FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A importância da seleção de touros e das técnicas reprodutivas

POR LIBOVIS - UFRRJ

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/09/2020

6 MIN DE LEITURA

0
8

O setor pecuário vem sofrendo grandes modificações no Brasil e no mundo. Devido ao intenso crescimento populacional e a demanda progressiva por alimentos, principalmente aqueles advindos de origem animal, busca-se cada vez mais a eficiência e produtividade de rebanhos bovinos. Desse modo o cenário reprodutivo vem sofrendo fortes modificações e abandonando velhos manejos. Um exemplo é o uso da inseminação artificial. Ao se comparar o número de fêmeas em idade reprodutiva (ANUALPEC, 2018) com o número de doses se sêmen comercializadas (ASBIA, 2019) em 2018 e ainda, analisando o Brasil desde o ano de 2002 (BARUSELLI et al., 2012) a 2018 (BARUSELLI et al., 2019), o percentual de fêmeas inseminadas passou de 5,8% em 2002 para 13,1% em 2018.

Apesar de parecer um pequeno crescimento, a tendência é de que as técnicas utilizadas para melhorar os índices de reprodução dos rebanhos bovinos ganhem maior adesão de produtores rurais. Um dos entraves para a adoção das técnicas é quando o produtor só se preocupa com a reprodução e esquece que a lucratividade de um rebanho é um conjunto de fatores.

Manejo adequado

Embora eficientes, estas técnicas, quando aplicadas sozinhas, não têm bons resultados. Para se obter uma eficiência produtiva e, consequentemente, uma eficiência econômica e zootécnica, o produtor precisa ter um planejamento para que seus animais tenham uma boa nutrição, ambiente saudável, higiene na propriedade, cuidados sanitários e, principalmente, genética e o uso de técnicas reprodutivas adequadas às variadas situações. O manejo nutricional é considerado um dos principais fatores que afetam a reprodução de bovinos. Conhecer as necessidades nutricionais dos animais e alcançar um manejo adequado, possibilita aumentar a produtividade da fazenda e diminuir perdas, tais como, mortalidade elevada, baixo índice de concepção e prenhez, dentre outros.

Escolha do reprodutor

Na escolha de reprodutores, para se conhecer o verdadeiro potencial reprodutivo dos animais, deve-se analisar o histórico do animal, fazer o exame clínico geral, exame físico dos órgãos reprodutivos (internos e externos), observar o comportamental sexual, coletar sêmen para avaliação da qualidade, além das medidas biométricas, sendo a mais utilizada a mensuração da circunferência escrotal.

Os testículos são órgãos que desempenham importantes funções, como a produção de hormônios andrógenos (testosterona), além da produção, transporte e armazenamento de espermatozoides. As medidas biométricas testiculares são avaliações que podem ser realizadas de maneira simples e rápida. Essas apresentam alta correlação com os parâmetros produtivos e reprodutivos dos machos. Dentre essas características está a libido dos animais, qualidade do sêmen e o peso corporal.

As características relacionadas à biometria testicular do aparelho reprodutor de machos são amplamente utilizadas na seleção de reprodutores, como a circunferência escrotal, perímetro e volume testicular e a forma testicular (associada à qualidade seminal). Dentre as medidas, a circunferência escrotal é a principal medida biométrica para essa seleção, uma vez que é fácil de ser mensurada. Porém, seus valores e, consequentemente, a qualidade do sêmen podem ser afetados por alguns fatores, como época do ano, idade e peso do animal. Sendo assim, animais com idade mais avançada e maior tempo de atividade sexual apresentam circunferência escrotal maior. Também vale ressaltar que essa medida pode variar entre as raças de bovinos e também entre as linhagens.

Os zebuínos possuem os testículos mais longos se comparados com os taurinos e, consequentemente, a circunferência escrotal menor. Dessa forma, outras medidas vêm sendo introduzidas nas avaliações dos reprodutores, como a forma dos testículos e o volume testicular. Assim, a circunferência escrotal somada a outros parâmetros testiculares são utilizados para a seleção de bons reprodutores.

Técnicas reprodutivas

Visando o melhoramento genético e o aumento da produtividade do rebanho, torna-se imprescindível desenvolver e aprimorar tecnologias que resultem em acelerado ganho genético e alta eficiência reprodutiva.

