ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

MG: Balde Cheio leva capacitação para caprinocultores de leite da Zona da Mata

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/08/2016

3 MIN DE LEITURA

0
0
A caprinocultura de leite em Minas Gerais foi incluída no Programa Balde Cheio, projeto que promove o desenvolvimento sustentável por meio da transferência de tecnologia e assistência técnica. O projeto-piloto será iniciado em Coronel Pacheco, na Zona da Mata, e o objetivo é capacitar técnicos e, conforme os resultados, expandir para outras regiões do Estado e do País. As expectativas são positivas em relação ao projeto, principalmente pelos bons resultados já alcançados na produção de leite de vaca.

O programa Balde Cheio é desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Em Minas Gerais é amplamente disseminado na pecuária leiteira. O principal resultado esperado é a melhoria dos sistemas produtivos e da produtividade das unidades, o que é essencial para ampliar a renda e estimular o ingresso de novos produtores na cadeia.

O objetivo é a melhoria dos sistemas produtivos, para aumentar a renda e a qualidade do leite e derivados/Divulgação/Capril Rancho das Vertentes

“Entendemos que a caprinocultura de leite não está no mesmo estágio de desenvolvimento que a pecuária de leite, mas está a caminho. O programa Balde Cheio é uma forma de introduzir tecnologia e aplicar conceitos que promovam o avanço da produção de cabras leiterias. Escolhemos São Gotardo para iniciar o projeto pela região já que conta com pequenos laticínios, associações e produtores, que estão se organizando para formar um arranjo produtivo”, explicou o chefe adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Pecuária Sudeste e um dos coordenadores de Balde Cheio, André Luiz Monteiro.

Uma das primeiras iniciativas será a capacitação de técnicos para atuarem na região. No momento a ideia é trabalhar o processo produtivo, o leite e os derivados. Dentre os temas estão a sanidade, a higiene na produção, a qualidade do leite, gestão, controle de custos e genética. 

“Este profissional será treinado pelo Balde Cheio para atuar na região onde serão desenvolvidos os primeiros ensaios. Pretendemos ajustar a produção para que se tenha um leite de melhor qualidade, o que gera derivados melhores também. É um processo de aprendizado conjunto da Embrapa Caprinos, Embrapa Sudeste e dos produtores. E os produtores estão otimistas porque é uma forma de começar um trabalho inovador de produção intensiva de leite de cabras”, explicou.

Ainda segundo Monteiro, a profissionalização da atividade é o caminho para ampliar a qualidade e atender à demanda do mercado. Desta forma é possível gerar renda e permitir que o produtor invista na atividade. “A produção de leite de cabras pode ser uma fonte de renda interessante, se bem conduzida, podendo atrair novos produtores e laticínios para a região, quando a escala de leite for maior”.

Gargalos 

Para a diretora-executiva e coordenadora de Projetos Técnicos da Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos de Minas Gerais (Caprileite/Accomig), Aurora Maria Guimarães Gouveia, a iniciativa é uma chance para solucionar importantes gargalos enfrentados pela atividade como a falta de mão de obra capacitada e a dificuldade de acesso à extensão rural, o que é promovido pelo projeto.

“O projeto Balde Cheio já deu certo com os bovinos e os caprinos leiteiros têm o mesmo perfil de produção. Acreditamos que o programa promoverá um avanço importante no setor. Estamos solicitando que o projeto seja estendido para a produção de ovelhas leiteiras, atividade que está no início e, caso incluída, poderá crescer estruturada”.

De acordo com os dados da Caprileite/Accomig, a produção de leite de cabra em Minas Gerais está estagnada em função da crise econômica mundial. Nos últimos quatro anos, a produção manteve um crescimento em torno de 20%. O volume mensal supera 60 mil litros nos principais laticínios instalados no Estado que possuem o selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF). “A produção é bem maior, mas existem produtores que processam o leite nas unidades próprias e outros comercializam o leite in natura para ser processado em outros estados. Desta forma, o volume não é contabilizado em Minas Gerais”, explicou Aurora.

As informações são do Diário do Comércio.


0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint