ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Bom demais!

POR PAULO MARTINS

PRODUÇÃO

EM 23/05/2017

12
0
Este ano tem sido muito incerto. Os diferentes setores da economia acumulam notícias ruins e projetam o curto prazo com pessimismo. Mas, este não é o cenário para a produção de leite. Depois de tempos difíceis, o ambiente atual se mostra favorável. Pelo quarto mês seguido, o custo de produção de leite caiu continuamente, caracterizando um quadro de deflação. No mesmo período, o preço do leite recebido pelo produtor cresceu continuamente, melhorando a margem bruta da produção de leite. O melhor dos mundos! Não me lembro de situação como esta nos 34 anos que me dedico a analisar o setor.

A Embrapa Gado de Leite mede a variação do custo de produção de leite por meio do ICPLeite/Embrapa, que reflete o comportamento de custos de uma fazenda típica de Minas Gerais. Os preços de insumos são coletados no varejo daquele Estado. O gráfico 1 retrata o comportamento de custos neste primeiro quadrimestre do ano. Apresentado em números índices e tendo por base dezembro de 2016, janeiro iniciou o ano com queda de -0,44%. Em fevereiro o fenômeno voltou a ocorrer. Os custos caíram -0,49%. Em março, novamente ficou mais barato produzir leite, já que a queda foi de -0,91. Mas, foi em abril que o custo de produção despencou. A queda foi de -4,72%.

No acumulado do primeiro quadrimestre do ano, produzir leite ficou 6,5% mais barato que dezembro de 2016. Já para os preços pagos ao produtor de Minas Gerais, o inverso ocorreu. Quebrando o padrão, os preços subiram desde janeiro e fecharam o quadrimestre com alta de 6,5%. Na média, a margem bruta, diferença entre preço e custo, cresceu 13% no quadrimestre. No mesmo período, o IPCA – Índice de Preços ao Consumidor Amplo, que é a medida oficial da inflação brasileira, praticamente não se alterou.

Gráfico 1. Comportamento do Custo de Produção, Preço ao Produtor e Inflação, em números-índices no primeiro quadrimestre. Minas Gerais. Janeiro a Abril/2017.
 
produção de leite no Brasil 2017 - Embrapa
Fontes: Preço do Leite, Cepea/USP; Custo do Leite, ICPLeite/Embrapa; IPCA, IBGE

O Gráfico 2 mostra a evolução do ICPLeite/Embrapa ao longo de 2016. Apresentado em número-índice, tendo por base dezembro de 2015. Ao longo de 2016 os custos subiram muito. Em agosto daquele ano atingiu o pico, acumulando 11,6% de variação. Mas, a partir daí iniciou rota de queda na taxa de aceleração de custos. Em dezembro, o acumulado do ano foi de 9,0%. Com o fenômeno registrado neste quadrimestre, os custos caíram vertiginosamente, e retraíram a patamares que fazem com que os custos de produção em abril de 2017 tenham sido maiores, apenas, que dezembro de 2015.

Gráfico 2. Comportamento do Custo de Produção, em números-índices. Minas Gerais. Dezembro/2015 a Abril/2017.
 
produção de leite no Brasil 2017 - Embrapa
Fonte: ICPLeite/Embrapa


O ICPLeite é formado por oito grupos de custos. O que explica a deflação nos custos de produção de leite neste primeiro quadrimestre do ano é o grupo concentrados. Com a queda do preço da soja e do milho nos mercados nacional e internacional, o efeito foi impactante. O Gráfico 3 mostra que o grupo concentrados ficou mais barato 18,6% em apenas quatro meses. Produção e compra de volumosos também apresentou queda, ainda que tímida. Com a elevação do salário mínimo os custos da mão de obra, cresceram 5,3% e o custo de aquisição do sal mineral registrou significativo aumento de 4,2%, em apenas um quadrimestre. Foi o maior aumento acumulado dentre todos os grupos de insumos pesquisados e que compõe o Índice.

Gráfico 3. Comportamento de grupos selecionados de insumos que compõem o Custo de Produção, em números-índices. Minas Gerais. Dezembro/2015 a Abril/2017.
 
produção de leite no Brasil 2017 - Embrapa
Fonte: ICPLeite/Embrapa


Os grupos de menor peso acumularam pouca ou nenhuma elevação de custos no quadrimestre. Os ingredientes usados na higiene, necessários à qualidade do leite, tiveram elevação nos meses de fevereiro e março, mas voltaram a patamares comportados em abril, conforme mostra o Gráfico 4. O grupo sanidade apresentou elevação acumulada de preços nos insumos de 1,5%, enquanto que os grupos reprodução e energia e combustível acumularam retração nos preços, contribuindo para a redução nos custos de produção de leite.

