ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Qual a importância da Moringa na alimentação de bovino leiteiro?

VÁRIOS AUTORES

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/03/2021

4 MIN DE LEITURA

4
18

diversos estudos acerca da fantástica Moringa oleifera, também conhecida como a árvore da vida, que mostram o alto valor nutricional da moringa no que diz respeito às vitaminas, minerais e aminoácidos, além de seus benefícios medicinais, porém hoje discutiremos os benefícios na alimentação do bovino leiteiro.

Essa planta medicinal é altamente distribuída em vários países nos continentes asiático, africano e na América central. É uma planta multiuso, ou seja, toda a planta pode ser aproveitada (sementes, folhas, frutos e raízes) no âmbito industrial, medicinal, ornamental, para a população de baixa renda como alimento e para a alimentação de animais como fonte alternativa, além do seu uso para o tratamento de água. Por isso, ela tem chamado atenção de muitos produtores e pesquisadores (RANGEL, 1999; JESUS et al, 2012).

A Moringa possui propriedades nutricionais importantes, tendo em vista possuir conteúdo de proteínas, vitaminas e minerais significativos. Quando comparado à outros alimentos, essa planta apresenta nutrientes superiores aos alimentos convencionais utilizados na alimentação animal.

Quando falamos do teor proteico identificado nas suas folhas, são observadas variações entre 18 a 30% (MOYO et al., 2011). E constituindo estas proteínas são identificados cerca de 16 a 19 dos principais aminoácidos (MAKKAR; BECKER, 1996; SANCHEZ-MACHADO et al., 2010; MOYO et al., 2011). As folhas e caules da Moringa apresentam teores de matéria seca de 21,0 e 15,0%; e de proteína bruta de 23,0 e 9,0%, respectivamente; e uma digestibilidade média, para a planta inteira, de 44,0%, além de apresentar atividade antioxidante.

Importância da proteína na alimentação do bovino leiteiro

As proteínas são nutrientes orgânicos nitrogenados presentes em todas as células vivas, portanto, são essenciais à vida de todo animal. Todos os animais necessitam receber uma quantidade específica de proteína. Segundo Silva et al. (2008), as folhas de M. oleifera podem ser consideradas boa fonte de proteína e fibra, quando comparadas com outras fontes alimentares, podendo apresentar-se como uma alternativa de suplemento em preparações alimentícias a serem utilizadas pela população e pelos animais. 

No que se refere à nutrição de ruminantes, as folhas e talos finos constituem fonte de proteína e de fibra de boa qualidade, que se transforma em energia no rúmen. Segundo Gutiérrez et al. (2012), a Moringa apresenta boa taxa de degradação no rúmen se convertendo em material de alto valor para alimentação bovina em sistemas localizados nos trópicos. As características nutricionais e socioeconômicas fazem da Moringa uma excelente opção para ser usada como forragem fresca para o gado.

Até o presente momento não existem estudos que indiquem restrições de utilização da Moringa na alimentação de bovinos, quer seja como forragem fresca, feno ou silagem. Segundo Rodriguez-Pérez et al. (2012) o uso de silagem de Moringa na alimentação de vacas leiteiras, substitui a dieta básica, sem interferir nas características organolépticas, bem como, na qualidade do leite produzido.

O feno da Moringa (triturado) é também uma fonte proteica viável na formulação de rações concentradas para vacas leiteiras e substitui com sucesso ingredientes, como o farelo de soja (MENDIETA-ARAICA et al., 2010).

Segundo PRICE (2000), os resultados mostram uma produção de leite superior nas vacas alimentadas com Moringa quando comparado as que não receberam o alimento (Tabela 1), assim o gado de engorde, que ao receber a mesma proporção, teve um aumento diário no ganho de peso. O gado que recebeu M. oleífera no tratamento, foi alimentado com 15-17kg da forragem fresca e os animais que não receberam a espécie vegetal no tratamento, foram alimentados a base de campo nativo.

     
    Tabela 1.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

Autores

Lívia Costa de AzevedoMembra do grupo Doenças Parasitárias da Rural, farmacêutica pela Universidade Estadual da Zona Oeste (UEZO);
Matheus Lopes Ribeiro Membro do grupo Doenças Parasitárias da Rural, graduando em Medicina Veterinária pela UFRRJ;
Argemiro Sanavria  Membro do grupo Doenças Parasitárias da Rural, Médico Veterinário pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).
 

Referências bibliográficas

GUTIÉRREZ, P., ROCHA, L., REYYES-SANCHES, N., PAREDES, V., MENDIETAARAICA, B. Tasas de degradaciónruminal de foliage de Moringa oleifera em vacas reyna usando la técnica em sacco. La Calera –Ciência Animal,v.12, n.18, p. 37- 44, 2012.

JESUS, A.; MARQUES, N. D. S.; SALVI, E.; TUYUTY, P. L. M.; PEREIRA, S. A. Cultivo da Moringa oleifera. Instituto Euvaldo Lodi–IEL/BA, 2013.

MAKKAR, H. P. S., BECKER, K., Nutrients and Antiquality Factors in Different Morpholofical Parts of the Moringaoleifera tree. Journal of Agricultural Science, v. 128, p.311-322, 1997.

MENDIETA-ARAICA, B., SPORNDLY, E., REYES-SÁNCHEZ, N., NORELL, L., SPORNDLY, R. 2009. Silage quality when Moringaoleifera is ensiled in mixtures with Elephant grass, sugar cane and molasses. Grass and Forage Science. 64.364-373

MOYO, B., MASIKA, P. J., HUGO, A. &MUCHENJE, V. (2013). Nutritional characterization ofMoringa (MoringaOleífera Lam.) leaves. African Journal of Biotechnology, 10, 12925-12933.

RANGEL, M.S.( 2007). Moringa oleifera: um purificador natural de água e complemento alimentar para o nordeste do Brasil. Disponível em:<www.jardimdeflores.com.br/floresefohas/a10moringa.htm> 

RODRIGUEZ-PEREZ R. C., REYES-SANCHES, N., MENDIETA-ARAICAB.Comportamientoproductivo de vacas lecheras alimentadas com Moringa oleifera fresco o ensilado: efecto sobre producción, composicioón y características organolépticas de leche y queso. La Calera – Ciencia animal, v. 12, n. 18, p. 45-51, 2012

SILVA, J.C.; MARQUES, R.G.; TEIXEIRA, E.M.B. et al. Determinação da composição química das folhas de Moringa oleiferaLam. In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 1, 2008, Uberaba. Anais... Uberaba: CEFET,2008.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VIRGÍLIO DE MELLO FERREIRA

SANTOS DUMONT - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 31/08/2021

Muito interessante o artigo, especialmente nesse período de alta dos insumos, quando a utilização de fontes alternativas se faz necessária para redução dos custos.
LUTI MAIMON

RIO DE JANEIRO - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/03/2021

Parabéns pela pesquisa.
ROBÉRIO FENTANES GUIMARÃES

RUY BARBOSA - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/03/2021

Quero saber mais sobre a moringa, quero investir nesta planta.
PEDRO TELES DOS REIS

IACIARA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/03/2021

Muito importante esse trabalho precisa ser mais divulgado na mídia, a Moringa planta facil de ser cultivada nas propriedades. solo arenoso e medio argiloso ela moringa se desenvolve muito bem.
MilkPoint AgriPoint