céu aberto.

O uso de parâmetros adequados de área por animal, de acordo com a categoria e as condições existentes, proporciona um ambiente de baixo estresse para os animais, além de facilitar procedimentos operacionais rotineiros, favorecendo a qualidade do trabalho diário e a produção animal, e conseqüentemente, a rentabilidade do sistema de produção como um todo.

DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

Médico Veterinário, MBA, D.Sc., especializado no sistema agroindustrial da carne ovina. Consultor da Prime ASC - Advanced Sheep Consulting.

Facebook.com/prime.asc

Twitter.com/prime_asc

20

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SEBASTIÃO DA SILVA GONÇALVES

EM 17/01/2016

Olá Dr. Daniel,



Gostaria de parabenizá-lo pelo artigo publicado. Estou iniciando na atividade ovinocultura com 100 matrizes para produção de cordeiros. Quero construir aprisco suspenso com piso ripado e preciso de informações como: dimensões, madeira ideal, ou seja, tudo relacionado ao aprisco. Se for possível enviar uma planta ficarei grato. Email goncalvestiao@yahoo.com.br



Att.,



Sebastião da Silva Gonçalves
EDGARD

MOSSORÓ - RIO GRANDE DO NORTE - PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE CORTE

EM 10/12/2013

Gostaria de receber  planas scaneadas dos modelos de aprisco se possivel. Estou iniciando uma criação de ovinos( conto hoje com 100 matrizes) e pretendo criar em torno de 300 em uma area de 26ha com +5ha de pastagens em outra propriedade.
FELIPE

VITÓRIA - ESPÍRITO SANTO

EM 25/11/2009

Muito bom esse artigo e muito explicativa essa tabela. Com certeza de grande auxilio no dimensionamento de um aprisco. Gostaria de saber aonde eu poderia conseguir mais informações como altura recomendada para o aprisco suspenso e dimensionamento de cochos e bebedouro.

Cordialmente,

Felipe Maia
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 24/03/2009

Olá Aline,

A nível de instalações para caprinos de leite, eu lhe recomendaria um aprisco suspenso ripado, com estrutura em madeira e bases de concreto ou madeira mesmo. É possível utilzar alguma área acidentada da propriedade para construir o aprisco.

Os cochos devem ser dimensionados fora das baias e no mesmo sentido que as ripas do piso, para evitar contaminação do cocho por vezes e urina, assim como, para evitar que as cabras desenvolvam problemas articulares.

Quanto as cercas, depende muito da área e da sua organização com base no planejamento do sistema de produção. Em geral, utilizamos tanto cerca elétrica como cercas convencionais ou telas campestres. A escolha irá depender da real necessidade, do sistema de pastejo, da organização da área destinada aos animais e dos custos.

A nível de alimentos a serem produzidos, basicamente, o que se busca produzir na propriedade é o alimento volumoso, seja ele, capim (tanto para corte a fresco quanto para silagem) e cana-de-açúcar (para a época seca). Caso você trabalhe com agricultura também e possua o maquinário correto, é possível produzir silagem de milho ou de sorgo, mas como você citou a dificuldade em relação à topografia, talvez a produção de capim para corte e para silagem, assim como a cana-de-açúcar, fossem melhores opções.

Os alimentos concentrados (milho moído, farelo de soja, farelo de algodão, polpa cítrica, etc.) você terá que comprar para poder elaborar uma dieta completa (volumoso + concentrado) que atenda as necessidades nutricionais dos animais em suas diversas fases fisiológicas (reprodução, lactação, gestação, crescimento, etc.).

Bom Aline, espero ter ajudado de alguma forma!

Obrigado por ler nossos artigos e realmente desculpe a demora em sua resposta!!

