FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A produção de ovinos e o melhoramento genético no Brasil - Parte 2

POR BRUNO FERNANDES SALES SANTOS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/09/2009

8 MIN DE LEITURA

4
1
Em nosso último artigo iniciamos a discussão a respeito do papel do melhoramento genético nos sistemas de produção de ovinos no Brasil. É muito importante que criadores, técnicos e pessoas ligadas ao meio possam compreender que a influência da "genética" vai além do conceito de raça ou cruzamentos e culmina com o resultado produtivo da atividade em termos de quantidade de produtos (kg de carne, leite ou lã) e retorno econômico, passando pela resistência ou susceptibilidade às principais doenças, número de cordeiros nascidos, sobrevivência e etc. Assim, o objetivo desta sequência de artigos é contribuir para o melhor entendimento de como as sequências de eventos dentro dos sistemas de produção de ovinos são influenciadas pelo melhoramento genético, como promover melhoramento genético dentro dos rebanhos, quais as ferramentas tecnológicas existentes, qual a situação dos outros países do mundo e como os mesmos conduzem seus rebanhos com relação à genética.

Para uma melhor compreensão iremos fazer algumas considerações sobre os princípios básicos de genética e como podemos obter incremento produtivo ou melhoramento a partir da aplicação de técnicas baseadas em tais princípios. A intenção é mostrar ao leitor que os acontecimentos verificados dentro das propriedades apresentam sim uma justificativa científica e podem ser previstos ou mesmo modificados através de procedimentos técnicos conhecidos pela ciência.

Nos últimos 50 anos os métodos de seleção baseados em mensurações de desempenho se tornaram amplamente utilizados em atividades como suinocultura, avicultura e bovinocultura leiteira, porém em bovinocultura de corte e ovinocultura tal utilização apresentou uma penetração um pouco menor. Onde as tais técnicas foram profundamente aplicadas, houve um significativo incremento na produtividade, decréscimo nos preços para a população e melhora da qualidade dos produtos. Um uso mais amplo dos métodos científicos de melhoramento animal poderia contribuir sobremaneira para atender a demanda em proteína de origem animal das populações ao redor do mundo. A ligação entre a genética básica e o melhoramento de características economicamente importantes para produção animal se dá através de cromossomos e genes, que são os responsáveis por transmitir determinadas características de uma geração para a outra.

Os genes são responsáveis por influenciar o desempenho através de diversas ações específicas como regular a formação de proteínas, hormônios e enzimas que atuam na construção de tecidos musculares, funções reprodutivas, produção de células de defesa contra patógenos e etc. Os genes são moléculas que ocorrem em seqüência nos cromossomos presentes nos núcleos de todas as células de um ser vivo. Nas células corporais os cromossomos são apresentados em pares e o número de pares é característica específica de cada espécie, ex. ovinos apresentam 27 pares de cromossomos, bovinos 30 e os seres humanos 23 pares. As exceções acontecem nas células sexuais (espermatozóides e óvulos) que apresentam os cromossomos de forma única e não em pares. Assim, no momento da fecundação, cada novo indivíduo recebe metade de sua carga genética via espermatozóide do pai e a outra metade via óvulo da mãe, formando um embrião com o número total de pares de cromossomos esperado para aquela espécie. O conjunto ou arranjo específico de genes e outras moléculas são responsáveis por formar o DNA ou ácido desoxirribonucléico nos cromossomos. Podemos utilizar a analogia para definir os genes como o plano ou projeto e como o manual de instruções para formação e funcionamento de todos os seres vivos. Além disso, genes são as unidades pelas quais as informações ou as instruções são transmitidas para as gerações futuras, uma vez que tais informações estão impressas na estrutura do DNA.

O conjunto de características que podemos observar ou medir de alguma maneira (pelagem, peso, produção leiteira, número de crias e etc.) em um animal é chamado de fenótipo. O fenótipo é determinado por genes específicos ou mesmo por diferentes grupos de genes localizados em locais específicos da cadeia de DNA. A combinação específica de genes que um animal herda de seus ancestrais e que afetam diferentes características é chamada de genótipo. Animais que carregam em seu genótipo duas cópias do mesmo gene (para uma mesma característica ou expressão) em locais específicos da cadeia de DNA são chamados homozigotos e aqueles que carregam apenas um gene para uma característica específica em um mesmo local na cadeia de DNA são chamados heterozigotos.

