ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Indução do parto em pequenos ruminantes

POR CARLOS FREDERICO DE CARVALHO RODRIGUES

E JOÃO ELZEÁRIO CASTELO BRANCO IAPICHINI

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/11/2007

3 MIN DE LEITURA

2
0
O desencadeamento artificial do parto em pequenos ruminantes, aliado a outras biotécnicas reprodutivas, é uma importante opção como agente de otimização de diferentes sistemas de produção de caprinos e ovinos, contribuindo para a obtenção de resultados mais viáveis do ponto de vista econômico, sanitário, zootécnico e do melhoramento genético.

Nos programas de manejo reprodutivo envolvendo a indução e ou sincronização do estro e ovulação, a inseminação artificial e a transferência de embriões, a indução do parto permite a racionalização do tempo e mão-de-obra gastos na observação de parturientes, com melhor assistência obstétrica e neonatal. Portanto, contribui de forma decisiva na sobrevida dos cabritos e cordeiros, minimizando as perdas desses produtos devido a partos distócicos, traumatismos no pós-parto imediato e outras ameaças para a vitalidade e viabilidade das crias, o que compromete o retorno econômico desses investimentos.

A sanidade dos rebanhos também é beneficiada pela indução do parto, pois impede a ingestão de colostro de cabras e ovelhas portadoras de agentes infecciosos transmitidos via colostro ou leite, possibilitando a manutenção no rebanho de matrizes de bom valor zootécnico, apesar de contaminadas. Desta forma, a caprinocultura leiteira tem na indução do parto uma importante ferramenta auxiliar no controle da artrite-encefalite caprina e da micoplasmose.

A finalização de prenhez prolongada, de alto risco para a matriz, ou ainda aquela ligada a algum transtorno patológico é outra forma de contribuição da técnica de partos induzidos para a sanidade de ovinos e caprinos.

A indução do parto em cabras e ovelhas aumenta a eficiência de produção, reduzindo o intervalo entre partos, e não afeta significativamente a produção de leite. Na caprinocultura leiteira, pode contribuir para uma melhor distribuição dos partos ao longo do ano, diminuindo ou até mesmo suprimindo a entressafra de leite, abrandando entraves produtivos para esse segmento.

Princípio primordial para a implantação e condução de programas de indução e sincronização de partos, a adoção de escrituração zootécnica organizada e confiável permite a determinação da idade gestacional, principal parâmetro para o uso da técnica.

Fundamental também para o sucesso da técnica é a elaboração de um plano nutricional próprio para as fêmeas gestantes, principalmente no terço final da prenhez, garantindo não só a condição corporal da matriz e sua futura produção de leite, mas principalmente o adequado desenvolvimento dos fetos, o que certamente proporcionará melhores coeficientes de peso ao nascimento induzido.

Sendo assim, a orientação profissional para a devida aplicação dessa prática é premissa básica, notadamente na escolha do fármaco desencadeador do parto, seja em função da espécie animal (prostaglandinas para cabras e corticosteróides para ovelhas), o melhor momento de sua aplicação, além de outras ações e cuidados pertinentes. Com isso, os aspectos fundamentais da dinâmica do parto fisiológico e sua manifestação circadiana serão mantidos, com a maioria dos nascimentos ocorrendo no período diurno.

Em contra ponto às vantagens decorrentes do seu uso, a aplicação mais intensiva dessa técnica esbarra na relutância dos criadores em intervirem num processo natural, e também por aumentar sua responsabilidade na condução de todas as etapas inerentes para a adequada utilização do método de indução de partos.

Quando conduzida sem os devidos cuidados e critérios técnicos, a prática de indução de nascimentos pode promover o sofrimento materno através da ocorrência de partos distócicos, predisporem perdas ou desenvolvimentos retardados das crias, diminuição temporária da produção de leite, demora para delivramento das secundinas, retenção de placenta e patologias decorrentes. A utilização inadequada da prática pode então comprometer o desempenho reprodutivo futuro do plantel e certamente transcorrer em índices zootécnicos abaixo dos níveis ideais esperados.
Desta maneira, os meios e os fins para a indução do parto em animais de produção não devem priorizar a busca do aumento da produtividade a qualquer custo, ou pior, por pura conveniência do criador, pois os preceitos de bem-estar animal devem ser preservados.

Referências bibliográficas

GORDON, I. Controlled reproduction in sheep and goats. 2. ed. Cambridge: CABI Publishing, 1999. 450 p.
LICKLITER, R. E. Behavior associated with parturition in the domestic goat. Appl. Anima. Behav. Sci. , v. 13, p. 335-345, 1984.
MODOLO, J. R., STACHISSINI, A .V.M., CASTRO, R.S., RAVAZZOLO, A. P. Planejamento de saúde para o controle da artrite-encefalite caprina, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 80 p.,2003.
Rodrigues,C.F.C.; Bicudo, S.D.; Takada, l.; Requena, j.r.f.; otsuk, i.p.; Leinz, F.F.; Bianchini, D. Indução do parto em cabras Saanen com d-cloprostenol e carbetocina. Revista Universidade Rural, Série Ciência Vida, v.25, suplemento, p. 385 - 386, 2005.
RUBIANES, E.; RODAS, E.; BENECA, A.; CARRAU, A.; FERREIRA, A. Lambing and placental expulsion time after dexamethasone induced parturitionin Corriedale and Polwarth ewes. Theriogenology, v.36, n.2, p.329-334, 1991.
SILVER, M. Parturition: spontaneous or induced preterm labor and its consequences for the neonate. Anim. Reprod. Sci., v. 28, p. 441-449, 1992.
TRALDI, A S. Controle farmacológico do ciclo estral e da superovulação em caprinos e ovinos. In: Controle Farmacológico do Ciclo Estral de Ruminantes, São Paulo, Anais: 306-332, 2000.

CARLOS FREDERICO DE CARVALHO RODRIGUES

JOÃO ELZEÁRIO CASTELO BRANCO IAPICHINI

Pesquisa/Ensino

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VAGNER GUASSO DA COSTA

SANTA MARIA - RIO GRANDE DO SUL - ESTUDANTE

EM 06/02/2008

Boa tarde! Após ler o artigo fiquei bastante interessado em colocar esta técnica em prática, porém desconheço os fármacos necessários e o protocolo da técnica, seria possível citarem-me alguns nomes comerciais? Há alguma objeção quanto a raça texel e condição corporal para aplicação? Parabéns pelo artigo e obrigado pela atenção!
LUIZ CARLOS SILVEIRA

EXTREMA - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 22/01/2008

gosto muito de acessar o farmpoint, pois todos os dias temos novidades e aprendemos muito com vocês . acompanhei a matéria e gostei muito doque li . O rebanho onde presto assistência os animais estão atrasando o cio, não é falta de mineral pois isso eles comen á vontade . gostaria de usar um novo método de prenhês . gostei do artigo o qual eu li , achei muito bom e muito bem explicado . boa noite!
MilkPoint AgriPoint