Gráfico 4. Comportamento de grupos selecionados de insumos que compõem o Custo de Produção, em números-índices. Minas Gerais. Dezembro/2015 a Abril/2017.
 
produção de leite no Brasil 2017 - Embrapa
Fonte: ICPLeite/Embrapa

O mês de maio ainda está em curso e sempre é perigoso comentar um jogo enquanto ele é jogado. Mas, percebe-se uma pequena variação no mercado. Pelo lado dos custos, ocorreu uma pequena elevação no grupo concentrados, que deverá ser captado pelo ICPLeite no final deste mês. Por outro lado, houve queda no preço do leite no mercado spot, que deverá ser transmitida ao preço recebido pelo produtor em algum nível. Nos dois casos, custos e preços, a tendência dos primeiros quatro meses do ano pode ser interrompida.

Mas, o que se percebe é um ambiente favorável para a rentabilidade na produção de leite em 2017, mesmo neste ambiente de incerteza em que o Brasil está inserido. Os custos deverão se manter controlados e nada indica que teremos forte queda nos preços pagos ao produtor. Pelo visto, a rentabilidade na produção de leite deverá ter um comportamento diferente do restante da economia brasileira este ano. Tudo indica que será um ano bom. Pelo menos foi muito bom no primeiro terço do ano. Bom demais!

PAULO MARTINS

Doutor em Economia Aplicada. Chefe Geral da Embrapa Gado de Leite e Professor da UFJF.

12

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PAULO MARTINS

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 26/05/2017

Prezado Sr. Roney,

Agradeço por sua mensagem. O Ano de 2013 foi excepcional para o produtor. Entrou para a história do setor como um dos melhores em termos de rentabilidade. Os custos de produção caíram por três meses ao longo do ano. Tivemos deflaçao, como agora. Escrevi a respeito neste milkpoint. Por favor, leia o artigo MAIS QUE DOLAR de minha autoria.

Concordo que estamos vivendo momentos de muita incerteza, que é nefasto para todos nós. Sobre o título do artigo atual, procurei retratar uma situaçao de melhora ocorrida em relaçao a parte de 2016 e o fato raríssimo que identifiquei, ou seja, deflação com melhoria de preços em plena safra. Por outro lado, vale registrar que comparar qualquer período com 2013 fará o período analisado não ser visto como tão bom. Afinal, 2013 foi daqueles anos que todos querem que volte mas, por ter sido excepcional, não irá se repetir com facilidade novamente.
RONEY JOSE DA VEIGA

HONÓRIO SERPA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/05/2017

Dr. Paulo boa tarde. Concordo com os fatos apresentados em seu artigo, vemos realmente uma desinflação de alguns insumos importantes para a produção de leite.
Não consigo concordar com o título Bom Demais, pois na realidade não está;
Em 2013 recebíamos pelo leite aqui algo em torno de R$ 1,10 o litro, e meu custo de produção , algo que trago anotado mes a mes, ano a ano era metade do que é hoje. Nossa margem vem caindo ano após ano. Enquanto o preço nesse período subiu 30% , os custos dobraram ( 100 % ) , no meu caso, e que acredito ser o caso de uma grande parcela do produtores.
Estamos vivendo uma época de incertezas, políticas, financeiras ( restrição de crédito violenta), e vi ao longo destes anos muito mais gente abandonando a atividade de produzir leite do que entrando nela.
Um País com o nosso potencial de produção, importar derivados lácteos chega a ser piada de mau gosto.
Estamos importando a crise do Uruguai e da Argentina do setor para cá!
Enfim, está um pouco melhor do que esteve em 2014 , 2015 e parte de 2016, mas desculpe, está muito longe de estar Bom Demais!
Abraço
Por um Brasil mais Justo e Perfeito.:
PAULO MARTINS

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 25/05/2017

Prezado Dr. José Antônio,

Não conheci o dono da Empresa que fabrica os biscoitos Globo. Também não sabia que ele era mineiro, da nossa Leopoldina. Depois que o artigo foi publicado na Balde Branco, recebi mensagens contando a história da Empresa e fiquei com o sentimento que a Empresa surgiu em São Paulo e migrou para o Rio. Agora entendo porque é sucesso no Rio. Afinal, quem gosta mais das coisas mineiras que os cariocas?