Seria excelente se os criadores fossem capazes de predizer o resultado do acasalamento de determinados casais, assim haveria a possibilidade de decidir pelas melhores opções de acasalamento. Infelizmente, é impossível determinar o genótipo de um animal para a imensa maioria das características produtivas economicamente importantes em animais de produção, sobretudo, porque muitas destas características são controladas por diversos genes ao mesmo tempo. Portanto, é necessário calcular a probabilidade ou a frequência esperada de determinados genes ou genótipos resultantes do acasalamento de certos animais para características específicas ou mesmo múltiplas características.

O melhoramento genético depende basicamente da chamada variabilidade genética. Se não existe variabilidade entre os animais para as características de interesse, então não pode haver melhoramento. De outra maneira, se não existem animais geneticamente melhores em relação à maioria, não existe como selecionar aqueles superiores e que serão os pais das futuras gerações. Um exemplo prático de variabilidade genética e sua resposta produtiva seria a apresentação do desempenho dos animais através da curva normal de distribuição, figura 1 abaixo. A ilustração evidencia que a grande maioria dos animais apresenta peso entre 60 e 80 kg de peso vivo com idade de 21 semanas. Alguns poucos animais apresentam pesos abaixo de 60 kg e outros poucos animais pesos acima de 80 kg.

Figura 1 - Distribuição normal de peso vivo de cordeiros com idade de 21 semanas



Este comportamento é verificado em todas as populações, pois as mesmas crescem naturalmente com o aumento do número de criadores e crescimento dos rebanhos, a consequência é que as populações se subdividem através dos acasalamentos, da combinação ou frequência dos genes de diferentes indivíduos e da ocorrência de fatores como segregação de genes, recombinação e mutação, possibilitando a manutenção da variabilidade genética.

As características pelas quais os animais podem ser classificados em classes simples e geralmente visuais (cor da pelagem, presença de chifres e etc.) são chamadas qualitativas. Muitas destas características são controladas por genes únicos e geralmente influenciadas por fatores genéticos. A maior parte das características de importância em produção animal é expressa em unidades que podem ser contadas (ex. número de cordeiros desmamados e OPG) ou mais comumente, mensuradas em escala contínua (kg de peso vivo, mm de gordura, kg de lã e etc.). Tais características são conhecidas como quantitativa e são geralmente controladas por vários genes ao mesmo tempo, sofrendo influencia dos fatores externos ou não genéticos, chamados coletivamente de fatores ambientais.

Um importante conceito em melhoramento animal é que o genótipo de um animal fornece um valor ou desempenho potencial específico para uma determinada característica. Em toda a população de um determinado rebanho ou grupo de animais o desempenho médio da mesma será um reflexo de seu mérito ou potencial genético. No entanto, o desempenho dos indivíduos pode parecer superior ou inferior ao seu mérito genético real dependendo a que condições ambientais os animais são expostos. Assim, para a maioria das características quantitativas o fenótipo (P) ou desempenho observado em um animal depende do genótipo (G) que é herdado de seus pais, avós e etc., e do ambiente (E) a que este animal é exposto. Este modelo é definido da seguinte forma:

P = G + E

O genótipo (G) pode sofrer influência de genes que agem em determinadas características através dos chamados efeitos aditivos (efeitos combinados de muitos genes agindo aditivamente sobre uma mesma característica) e efeitos não-aditivos (causados por dominância e epistasia). Para a maior parte das características quantitativas os efeitos genéticos aditivos são justamente a parte do genótipo do animal que o melhoramento genético procura mensurar e alterar através do processo de seleção, tal parte é denominada valor genético.

Existem distintos métodos de predição do valor genético de um animal ou de um rebanho e também para estimar a transformação do mérito genético de uma população de animais de uma geração para outra e ao longo das gerações. Selecionando animais a partir de valores genéticos é possível promover um significativo incremento no desempenho médio dos animais com o passar dos anos. Assim, embora as mudanças no desempenho dos animais possam ser causadas pelo ambiente (nutrição, manejo e etc.) o fator genético apresenta uma grande importância em tais mudanças. Mensurar a quantidade total de mudanças ou variação no desempenho e atribuir tais variações aos fatores genéticos e não genéticos, é o papel principal do processo de melhoramento genético.

Todos os argumentos apresentados até agora o foram feitos a fim de que o leitor possa compreender e aceitar o fato de que conhecer o valor genético de um animal ou de um rebanho é fundamental quando falamos em genética, mas principalmente quando utilizamos o termo melhoramento genético. Em ovinos, as ferramentas que mostram aos criadores o mérito genético dos rebanhos são amplamente utilizadas em países de ovinocultura desenvolvida. Nestes locais, os programas são conduzidos por empresas privadas, institutos de pesquisa e pelos órgãos governamentais. No Brasil, algumas iniciativas foram tomadas no passado com a finalidade de introduzir ferramentas que pudessem estimar valores genéticos nos animais, como é o caso do PROMOVI. Tais iniciativas foram abandonadas devido a diversos fatores, principalmente ao desinteresse dos próprios criadores e associações. Este fato contribuiu e ainda contribui para o não crescimento da atividade em nosso país. Felizmente a atividade segue uma tendência de desenvolvimento e profissionalização que irão demandar esforços neste sentido, e atualmente já existem novas iniciativas que possibilitam aos criadores mais eficientes conduzirem seus rebanhos mais adequadamente com relação à genética.