Abraços,

Daniel
ALINE MACHADO DA SILVA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 11/03/2009

Olá. Tenho um terreno em São Roque, São Paulo, e pretendo iniciar uma criação de caprinos de leite para produção de queijo. Gostaria de saber as instalações mais indicadas (piso e cercas) bem como as melhores opções de alimento fornecido, já que planejo produzir a alimentação em minha própria propriedade e as consições topográficas de São Roque dificultam o processo. Obrigada.
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 03/04/2008

Olá Gladston,

Sobre a utilização do dendê, existem pesquisas envolvendo a utilização da torta de dendê, que seria o resíduo final de todo o processo de beneficiamento industrial do dendê, onde ocorre esterilização dos frutos, debulha e prensagem, com extração dos óleos de dendê e de palmiste.

Os experimentos, até então realizados, tem indicado que a torta de dendê pode entrar na dieta total de um animal em até 18%, considerando a matéria seca da dieta, sem interferir negativamente no consumo e no desempenho dos animais.

Quanto ao óleo em si, a própria torta já é rica em lipídios (cerca de 7%), no entanto, deve-se ter o cuidado de manter a participação de lipídios na dieta total em no máximo 4%, pois acima disso há interferência na fermentação ruminal com queda de consumo e desempenho.

Infelizmente, não possuo quaisquer informações sobre o uso do fruto integral.

Abraços,

Daniel
GLADSTON FREITAS COELHO MUNIZ

OLINDA - PERNAMBUCO - OVINOS/CAPRINOS

EM 02/04/2008

Prezado Daniel

Disponho em minha propriedade de vários pés de dendê. Seria possivel o fruto, fazer parte da alimentação de ovinos e caprinos? De que forma?

Havendo a possibilidade do uso do dendê, intuitivamento considero o seguinte processo: cozimento dos frutos para retirada do azeite e após triturar o fruto.

O azeite também poderia ser adicionada a um concentrado.

Desde já agradeço a atenção.
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 02/04/2008

Olá Nelson,

O número de animais por lote vai variar a depender de como você organizar as pastagens e o sistema de produção.

Essas 450 matrizes poderão ser manejadas tanto como um único lote como você pode dividi-las em 2 lotes de 200, 3 de 150 ou 4 lotes de 100, por exemplo. Nesse caso, é necessário dividir sua pastagem em módulos de pastejo a depender do número de lotes existentes (cada módulo a ser pastejado por um lote de ovelhas). Além disso, o número de lotes pode variar também em função do número de estações reprodutivas ao longo do ano, se você pretender trabalhar com sistemas acelerados de parição e uma melhor distribuição dos partos ao longo do ano.

Sobre a taxa de lotação, a mesma irá depender da produtividade da pastagem, ou seja, da quantidade de matéria-seca por hectare que a pastagem está produzindo. A partir desse dado e da pressão de pastejo a ser efetuada, é que calculamos quantos animais a pastagem poderá sustentar sob pastejo.

Esvazie a caixa de entrada de seu e-mail para eu poder enviar as plantas scaneadas.

Abraços,

Daniel
NELSON LUIZ DA SILVA JUNIOR

ASSIS - SÃO PAULO

EM 01/04/2008

Olá Dr. Daniel.<br><br>Estou preparando uma propriedade para a ovinocultura, onde pretendo colocar um rebanho de aproximadamente 450 matrizes. <br><br>Utilizarei o sistema de piquetes na pastagem, onde as matrizes permanecerão por 03 dias em cada um, retornando ao mesmo após 30 dias.<br><br>Dúvidas: Qual o número ideal de animais por lote?<br> Qual a lotação por m2?<br><br>Se puder, envie para mim tambem as plantas que enviar para o Francisco.<br><br>Parabens pelas matérias e grande abraço.<br><br>Nelson Luiz
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 07/02/2008

Olá Francisco,

Algumas informações sobre instalações para ovinos podem ser encontradas nos seguintes livros:

1. Cunha, E.A.; Santos, L.E.; Bueno, M.S.; Veríssimo, C.J. Produção de ovinos de Corte, Nova Odessa: Instituto de Zootecnia, 2004. 176p. (pode ser adquirido via Instituto de Zootecnia de Nova Odessa);

2. Medeiros, CP; Girão, R.N.; Girão, E.S.; Pimentel, J.C.M. Caprinos: princípios básicos para sua exploração. Teresina: Embrapa CPAMN, 1994.177p. (pode ser adquirido via Embrapa);

3. Sheep Housing and Equipment Handbook, 4 ed. - MWPS-3, Amen: Iowa State University, 1994. 96p. (pode ser adquirido na MidWest Plan Service via internet por U$ 10,00). Altamente recomendável !!!!

