FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Desafios da época seca

POR INGRID MONTEIRO MEDINA

E ANDRESSA NATEL

PRODUÇÃO

EM 19/07/2011

3
0
Estamos vivenciando o período onde a falta de chuva e diminuição da luminosidade (época de seca) acarretam em um desenvolvimento animal nulo ou até negativo, pois as pastagens estão em menor volume apresentando um reduzido nível de proteína (<7%). Os menores valores nutritivos somados a baixa altura do pasto ocasiona déficit nutricional que é agravado pelas maiores incidências de verminose que podem levar até a morte dos animais, outros sinais também são evidentes como perda acentuada de peso, papeira, pelagem opaca e baixa qualidade da lã.

Exigências nutricionais (NRC, 2007) para diferentes categorias de ovinos



A melhor maneira para diminuir os prejuízos ocasionados pela época de estiagem é fazer um planejamento nutricional para essa época, o qual envolva estimativa do tamanho/crescimento do rebanho, ganho de peso por categoria ao longo do ano, estoque de forragens (forragem conservada), número de animais terminados, entre outros. Porém, se este planejamento não for realizado e se seus animais ainda estiverem em pastagens, deve-se tomar medidas emergenciais para que a seca não acarrete em deterioração da pastagem por super pastejo, o que irá afetar a perenidade do pasto, consequentemente, o desempenho animal ao longo do ano.

Neste sentido, faz-se necessário o ajuste nutricional entre a curva de oferta das pastagens e a demanda dos animais, e a melhor medida para sanar esse déficit do sistema de produção é o uso de suplementação, pois estimula o consumo de matéria seca, melhora a digestibilidade da forragem seca e o desempenho animal sem onerar os custos do produtor.

Segundo Egan& Doyle (1985) de todos os nutrientes, o nitrogênio é o mais limitante, e consequentemente, o de maior prioridade para suplementação. Sua presença na dieta do animal em pastejo é vital para manter o crescimento normal das bactérias ruminais. Dessa forma, pode-se dizer que para a estação de seca (teor de PB das pastagens <7%), o primeiro objetivo da suplementação seria atender à demanda das bactérias ruminais por nitrogênio. Essas bactérias, fortalecidas serão capazes de extrair energia da pastagem ingerida pelo animal, através do processo de fermentação.

Essa situação é alcançada usando-se de fontes proteicas de alta degradabilidade no rúmen (alto valor de proteína degradada no rúmen, PDR), tais como a mistura ureia + sulfato de amônio (85% e 15%, respectivamente). A resposta animal esperada seria em termos de mantença ou leve ganho de peso vivo, dependendo da disponibilidade da pastagem.

O suplemento a ser utilizado é essencialmente proteico, e popularmente conhecido como "sal proteico". Isto porque na sua composição, o sal comum pode participar de 10%-30% (base matéria fresca), e serve para manter o consumo. É uma alternativa de baixo custo para suplementação alimentar na época da seca.

O sal proteico possui na sua mistura (nitrogênio não protéico) NNP, mistura mineral e farelo proteico, que além de ser fonte extra de nutrientes (proteína e energia) também serve como palatabilizante. O objetivo fundamental do uso do sal proteico é suprir a deficiência de nitrogênio das bactérias ruminais. Isto ocorrendo, vai haver um aumento no consumo da pastagem e consequente maior ingestão de nutrientes, revertendo uma situação de perda de peso para mantença de peso.

Pode ser ofertado à vontade para os animais, pois sua ingestão é regulada pela proporção de cloreto de sódio, pois os animais têm apetite específico para o sódio e não ingerem quantidades muito acima de sua exigência. O consumo voluntário é inversamente proporcional à concentração de cloreto de sódio, podendo chegar a 200g/dia para animais adultos (0,4 a 0,5% do peso vivo). O ajuste deve ser feito variando a quantidade de sal comum.



Outra forma de suplementação é a "mistura múltipla" - suplemento balanceado para atender deficiências nutricionais do animal em pastejo, proteína, energia, mineral - a resposta do animal seria ganhos mais acentuados, porém também são dependentes da disponibilidade da pastagem.