Obrigado pelo elogio. Isso estimula muito a gente tirar um tempinho da família para compartilhar visôes, por que sabe que do outro lado tem pessoas sensíveis e inteligentes que tiram um pouco do seu tempo pra ler as coisas que a gente escreve.
JOSÉ ANTÔNIO DE CASTRO JUNQUEIRA

LEOPOLDINA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/05/2017

Prezado Professor, Dr Paulo Martins;

Discutir leite será sempre polêmico,mas me permita desviar em parte do assunto.
Como de costume, abro a revista balde branco e leio sua reportagem à pagina final, que por se só, justifica a assinatura.
Bela análise entre o Uber e o Biscoito Globo. Gestões diferentes, uma sinalizando fracasso, a outra eternizando o sucesso. Com o leite não será diferente, não é mesmo?
Mas no dia seguinte a referida leitura, sou informado do falecimento do Sr Milton Ponce Fernandes, dono do biscoito globo, que foi sepultado em Leopoldina em 18/05/17.
Mais uma vez acerta o Sr, que lhe rendeu esta bela homenagem, ao citar sua empresa como referência de gestão.
Grande abraço.
PAULO MARTINS

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 25/05/2017

Olá Sr. Alexandre,

Obrigado por ter lido e se manifestado em relação ao artigo. O ICPLeite tem metodologia similar ao cálculo dos demais índices públicos e privados relacionados a preços, sendo o mais conhecido o IPCA do IBGE.

O ICPLeite é formado por oito grupos de insumos, com pesos relativos diferenciados em função do quanto impactam no custo de produção. São eles: Mão de obra, produção e compra de volumosos, concentrado, sal mineral, qualidade do leite, reproduçao, energia e combustível.

Não sei a qual período o senhor se refere, ao afirmar que os medicamentos triplicaram de preços. Não foi o que obtivemos entre janeiro a abril, consultando mês a mês a rede de varejo, que vende medicamentos. O que percebemos, e o artigo registra, é uma alta considerável no preço dos produtos deste grupo no mês de abril, acima da inflação, mas não de 300% como afirmado pelo senhor. Ademais, o peso de medicamentos é menor que concentrados, com impactos diferentes no resultado final do custo de produção.

O senhor está próximo daqui da Embrapa Gado de Leite. Convido o senhor a vir nos visitar. Teremos um imenso prazer de mostrar ao senhor alguns dos estudos que estamos fazendo que impactarão positivamente a produção de leite muito brevemente. Também será uma ótima oportunidade de aprendermos sobre o sistema de produção que o senhor adota e a sua percepção sobre seus gargalos. Certamente, surgirão inspirações para a realização de novos estudos, como tantos outros que nós, da Embrapa e as universidades brasileiras fizemos, que tornaram possível quadruplicar a produçao brasileira, num período em que a populaçao apenas duplicou
ALEXANDRE FONSECA DE PAULA

SANTA RITA DE IBITIPOCA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/05/2017

Concordo com voçê Gilson.
PRODUZIR LEITE NO BRASIL ESTÁ FICANDO INVIÁVEL ... .
ESTUDOS SÃO UMA COISA .
REALIDADE , DIA DIA DO PRODUTOR É OUTRA .
A atividade não se resume só é milho , visto que medicamentos triplicaram de preço , insumos de modo geral também , etc
PAULO MARTINS

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 25/05/2017

Prezado Irinaldo,

Agradeço sua mensagem. Aqui na Embrapa temos levantamentos mensiais feitos mensalmente em propiredades de leite nos principais estados produtores e realmente encontramos produtores que apresentam deficit nas contas, enquanto outros conseguem rsultados estimulantes.
IRINALDO DE LIMA

PRESIDENTE PRUDENTE - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/05/2017

Caro Professor Paulo, sou produtor de leite e concordo que o custo com o fornecimento de concentrado tem baixado depois de atingir niveis altíssimos, porém continua muito dificil viabilizar a atividade com um mínimo de margem. Leite a 1,40 o litro e produção abaixo de 3.000 litros dia não fecha a conta.
PAULO MARTINS

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 24/05/2017

Olá Senhor Gilson,

Obrigado pelo seu comentário. Todavia, não é possível atribuir ao artigo o poder que ele não tem, nem teve o propósito de ter. Um artigo não muda fatos. O que fizemos foi um estudo técnico. Se desejar mais detalhes, navegue por www.cileite.com.br. Também, se preferir, entre em contato comigo no 32 33117402. Se tem uma coisa que nós pesquisadores gostamos é de buscar entender os fatos. E não brigar com eles!
GILSON SANTANA FILHO

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/05/2017

Bom dia! A mão de obra está mais cara e rara, a energia elétrica subiu, os insumos em geral subiu, o único item para produzir leite que teve queda de preço foi o milho. Devem estar querendo prejudicar o produtor de leite ainda mais .Estamos entrando no período de entesafra. Produzir leite no Brasil está cada fez mais difícil,!
PAULO MARTINS

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 24/05/2017

Obrigado, Prof. Paulo. O fenômeno que aconteceu nestes primeiros quatro meses do ano é como Eclipse, acontece muito raramente. No meu caso, em três décadas, não havia visto!
PAULO FERNANDO MACHADO

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 24/05/2017

Muito bom, Paulinho. Como sempre preciso e trazendo informações que ajudam o produtor a tomar decisões.
Parabéns!