Esvazie a caixa de entrada de seu e-mail que poderei enviar algumas plantas scaneadas de currais, que poderão te ajudar!

Abraços,

Daniel
FRANCISCO GARCIA BARRINHA

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 04/02/2008

É a primeira vez que leio algo sobre instalações e gostaria de saber como e onde conseguir alguns modelos de curral p/ ovinos uma vez que estou com um rebanho em torno de 100 matrizes pretendendo passar p/ 350 matrizes e ainda não fiz o curral por falta de orientação de como faze-lo, como por ex: comprimento do brete, quantas divisões devo ter, quantos apartes fazer p/ não ter que ficar repassando o rebanho várias vezes etc.

Sem mais, grato e até breve.
ARNALDO NOALE NETO

SANTO ANDRÉ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 04/07/2007

Olá Dr. Daniel,

Tenho uma criação em Águas de São Pedro com 240 cabeças, sendo 35 delas animais de elite. No inicio estava utilizando aprisco com chão batido e utilizando cama, porém não estava gostando muito da higiene das instalações, apesar de as mesmas serem limpas com freqüência, e também era muito complicado para se conseguir a cama, coisa muito disputada na região.

Resolvi cimentar o aprisco e utilizar cama. Hoje estou manejando os animais direto no chão cimentado, já que todos os animais vão a pasto ou a solários durante o dia, só retornando no final da tarde. Durante este período, diariamente é feita a lavagem do aprisco, onde toda a água e esterco vão para uma caixa, onde pretendo fazer um biodigestor. Quando os animais retornam, o chão cimentado já esta totalmente seco. Minha pergunta é se apesar de os animais passarem somente a noite no cimentado, eles podem apresentar problemas de aprumos? Pois o piso cimentado tem uma certa inclinação para escoamento da água.

Muito Obrigado
Neto
Cabanha Covelas

<b>Resposta do autor</b>
Caro Neto,

Nessa situação, o risco de algum animal apresentar algum problema locomotor ou de aprumos é muito baixo. Possivelmente, o único fator que possa contribuir para algum problema é a disposição dos cochos (caso haja no aprisco) em relação à inclinação do piso. Estando os cochos instalados de forma que os animais estejam dispostos no sentido da inclinação no momento das refeições, não há problemas.

Quanto à limpeza, você poderia, diariamente, apenas varrer/raspar o chão do aprisco para a retirada das fezes. Havendo boa circulação de ar no aprisco, talvez não seja necessário utilizar água para essa tarefa, pelo menos no dia-a-dia. Para desinfetar o aprisco, a cada 15 dias, use a vassoura-de-fogo em toda a instalação.

Como espero que seu rebanho cresça bastante, sugiro que os próximos apriscos sejam suspensos/ripados, o que facilitará bastante a limpeza e a coleta das fezes, bem como, terá um custo de construção menor, além e poder utilizar áreas "acidentadas" da propriedade para tal.

Sucesso e obrigado por participar! !

Abraços,

Daniel
NEILA LIDIANY RIBEIRO

IMPERATRIZ - MARANHÃO - PESQUISA/ENSINO

EM 14/06/2007

Oi Daniel,

É um prazer falar novamente com você. Fiz seu curso online da Agripoint, há alguns meses, e digo que foi excelente. Posso utilizar estas mesmas medições para caprinos aqui no Nordeste?

Aqui utiliza-se bastante o piso ripado que é o mais indicado para nossa região.

<b>Resposta do autor:</b>
Olá Neila, como você está?

Os valores apresentados podem ser perfeitamente utilizados para caprinos também. Porém, se o sistema de produção for com os animais permanecendo 100% confinados (24 horas por dia), mesmo em aprisco de piso ripado, lhe recomendo trabalhar com os valores do confinamento pavimentado.