No próximo artigo iremos discutir a respeito das estratégias de melhoramento genético. É importante que este assunto seja colocado em pauta e que os leitores possam entender que as diferentes realidades produtivas e finalidades na criação demandam diferentes estratégias de seleção e melhoramento.

Mais uma vez esperamos que os artigos possam contribuir de alguma maneira com o esclarecimento e solução de dúvidas que os leitores do FarmPoint tenham com relação a este importante assunto.

BRUNO FERNANDES SALES SANTOS

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

BRUNO FERNANDES SALES SANTOS

PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 29/09/2009

Prezado Wayne Thomas Enders,

Sim os dados são reais de animais da raça Suffolk de um centro de pesquisa na Escócia. Vale lembrar que esta é a realidade de um determinado local. Aqui no Brasil sim é possível encontrar animais com desempenho semelhantes. No entanto, não devemos visualizar o valor em si e termos isto como referência, mas sim a curva do gráfico, e sabermos que em cada propriedade esta curva se comporta de uma maneira específica.
Iremos seguir com os artigos e esclarecer como podemos agir para mudar esta curva ou as médias em si, para mais ou para menos dependendo da característica ou das características a serem melhoradas.

Obrigado,

BRUNO SANTOS
BRUNO FERNANDES SALES SANTOS

PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 29/09/2009

Prezado Genildo Fonseca Grancindo,

Obrigado pelos comentários. Definitivamente a escrituração zootécnica é o primeiro passo para iniciarmos qualquer tipo de trabalho que envolva melhoramento genético. Com relação à alimentação dos rebanhos, sanidade e etc., é importante ressaltar que a expresão do potencial genético de uma animal só é possível se este animal tiver suas necessidades atendidas. E também é importante ressaltar que o nível produtivo ou o limite de produção será determinado pelo potencial genético e pelos fatores ambientais. Assim, não adiante um propriedade possuir um rebanho de alto valor genético sem possuir alimentação suficiente. Também não adianta a propriedade possuir alimentação de alta qualidade e animais sem potencial de produção.

A melhor recomendação é possuir animais adequados à realidade produtiva de cada situação. Lembremos que o melhoramento genético também atua incisivamente em características como sobrevivência, resistência à doenças e etc. O que são características muito importantes em situações onde o ambiente é muito severo. É importante aceitarmos que o melhoramento é muito amplo e tem por objetivo principal elevar a produtividade em todos os sistemas de produção, seja ela qual for.

Obrigado,

BRUNO SANTOS.
WAYNE THOMAS ENDERS

NATAL - RIO GRANDE DO NORTE - PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE

EM 28/09/2009

Prezado Bruno,

Primeiro, gostaria de agradecer você pela sua contribuição na melhoria da ovinocultura aqui no país. Estou sempre atento para informações que eu possa por em prática para melhorar meu rebanho no sentido de aumentar a produtividade e de produzir reprodutores para outros produtores.

Fiquei curioso sobre a Figura 1, no texto - o gráfico da distribuição de peso a idade de 21 semanas. Foi usado apenas como demonstração de como analisar características dos ovinos ou é baseado em dados reais? Em outras palavras a média de aproximadamente 70 kilos a 21 semanas de idade é uma realidade? Se for, gostaria de saber se foi considerados cordeiros de todas as raças ou quais as raças que foram incluidas nesta analise.

Confesso que, infelizmente, o peso médio dos meus cordeiros, a 21 semanas, não chega perto à média mostrada no gráfico.

Mais uma vez, grato pelas informações.

Wayne Thomas Enders
Fazenda Cangaço
Touros/Gostos - RN
GENILDO FONSECA PEREIRA

APODI - RIO GRANDE DO NORTE - PESQUISA/ENSINO

EM 28/09/2009

Parabéns Bruno, muito bom seu artigo com grande embasamento técnico sobre genética. Temos de insistir na escrituração zootécnica como uma das ferramentas do melhoramento genético que ainda é muito incipiente nos rebanhos ovinos do país e nos sistemas de alimentação para que a fórmula do F=G+A, funcione, pois não há melhoramento genético sem primeiro melhorarmos a alimentação do rebanho.
MilkPoint AgriPoint