ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Sugestões para evitar ou diminuir o estresse

POR LÁZARO SAMIR ABRANTES RASLAN

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/01/2008

7 MIN DE LEITURA

1
0
Viu-se nos artigos anteriores sobre o estresse que o mesmo é desencadeado principalmente em conseqüência dos agentes estressores que os animais são submetidos, e dependendo da intensidade e a continuidade pode chegar ao quadro de esgotamento e de estresse agudo e até mesmo vir a óbito.

Os agentes estressores podem ser:

• Mecânicos (traumatismos, cirúrgicos ou não, contenção e ferrão),
• Físicos (calor, frio, eletricidade, som),
• Sociais (hierarquia ou de dominância social dentro de um rebanho, solidão),
• Químico (drogas e hormônios),
• Biológico (estados de nutrição, agentes infecciosos, verminose),
• Psicológico (exposição a um ambiente novo, manuseio, transporte, maus tratos).

Segundo BACCARI JUNIOR (1998), os agentes podem atuar de forma aguda, crônica, repetida e combinada a outro estressor alterando sua intensidade e duração.

O ponto fundamental para amenizar os efeitos dos agentes estressores é o seu conhecimento e como atuam no animal. Por isso, é essencial conhecer o comportamento da espécie explorada, suas necessidades ambientais e fisiológicas, para fornecê-la o mínimo de conforto e bem estar.

MOBERG (2000) cita uma variedade de fatores importantes a serem avaliados como: experiência anterior; genética; idade; peso; sexo e condição fisiológica para determinar a capacidade de resposta biológica a um agente estressor.

Conhecendo o agente estressor e sua ação na fisiologia e no comportamento típico do animal, será possível administrar ações para evitar ou diminuir o estresse. Mas é preciso, primeiramente, compreender que há diferenças no manejo e nas instalações dos animais dependendo da idade; dieta; genética; produção; estado reprodutivo; adaptação e nível sanitário do animal e das pastagens.

Idade

As modificações ambientais em relação à idade são importantes porque os animais mais jovens precisam de lugares mais protegidos de ventos, poeiras e que ajudem numa amplitude térmica pequena no decorrer do dia. Porém, não se pode esquecer a matriz, muitas vezes o ambiente ideal à cria é estressante para a matriz, e vice versa, por isso, deve-se pensar em ambos. É aconselhável e possível atender os dois em um mesmo ambiente, é apenas saber trabalhar o espaço físico da instalação.

Exemplo: Dentro da baia ou galpão ter uma área mais fechada para as crias e outra mais aberta para as matrizes. Seria como um escamoteador (ambiente com lâmpada para aquecer os animais) usado na maternidade de suínos.

Dieta

É possível através da dieta, fornecer um maior conforto aos animais, simplesmente adotando o manejo nutricional diferenciado, ou seja: suplementar os animais mais vezes para ter alimento fresco no cocho e/ou no período mais ameno do dia; mexer algumas vezes o alimento no cocho; e aumentar a densidade de nutrientes e de energia das dietas. A adição de gordura na dieta aumenta a densidade energética e reduz o incremento calórico total, o que diminui a carga de calor no corpo do animal e o faz ter uma sensação de bem estar, principalmente se o ambiente estiver quente.

Para o aumento de densidade de nutrientes e de energia das dietas há ressalvas importantes a serem feitas:

1. Deve-se ter cautela no aumento da densidade porque o animal pode vir a ter acidose láctica ruminal por causa da maior fermentação do amido e menor tamponamento do rúmen com a saliva (PEREIRA, 2005).

2. Deve-se respeitar as recomendações de adição de gordura na dieta, que não podem ultrapassar 7% da matéria seca (MS) total da dieta, e que destes (7%), 15 a 20% sejam apenas de gorduras inertes (industriais) no rúmen.

