ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O que fazer com as pastagens degradadas?

POR PATRICIA MENEZES SANTOS

E MARCO A. A. BALSALOBRE

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/07/2008

1 MIN DE LEITURA

30
1
A degradação de pastagens é apontada como um dos grandes problemas da agropecuária nacional. Dias Filho (2007) define a pastagem degradada como sendo uma "área com acentuada diminuição da produtividade agrícola ideal (diminuição da capacidade de suporte ideal), podendo ou não ter perdido a capacidade de manter produtividade biológica (acumular biomassa) significativa" (Figura 1). De acordo com este conceito, diferentes processos podem levar à degradação do pasto. O processo de degradação agrícola se dá em área cujo solo apresenta bom potencial produtivo e onde há uma forte pressão pela regeneração da vegetação existente na área antes da implantação do pasto (ex: pastagens mal formadas). Já a degradação biológica ocorre onde solo apresenta algum problema de ordem física, química ou biológica que restringe o desenvolvimento da planta forrageira.


Figura 1. Representação simplificada do conceito de pastagem degradada.
Fonte: Dias Filho (2007).


A escolha entre reformar ou recuperar o pasto ainda levanta muitas dúvidas. Dentre os fatores que devem ser considerados no processo de tomada de decisão estão o custo de cada uma das alternativas e o tempo que levará para que o pecuarista volte a ter um pasto produtivo. A Tabela 1 mostra o custo médio da reforma (preparo do solo e plantio do capim) e da recuperação de pastagens com diferentes níveis de infestação por plantas invasoras. De acordo com esta estimativa, em situações de elevada infestação por plantas invasoras, pode ser mais interessante reformar o pasto que tentar recuperá-lo. Por outro lado, nas áreas com ausência de invasoras ou com nível média de infestação a recuperação, quando possível, é mais interessante. É importante ressaltar, no entanto, que para o cálculo dos custos apresentados na Tabela 1 foram assumidos valores médios e que estes devem ser adaptados às condições reais da propriedade.


Tabela 1. Custo de reforma e recuperação de pastagens degradadas.


Referência Bibliográfica

Dias Filho, M.B. Degrada�o de pastagens: processo, causas e
estratégias de recuperação. 3ed. 190p. 2007.

30

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOAQUIM DHONE GONZAGA DUTRA

GOIÁS - ESTUDANTE

EM 18/10/2010

prabens pelo material .muito bom o entendimento sem sair do foco.
ANDRE LUIZ LENHART

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/07/2010

a degradaçao das pastagens anda muito grande em propriedades da agricultura familiar devido ao nao respeito do descanso das pastagens e tambem por haver muito pouco rodizio de piquetes onde que as plantas sofrem muinto com o pisoteio dos animais onde isso poderia ser controlado com o rodizio de piquetes e tambem haveria reduçao da infestaçao de carapatos devido ao seu ciclo de vida que e de21 a 35 dias .
ALIS RAMON DASILVA GUEVARA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/03/2010

Dra. Patricia, muy buenas dias vivo en la frontera Venezuela-Brazil, estoy muy agradecido por sus reportajes, ya que son de gran utilidad por nosotros los Criadores de Gandado y las preguntas que hacen los miembros de este sitio en Internet, son de gran valia ya que ayudan a despejar dudas que frecuentemente nos acompañanan en los que haceres la simbra de pastizales.
MARCIO MORAES RODRIGUES

IPORÁ - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/02/2010

Doutora, no meu sitio onde o solo é muito compactado, a pastagem está bem fraca não está tendo forças para sair, as vezes fica um mês todo sem gado e a pastagem não recumpera. O que devo fazer reformar o pasto ou tentar recumpera-lo? Preciso saber qual o capim ideal para piquetes rotacionados onde necessita de bastante produtividade, isso para gado de leiteiro. Ouvi dizer que o capim monbaça é excelente, so preciso saber se ele é bom para terrenos muito compactados, ou se devo plantar alguma leguminosa consorciado. e qual o custo aproximadamente e o tempo estimado para reformar 1 alqueiro na regiao centro oeste de goias.
CARLOS MAGNO FERREIRA DE ANDRADE

ITAJUBÁ - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 24/11/2008

Caros professores, ouvi falar de uma técnica em que são plantados eucaliptos na pastagem para além de ser fonte de renda extra (com madeira) seria também uma forma de adubar a pastagem com as folhas caídas e oferecer, além disso, sombra para o gado.
Qual sua opinião a respeito desse procedimento?
Obrigado e parabéns pelas suas matérias publicadas.
JOELSON DA SILVEIRA

CORUMBIARA - RONDÔNIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/09/2008

Tudo bem Doutora?