O uso das misturas múltiplas está sempre associado com ganhos de peso, mas dependendo da quantidade fornecida, pode ocorrer uma substituição da pastagem pelo suplemento. Este é um fator indesejável, pois aumenta muito o custo do ganho do peso. A substituição ocorre, porque as bactérias ruminais atacam primeiramente fontes mais solúveis de alimentos, caso do amido que existe nos grãos, em detrimento de componentes menos digeríveis, como a fibra das pastagens.

A mistura múltipla é composta, geralmente, por milho moído, farelo de soja, ureia, sulfato de amônia, carbonato de cálcio e mistura mineral. A oferta deve ser a vontade, se o consumo exceder 30% do consumo total de matéria seca, adicionar sal comum na proporção de 7 a 10%, ou limitar a oferta diária manualmente. Pois, segundo Herd (1997), um consumo de suplemento equivalente até 0,3% do peso vivo, é totalmente adicionado ao da pastagem.

Para qualquer tipo de suplementação alguns cuidados devem ser tomados, por exemplo, preste atenção ao espaço do cocho/ animal para que todos os animais tenham acesso ao suplemento, evitando competições entre os mesmos. Os cochos, em especial do sal proteico, devem ser cobertos e furados, evitando assim, acumulo de água e possível risco de intoxicação por ingestão de água com ureia diluída.

Faça uma adaptação prévia dos animais ao iniciar o seu fornecimento, por pelo menos 10 dias fornecendo o proteinado misturado com o sal mineral (50:50), devido a presença da ureia na formulação. Deixe água sempre à vontade e abundante para os animais, pois esta é veículo para eliminação do excesso de sódio proveniente do sal.

E lembre-se, o uso de qualquer suplementação deve ser devidamente balanceado, pois níveis de suplementação acima de 30% do consumo total de matéria seca, vão resultar em substituição da forragem pelo concentrado e onerar seus custos com alimentação. Portanto, é importante ressaltar que o objetivo principal da oferta de proteína e/ou energia aos animais em pastejo é suplementar, não substituir a forragem atendendo assim a relação custo/benefício favorável.

Referências bibliográficas


HERD, D. B. mineral supplementation of beef cows in texas.Disponível site http://zeta.hpnc.com/~sharonw/Ranching. Consultado em 12 novembro 1997.

EGAN, J.K.; DOYLE, P.T. Effect of intraruminal infusion of urea on the response in voluntary feed intake by sheep.AustralianJournalofAgriculturalResearch, Victoria, v.36, n.3, p.483-495,1985.

LOPES, L. R., 1999. SUPLEMENTAÇÃO DE BOVINOS EM PASTEJO: aspectos práticos para o seu uso na mantença ou ganho de peso. Palestra apresentada no durante 11º Encontro de Tecnologias Para a Pecuária de Corte. Palácio Popular da Cultura, Campo Grande/ MS, 06 de outubro de 1999.

INGRID MONTEIRO MEDINA

Mestre em Ciências na área de concentração de Ciência Animal e Pastagens com ênfase em Ciência de Carnes (Qualidade Final)...

ANDRESSA NATEL

Mestre em Zootecnia com ênfase em Produção Animal pela FMVZ/UNESP. Atualmente trabalha como consultora na Sima Consultoria.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOCIMAR SANTOS COSTA

EM 26/02/2014

Anísio de Abreu-Piaui-produção de ovinos. Agradeço-lhe pela disponibilidade de seus ensinamentos sobre nutrição de ovinos.
MANOEL MARTINS DE SOUSA

OEIRAS - PIAUÍ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 07/08/2011

muito útil. Agradeço pelos esclarecimentos!
SILVIO IRAN DA COSTA MELO

NOVA ALVORADA DO SUL - MATO GROSSO DO SUL - OVINOS/CAPRINOS

EM 21/07/2011

Parabéns, o artigo veio em oportuno momento. Meus agradecimentos pelos úteis esclarecimentos.