No próximo artigo estaremos abordando a parte de cochos.

Foi um imenso prazer ter contato com você novamente e fico feliz por ter gostado do curso !! Espero que esteja tudo bem contigo e sucesso aí no Maranhão!!

Grande abraço e, precisando, é só entrar em contato !!

Daniel


JOSÉ ALBERTO MALUF

CACHOEIRA DE MINAS - MINAS GERAIS - VAREJO

EM 11/06/2007

Prezado Dr. Daniel,

Seu artigo é muito importante para o produtor que está iniciando suas atividades.É o meu caso. Seria interessante informar a metragem dos cochos por cabeça.

Parabéns.
RENATO DELORENZO RIBEIRO DO VALE

GUARANÉSIA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 31/05/2007

Prezado Dr. Daniel,

Gostaria de saber se com a lotação adequada para um aprisco de chão batido, se é necessário usar algum tipo de cama (serragem, palha de café, bagaço de cana), ou se poderia apenas rapar e varrer o aprisco diariamente? Qual o período que seria necessário para desinfecção do piso? E esta poderia ser com cal virgem? Obrigado pela atenção!

<b>Resposta do autor:</b>
Olá Renato,

Como você se encontra no sudoeste de Minas Gerais, a utilização de cama será necessário, a fim de se evitar excesso de umidade para os animais. Nesse tipo de piso, a umidade é o principal incoveniente.

A cama pode ser de diversos materiais, o importante é que o material drene ou absorva bem a umidade. Você pode está usando a serragem ("maravalha", mais grosseira, para evitar o pó que prejudica a saúde dos animais) e a casca de café. Bagaço de cana, não recomendo, pois é um produto capaz de fermentar ainda.

Deve-se ter cuidado com a procedência da cama para evitar determinados materiais como pedaços de madeira, pregos e produtos químicos. A freqüência de troca da cama irá depender das suas condições para o bem-estar animal. Você pode começar com 3 vezes na semana e ir ajustando a depender das condições.

Se você for utilizar cama, é possível fazer uso de uma camada fina de cal virgem no chão, sob a cama. É possível também diluí-la em água a 40% e utilizá-la como desinfetante em algumas instalações, principalmente, de alvenaria, ou no chão, sob a cama, como se fosse uma pintura de parede. A aplicação pode ser mensal, e assim que o local estiver completamente seco, os animais já podem ser colocados.

No entanto, se a cama não for utilizada, a cal (sobretudo em pó, não diluída) em contato direto com os animais vai causar lesões de pele (principalmente a nível de genitálias, úberes, etc.) devido a sua ação
desidratante. Você pode utilizar também a vassoura-de-fogo a cada 15 dias em todo o aprisco.

Obrigado por sua participação!

Cordialmente,

Daniel
VALDEMILSON TAVARES LINS

PAULO AFONSO - BAHIA

EM 28/05/2007

Ótimo,gostei muito porque eu estou aumentando meu rebanho. Então eu terei que aumentar as instalações.
FERNANDO CEZAR ZACARIAS

BELÉM - PARÁ

EM 25/05/2007

Texto simples, objetivo e de extrema utilidade!!!! Parabéns
GLADSTON MACHARETH

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL

EM 23/05/2007

Excelente artigo. É muito importante o conhecimento da área disponibilizada por animal, em instalações. O conforto é fator relevante na redução do stress físico, com resultados favoráveis na produtividade dos animais. Nosso consultor poderia extender essas informações, também, nas áreas disponibilizadas para bebedouros e cochos (praças de alimentação).
WANDEMBERG NEVES FREITAS

RESPLENDOR - MINAS GERAIS

EM 21/05/2007

Muito bom. Meu interesse pela ovinocultura é recente e tenho procurado ler sobre o assunto. Este é o primeiro artigo que leio tratando deste tema e gostei.
WALLACE ALVES DOS SANTOS

CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ESPÍRITO SANTO

EM 18/05/2007

Ótima esplanação visto que este é um mercado em expansão, que merece um tratamento mais profissional e de maior destaque no cenário agropastoril do país.

Grato

Santos