Eu gostaria de saber se é viavel consorciar o capim bombaça com stylosante e qual e a melhor maneira. Sera que eu preciso plantar o stylosante primeiro
pra depois jogar a semente do mombaça?

Parabens pelo trabalho. Obrigado.
DÉLCIO GRANDO

CERQUILHO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 20/09/2008

Boa tarde
Gostaria de saber se sòmente riscar o solo numa profundade de 40 cm e espassado de 80cm (subsolar) resolve alguma coisa na pastagem uma vez que descompacta e acumula mais água? Que orientação a senhorita me passa?
PATRICIA MENEZES SANTOS

OUTRO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 10/09/2008

Prezado Isaias,

Você pode considerar os seguintes valores:
- infestação baixa: menos de 20% da área coberta por invasoras
- infestação média: de 20 a 30% de área coberta por invasoras
- infestação alta: acima de 30% de área coberta por invasoras.

Atenciosamente,

Patricia Santos
Embrapa Pecuária Sudeste
JORGE AUGUSTO MARTINS GONÇALVES

GURUPI - TOCANTINS - ESTUDANTE

EM 09/09/2008

Dra. Patricia será que quando utilizamos a descrição ou definição do processo de reforma de pastagens, não deveriamos estar atentando ou recomendo o monitoramento para uma possível adoção de aplicação de herbicidas, uma vez sabendo que uma pastagem reformada, foi antes uma pastagem degradada que provavelmente na maioria dos casos acontece de estar apresentando sintomas de infestações com daninhas alto, sabendo tb que o maior banco de sementes do mundo, é o solo, abrigando sementes de diversas espécies, inclusive uma grande quantidade de daninhas, por apresentarem um alto potencial de dormência em determinadas espécies, ao invés de nos limitarmos apenas no conceito de preparo do solo e plantio de sementes ou mudas?
ANDRE ROMANOSKI

CHAPECÓ - SANTA CATARINA - ESTUDANTE

EM 26/08/2008

Dra. Patricia como a recuperação ou a reforma de pastagens pode ajudar nos sequestro de carbono pelo solo e esse sequestro é maior em solo scomo plantio direto ou convencional?

Aguardo retorno
PATRICIA MENEZES SANTOS

OUTRO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/08/2008

Prezada Sheila,
Não há uma nomenclatura padronizada para estes processo, o que sempre gera dúvidas. No caso do artigo em questão, o termo "reforma" refere-se ao processo de preparo do solo e plantio do pasto com sementes ou mudas e o termo "recuperação" refere-se apenas ao ajuste do manejo e da fertilidade do solo para que a planta volte a se desenvolver no ritmo esperado (ou seja, não é feito novo plantio).
Caso ainda não tenha ficado claro, por favor, volte a entrar em contato conosco.
Atenciosamente,
Patricia Santos
Embrapa pecuária Sudeste
PATRICIA MENEZES SANTOS

OUTRO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/08/2008

Prezado João Carlos,
Sem dúvida, o controle inicial de plantas invasoras e a aplicação de nitrogênio contribuem para acelerar a formação do pasto. A necessidade de adoção destas técnicas deve ser avaliada com o auxílio de um técnico capacitado.
Atenciosamente,
Patricia Santos
Embrapa Pecuária Sudeste
PATRICIA MENEZES SANTOS

OUTRO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/08/2008

Prezado Amaro,
O plantio direto em pastagens ainda não é muito praticado, principalmente em função de deficiência de máquinas adequadas. Desta forma, na maioria dos casos, é feito o preparo convencional e a correção do solo de acordo com os resultados da análise química. A aquisição de boa semente ou muda é essencial para o sucesso da implantação. A semente deve ser de procedência idônea a fim de evitar a contaminação do solo com plantas daninhas indesejáveis e garantir a integridade genética da espécie ou cultivar adquirido.