Entre as mais utilizadas, a inseminação artificial (IA) traz grandes vantagens para os rebanhos, quando comparada com a monta natural. A técnica permite maior aproveitamento do potencial de reprodutores considerados geneticamente superiores, visto que o sêmen de um só ejaculado pode ser fracionado e utilizado para inseminar diversas vacas, independente da distância entre propriedades, pois o congelamento do produto permite o transporte e o armazenamento prolongado, rompendo barreiras geográficas e temporais, uma vez que possibilita a utilização do sêmen mesmo após a morte do reprodutor.  Entre outras vantagens da aplicação da IA, também há prevenção de transmissão de doenças venéreas, por não haver o contato direto entre fêmea e reprodutor, melhor controle sobre cruzamentos e uniformidade do rebanho e, a possibilidade de adquirir sêmen de reprodutores de alto valor zootécnico, sem custos de aquisição e manutenção do animal.

Como desvantagem da técnica, há necessidade de identificação do estro (cio) das fêmeas para distinguir o momento adequado para inseminação. Tal desvantagem, contudo, pode vir a ser resolvida por meio de protocolos hormonais aplicado as fêmeas, permitindo o controle da ovulação em dias pré-determinados, programa este conhecido como inseminação artificial em tempo fixo (IATF). Além de eliminar a necessidade de detecção de estro, a IATF também pode auxiliar vacas em anestro a ciclarem novamente, dependendo da causa do anestro, aumentando a eficiência reprodutiva do rebanho.

Em fêmeas de alto valor zootécnico onde há o desejo de aumentar o número de seus descendentes, outras biotecnologias podem ser implementadas, como a transferência de embrião (TE). Para realização da técnica, a fêmea doadora é submetida a um processo chamado de superovulação, pelo qual é estimulada a produzir um número maior de óvulos do que produziria fisiologicamente. Devido ao maior número de óvulos, há aumento do número de vezes em que a fêmea doadora será inseminada, variando o número e o horário de protocolo para protocolo. A transferência de embriões propriamente dita se dá pela coleta dos embriões do útero da fêmea doadora e transferência para o útero de fêmeas receptoras, que levarão a gestação adiante. Lembrando que, o trato reprodutivo da fêmea receptora deve estar sincronizado com a idade do embrião da doadora no momento da transferência.

A produção in vitro de embriões (PIV), também chamada fecundação in vitro (FIV), é outra biotecnologia utilizada para se obter descendentes de fêmeas de alto valor, sendo a possibilidade da venda de embriões um dos grandes motivadores para escolha da técnica. Para sua execução, inicialmente é realizada a aspiração dos folículos dos ovários da fêmea. Depois de recolhidos, os mesmos são maturados e fecundados em laboratório, produzindo in vitro um embrião de alto valor, quando o oócito e sêmen utilizados são de animais de excelente genética. A qualidade do embrião irá determinar se é viável ou não transferi-lo a uma receptora ou criopreservá-lo para uso futuro.

Os produtores devem ter conhecimento sobre novas técnicas e suas aplicabilidades, para tornar o rebanho mais produtivo. A eficiência reprodutiva é um dos aspectos que mais contribui para a rentabilidade do sistema de produção, por isso é objeto constante de estudos. O impacto das biotecnologias da reprodução nos sistemas de produção depende de quão ampla e eficientemente possam ser aplicadas. A introdução e expansão destas biotecnologias dentro de um rebanho, embora demandem investimento, contribuem para um rápido progresso genético, otimizando os sistemas de criação e gerando ganhos significativos para a pecuária.

Autores:

Anna Carla Silva Cunha1
Júlia dos Santos Fonseca1
Fernanda Vieira Galvão1
Ana Paula Lopes Marques2

1 Discentes e 2 Orientadora, Grupo de Estudos Liga de Bovinos - LiBovis

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, UFRRJ

 

Fontes consultadas:

ANUALPEC. Anuário da Pecuária Brasileira. Rebanho bovino brasileiro. São Paulo: FNP, 2018.

ASBIA. Associação Brasileira de Inseminação Artificial. Index ASBIA Mercado, 2019. Disponível em: <https://www.lancerural.com.br/vendas-de-semen-bovino-crescem-no-1o-semestre-de-2018/presidente-da-asbiasergio-saud-anuncia-aumento-nas-vendas-de-semen/>. Acesso em: 31/08/2020.

BARUSELLI, P. S. et al. Evolução e perspectivas da inseminação artificial em bovinos. Revista Brasileira de Reprodução Animal, v.43, n.2, p.308-314, 2019.

BARUSELLI, P.S. et al. History evolution and perspectives of timed artificial insemination programs in Brazil. Anim Reprod, v.9, p.139-152, 2012.

LIBOVIS - UFRRJ

A Liga de Bovinos, LiBovis, é um grupo de estudos constituído por alunos de graduação em Medicina Veterinária e áreas afins da UFRRJ. Tem como objetivos estudar, compreender e defender os interesses da bovinocultura contribuindo para sua valorização.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint