FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Beliscos após a tempestade

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 16/07/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

Por Coriolano Xavier, membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor da ESPM.

Em inglês, snack é o nome daquele alimento casual que comemos a qualquer momento do dia e por aqui chamamos de “belisco” ou “lanchinho”. O lançamento de snacks no mercado tem uma taxa de sucesso ao redor de 60%, nível superior a qualquer outra categoria de alimento. Por sua própria natureza, o snack tem chance maior de impacto pela forma, sabor, inovação de design ou marketing. Mas mesmo considerando tudo isso, sua taxa de sucesso é invejável, o que indica prontidão positiva das pessoas com relação ao produto.

Na cultura alimentar as refeições estão associadas a momentos específicos do cotidiano. O snack vingou um pouquinho diferente, pois seu conceito original de consumo está associado à mobilidade e ação. Comer em movimento ou fazendo alguma coisa, no trabalho ou no lazer. Comer “on the go”, dizem os norte-americanos. Mas a pandemia pode estar ampliando essa percepção de consumo.

Na China e Espanha, por exemplo, observou-se aumentos de 17% e 74% na procura por esse tipo de alimento nos períodos de quarentena. No Brasil as vendas cresceram cerca de 10%, enquanto grandes empresas multinacionais com atuação assertiva no marketing global de snacks avançaram 7% no primeiro trimestre do ano, em pleno choque da covid-19 (lembrando que a pandemia emergiu primeiro na Ásia e Hemisfério Norte).

Pode ser que o coronavírus esteja empurrando o consumo de snacks para dentro de casa também. Rápido e prático, o produto tem nessa conveniência um forte apelo e ainda responde ao natural interesse do consumidor por alimentos novos, diferentes e acessíveis (em geral é percebido como um gasto pequeno). Com esses pilares, cai como uma luva no gosto das gerações mais jovens e já se observou, em pesquisa, que mais de 60% dos entrevistados da Geração Y (nascidos de 1981 a 1996) declaram substituir eventualmente refeições por snacks.

A pandemia deixará uma pauta de saudabilidade em todo o planeta. O “alimento saudável” já vinha sendo escolha alimentar crescente e, agora, tudo indica que a tendência vai se acelerar e se fortalecer na consciência do consumidor. Mas nem por isso o fôlego do snack vai ser, necessariamente, enfraquecido. Já há uma geração ascendente de snacks fit ou saudáveis, desenvolvidos com cereais, frutas desidratadas e nozes, por exemplo – segmento no qual o setor espera obter crescimentos na casa dos dois dígitos, nos próximos anos.

Os tempos de pandemia são complexos, ambíguos e incertos. Após a tempestade, tudo pode voltar ao padrão anterior. Mas não creio. Traços de mudança devem ficar e daí será oportuno colocar os snacks no radar do agronegócio, pois podem gerar impactos e oportunidades em toda cadeia produtiva, inclusive no dentro da porteira. Tempos atrás, por exemplo, produtores de uva da Califórnia, reunidos em uma associação, lançaram o conceito da uva passa como snack (“California Raisins”), marcando um grande sucesso nesse mercado norte-americano.  

Quer ficar por dentro do mundo lácteo por meio de um formato diferente? Siga o nosso canal no YouTube e acompanhe as nossas publicações! Vamos amar ver você por lá heart

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.