A escolha da semente deve ser feita com base em sua qualidade. Esta pode ser determinada por meio de procedimentos específicos de análise, em que será determinado a pureza física, a presença de plantas daninhas, o vigor e o valor cultural das sementes. É importante ressaltar que o valor cultural da semente, de modo isolado, não é um bom parâmetro de escolha. Sementes com alto valor cultural, porém contaminadas com determinadas espécies invasoras ou com vigor muito baixo devem ser evitadas.

Atenciosamente,
Patricia Santos
Embrapa Pecuária Sudeste
PATRICIA MENEZES SANTOS

OUTRO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/08/2008

Prezado Waldemar,
O uso de forrageiras o milheto depende de um planejamento da produção de alimentos da propriedade. Em algumas situações de produção, estas forrageiras podem ser uma alternativa para que a demanda por volumosos seja atendida.
Atenciosamente,
Patricia Santos
Embrapa Pecuária Sudeste
PATRICIA MENEZES SANTOS

OUTRO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/08/2008

Prezada Tania,
O diagnóstico da situação do pasto deve ser feito no local. No próximo artigo deste radar colocaremos mais alguns critérios que podem auxiliar na decisão entre reforma ou recuperação do pasto.
Atenciosamente,
Patricia Santos
Embrapa Pecuária Sudeste
PATRICIA MENEZES SANTOS

OUTRO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/08/2008

Prezado Homilton,
A maior parte dos trabalhos indica que a aplicação de calcário em pasto já formado deve ser feita em superfície. A incorporação do calcário danifica muito o sistema radicular das plantas e atrasa a sua recuperação.
Atenciosamente,
Patricia Santos
Embrapa Pecuária Sudeste
PATRICIA MENEZES SANTOS

OUTRO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/08/2008

Prezado Eltamar,
Sugiro que você consulte os artigos sobre "cupins" já publicados neste radar. Em seguida, se ainda tiver dúvidas, volte a entrar em contato conosco.
Atenciosamente,
Patricia Santos
Embrapa Pecuária Sudeste
PATRICIA MENEZES SANTOS

OUTRO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/08/2008

Prezado Ênio,
Não vejo problemas no uso de braquiarão para bezerros, desde que você consiga fazer um bom manejo do pasto. Algumas pessoas dão preferência aos Cynodons (ex. coast-cross, tifton, etc). Na verdade, vários tipos de capim podem ser utilizados para vacas e bezerros... o é importante lembrar que a escolha do capim deve levar em consideração também as características de clima e de solo, a presença de pragas e doenças na região, o manejo e o sistema de produção.

Atenciosamente,
Patricia Santos
Embrapa Pecuária Sudeste
ISAIAS ALVES DE SOUZA FILHO

VALENÇA - BAHIA - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 11/08/2008

Boa Tarde.

Sobre a matéria "O que Fazer com as Pastagens Degradadas", gostaria de saber como, a campo, possao identificar o que seja nível de infestação média e nível de infestação alta.
SHEILA VILLELA

SÃO CARLOS - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 11/08/2008

Gostei do artigo sobre degradação agrícola e degradação biológica, porém no texto não fica clara a diferença enrtre a "reforma" e a "recuperação" da área degradada. Vocês poderíam esclarecer este ponto?

Obrigada.

<b>Resposta da autora:</b>

Prezada Sheila,

Não há uma nomenclatura padronizada para estes processos, o que sempre gera dúvidas. No caso do artigo em questão, o termo "reforma" refere-se
ao processo de preparo do solo e plantio do pasto com sementes ou mudas e o termo "recuperação" refere-se apenas ao ajuste do manejo e da fertilidade do solo para que a planta volte a se desenvolver no ritmo esperado (ou seja, não é feito novo plantio).

Caso ainda não tenha ficado claro, por favor, volte a entrar em contato conosco.

Atenciosamente,
Patricia Santos
Embrapa pecuária Sudeste
MilkPoint AgriPoint