Genética

É comum escutar que quanto mais produtivo é um animal menos resistente às ações do ambiente e de parasitas o são. E é pura verdade, e por isso, animais geneticamente superiores e/ou puros devem ser abrigados em instalações adequadas e confortáveis. É aconselhável antes de adquirir reprodutores geneticamente superiores fazer a seguinte pergunta: Minhas instalações e o ambiente onde exploro são apropriados para estes animais?

Atualmente, há tecnologia e facilidades de adquirir sêmen ou embrião e fecundar ou transferir para fêmeas adaptadas ao clima da região. E ao nascer, a cria crescerá se adaptando a este clima e terá como sobreviver, reproduzir e produzir melhor.

Produção

Animais mais produtivos requerem ambientes mais confortáveis e uma alimentação balanceada (segundo sua categoria, sexo, estado fisiológico e produção). Fornecer instalações adequadas e alimentação equilibrada é o mínimo para que estes animais possam estar em ambiente considerado confortável. Para isso, pode adotar a construção de sombreamento artificial, mais áreas de descanso, água e alimentos de boa qualidade, fornecer ventilação nas horas mais quentes (em confinamento) e até mesmo modificações na dieta como foram sugeridas acima.

Estado reprodutivo

Dependendo da temperatura ambiente onde se encontra as matrizes e do grau de estresse que esta provoque, as matrizes podem vir a ter abortos ou fetos mal formados por causa do calor, brigas por comida e espaço. Nesta fase é essencial acompanhar o comportamento e o desenvolvimento da gestação para ter ao seu término uma cria saudável. Por isso, as instalações devem se adequadas às fêmeas gestantes, boa área de cocho, comida mais energética e separação das demais categorias.

Adaptação

É possível e viável conciliar genética + produção + adaptação e selecionar os animais mais adaptados que tenham uma genética superior e alta produção. Ou seja, selecionar dentro do rebanho matrizes geneticamente superiores adaptadas ao clima e com alta produção. Com isso, no decorrer dos anos ter-se-á animais adaptados e de alta produção dentro do rebanho. Para identificá-los e selecioná-los é preciso calcular o Índice de Tolerância ao Calor (ITC) visando à adaptabilidade de cada animal e sua média de produção durante o período (no caso de leite - litros produzidos no período de lactação. E no caso de carne - peso das crias na desmama e ao abate). Notará que animais superiores e adaptados desmamam produtos mais pesados e terminam mais cedo.

ITC segundo Rauschenbach-Yerokhin citado por (FERREIRA 2005):

Bovinos: ITC=1,2Ta - 20d + 52
Ovinos e caprinos: ITC= 1,0Ta - 20d + 60

Sendo:

ITC: Índice de Tolerância ao Calor

Ta: Temperatura do ar em ºC

d: diferença entre as temperaturas retais da manhã (09:00 horas) e tarde (15:00 horas).

ITC segundo BACCARI JUNIOR (1986), que consiste em:

1. Manter os animais à sombra por duas horas e mensurar a temperatura retal (TR1 ºC) usando um termômetro veterinário no reto do animal durante 2 minutos;

2. Levar os animais ao sol por uma hora e voltá-los à sombra por mais uma hora e mensurar a temperatura retal (TR2 ºC);

3. Deve-se fazer este processo em três dias não consecutivos e com total ausência de nebulosidade e calcular a média das temperaturas TR1 e TR2;

4. Durante a realização do teste os animais devem permanecer em jejum e sem acesso a água;

5. Aplicar as média obtidas à fórmula: ITC= 10 - (TR2-TR1);

6. O resultado (ITC) será representado pelo inverso da elevação da temperatura retal após exposição à radiação solar direta, numa escala de zero a dez, e quanto mais próximo de dez for o índice, mais tolerante é o animal (SOUZA et al., 2OO7);

7. É aconselhável obter a temperatura de pelo menos 10 animais.

Para exemplificar o cálculo do ITC é apresentada uma tabela que foi obtida do trabalho de SOUZA et al. (2007):

Tabela 1. Temperaturas médias (TR1 - TR2 °C), e índice de tolerância ao calor (ITC), de bovinos da raça Sindi, no semi-árido.


Por esta tabela podemos observar o processo recomendado por BACCARI JUNIOR (1986): Obteve-se a média de cada repetição (animal) e a média geral. Observe que na coluna do ITC tem-se por animal e geral, ou seja, desta forma é possível identificar quais são os animais mais adaptados e selecioná-los. Todos os animais acima da média geral podem ser selecionados como bem adaptados (1, 5, 7, 8 e 12). Este processo é muito simples e viável a campo.

Nível Sanitário

Neste parâmetro é importantíssimo avaliar a saúde dos animais e efetuar todas as recomendações de vacinas obrigatórias e essenciais da região, aplicar antiparasitários e os antibióticos de forma correta e com precauções em todos os animais.

O sucesso de uma exploração está na relação e interação entre a nutrição, sanidade, bem-estar e genética. A sanidade é fundamental para todos os outros parâmetros porque com saúde o indivíduo tem um maior consumo de matéria seca (CMS), não tem estresse por parasitismo e pode demonstrar todo seu potencial genético. É recomendável mensurar a infestação de vermes tanto na pastagem quanto no animal e efetuar a vermifugação de forma planejada e eficiente.

Todas essas recomendações citadas acima, portanto, possibilitam melhorar as instalações, o bem-estar, a saúde e a seleção dos animais superiores e adaptados, conseguindo desta forma, produzir com maior quantidade e qualidade, ganhando assim, toda a cadeia produtiva.

Bibliografia consultada

BACCARI JUNIOR, F. Adaptação de sistemas de manejo na produção de leite em climas quentes. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AMBIÊNCIA NA PRODUÇÃO DE LEITE, Piracicaba, 1998. Anais. Piracicaba: FEALQ, 1998. p.24-67.

BACCARI JUNIOR, F.; POLASTRE, R.; FRÉ, C. A.; ASSIS, P. S. Um novo índice de tolerância ao calor para bubalinos: correlação com o ganho de peso. In:REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE DE ZOOTECNIA,23., 1986, Campo Grande, MS. Anais... Campo Grande: SBZ, 1986. p. 316.

FERREIRA, R.A. Maior produção com melhor ambiente para aves, suínos e bovinos. Viçosa - MG: Aprenda fácil, 2005.

MOBERG, G.P. Biological response to stress: implications for animal welfare. In: CABI publishing, 1-22 - 2000.

PEREIRA, J.C.C. Fundamentos de bioclimatologia aplicada à produção animal - Belo Horizonte: FEPMVZ, 2005. 195p.

RASLAN, L.S.A. e TEODORO, S.M. Estresse. https://www.farmpoint.com.br/?actA=7&areaID=3&secaoID=303 21/09/2007.

RASLAN, L.S.A. Mecanismo do Estresse. https://www.farmpoint.com.br/?actA=7&areaID=3&secaoID=303 22/10/2007.

RASLAN, L.S.A. Fases do estresse. https://www.farmpoint.com.br/?actA=7&areaID=3&secaoID=303 29/11/2007.

SOUZA, B.B., SILVA, R.M.N., MARINHO, M.L., SILVA, G.A., SILVA, E.M.N., SOUZA, A.P. Parâmetros fisiológicos e índice de tolerância ao calor de bovinos da raça Sindi no Semi-árido paraibano. Revista Ciência e agrotecnologia, Lavras, v.31, n.3, p.883-888, maio/junho, 2007.

LÁZARO SAMIR ABRANTES RASLAN

Zootecnista e mestre em produção de ruminantes. Extensionista do projeto Balde Cheio, Agente de Desenvolvimento e Extensão rural do Incaper-ES e Articulador da região norte do Programa Capixaba de Bovinocultura Sustentável.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

TAIANA BERTOLDI

PASSO FUNDO - RIO GRANDE DO SUL - ESTUDANTE

EM 29/10/2010

Olá!
Gostaria de saber qual a forma mais eficaz de medir a sensação de calor dos animais.

Obrigada!

att Taiana
MilkPoint AgriPoint