FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Âncora Verde

POR XICO GRAZIANO

ESPAÇO ABERTO

EM 09/07/2014

8
0
Toda a Nação, orgulhosamente, comemorou na semana passada os 20 anos do Real. Na história da moeda que serviu à estabilização da economia brasileira, um capítulo especial, a ser reconhecido, cabe à agropecuária. Sua capacidade de produção ajudou, decididamente, a segurar o preço dos alimentos. Âncora verde.

Excluindo quem vivia do mercado financeiro, tudo era muito difícil naquela época de inflação galopante. É verdade que, no campo, o agricultor ganhava com a valorização de seu principal patrimônio, a terra. Mas sua renda, que importa no bolso, regra geral se comprometia pelo controle existente seja no preço mínimo dos produtos agrícolas, seja nos preços do varejo. Todo governo teme a carestia e sonha com o alimento barato na mesa do povo. Sempre se esquecem, porém, da justa remuneração aos produtores rurais.

Existem características próprias do ciclo de produção no campo. Primeiro, a natural demora do crescimento vegetal, desde o plantio até a colheita ou, na pecuária, até completar o ciclo animal. Segundo, a sazonalidade da safra, em função da estação do ano, da época de chuvas e do calor. A indústria e o comércio enfrentam a inflação reajustando os preços rapidamente; no agro, tal procedimento é impossível. Aqui mora o perigo constante do descasamento entre custos e receitas rurais. A margem de lucro quase sempre fica com o intermediário.

A superinflação iludia. Os produtores rurais tomavam créditos que os endividavam sem perceber: juros sobre juros, correção monetária, mata-mata de empréstimos, cheque especial se misturando com capital de giro, perdia-se a verdadeira conta dentro daquela ciranda financeira. Na década de 1990, os sucessivos, e desastrados, planos econômicos do governo Collor complicaram a situação. Os bancos, espertamente, se aproveitaram das crises para imputar débitos irregulares na conta dos agricultores. O produtor financiava um trator, pagava várias prestações, mas quando ia apurar sua dívida, o extrato bancário indicava que ele, ainda, devia o valor correspondente a três tratores. Parece gozado, mas era uma tristeza.

Quando, finalmente, chegou a estabilização da moeda em 1994, a grande maioria dos agricultores nem sabia, ao certo, o tamanho de seu problema. Seu endividamento, porém, sem a fumaça da inflação, se tornou gigantesco. Para piorar, no início do Plano Real os contratos de financiamento foram corrigidos em cerca de 40%, sem nenhuma correspondência com os preços agrícolas. Nesse contexto, com a rentabilidade ameaçada e os bancos lhes apertando o calo, estourou a primeira grande manifestação pública dos ruralistas em Brasília, apelidada de “tratoraço”. O recálculo das dívidas bancárias era sua principal bandeira.

Na confusão, em meados de 1995, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o atendimento de algumas reivindicações dos ruralistas, reconhecendo que a agricultura havia cumprido papel decisivo no êxito do Plano Real. “Só não posso aceitar o calote”, afirmou FHC. A frase tinha endereço certo: as sanguessugas do poder público, aqueles malandros que, em qualquer setor, se enriquecem com o dinheiro do Tesouro e depois inventam uma causa altruísta para exigir o “perdão” das dívidas. Nada a ver com a esmagadora maioria dos agricultores que protestavam. Porém, como soe acontecer, o discurso acabou distorcido, como se o presidente tivesse chamado, a todos, de caloteiros. E a opinião publica passou a condenar os ruralistas, acusando-os de querer mamata.

O professor Fernando Homem de Melo (USP), um dos maiores economistas agrícolas do país, acompanhava de perto os acontecimentos. Seus cálculos mostravam que entre 1984 e 1985 havia ocorrido uma “impressionante redução” de 25,8% na receita do setor agrícola vegetal, atestando que a choradeira ruralista partia de bases concretas. Verificara-se, de fato, uma deterioração na renda agregada da agropecuária, um forte tranco causado pela conjunção de vários fatores, incluindo a política cambial e a redução de tarifas na importação de certos produtos, como trigo e algodão. Vértebras quebradas.

O governo, impulsionado pelo Congresso Nacional, acertou nas medidas corretivas, principalmente ao promover a securitização (alongamento) de boa parte das dívidas, incluindo aquelas assumidas pelas cooperativas agropecuárias. Aos poucos as coisas foram se acomodando no campo, como de resto em toda a economia brasileira. Eliminado o monstro inflacionário, o esforço produtivo começou a render mais que a aplicação financeira. A moeda estável dera um golpe de morte no patrimonialismo. Doravante valeria o trabalho, o empreendedorismo, a tecnologia. O real mudou o Brasil.

Com o programa Moderfrota, operado através do BNDES a partir de 2000, os produtores rurais conheceram a maravilha da prestação fixa no financiamento de máquinas e implementos agrícolas. Ninguém, jamais, havia visto aquilo acontecer: você comprava uma colheitadeira, e pagava as prestações sempre com o mesmo valor. Agora banal, na época parecia um sonho.

Feita a transição, com muito sacrifício, a safra nacional de grãos bateu, em 1999, um recorde de 82,4 milhões de toneladas. Quatro anos depois, estabilizada a economia e arrumada a casa, a colheita da safra plantada no último ano do governo FHC atingiu 123,2 milhões de toneladas, vertiginoso crescimento de 49,5% em apenas quatro anos. A luz do futuro se acendera.

Hoje a agropecuária brasileira se superou: abastece o mercado interno e exporta para o mundo. A âncora verde continua ativa: o superávit na balança comercial agrícola, de U$ 83 bilhões, paga a conta das importações nacionais. Sem o campo, não se moveria a cidade.
 

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JURANDI LAVOR ROLIM

GOIÂNIA - GOIÁS

EM 14/07/2014

Creio estar havendo um desvirtuamento do contido no artigo do Sr. Graziano; pois ele está abordando o fato do progresso adquirido pelo setor agropecuário no Brasil na era pós plano real, com desenvolvimento tecnológico e consequentemente aumento de produtividade, que em contra partida tem gerado melhores condições à cadeia do agronegócio como um todo, proporcionado melhoria de renda ao produtor.

Quanto a outros problemas existentes no Brasil, são muitos e com vários índices de complexidade, mas não os conseguir vislumbrar na abordagem oportuna e muito bem elaborada do Sr. Graziano, o qual parabenizo.

Mesmo dentro da cadeia do agronegócio existem gargalos que ainda precisam de ajustes e/ou soluções, para que além da tecnologia e produtividade, o Brasil venha a apresentar também, competitividade no mercado internacional, o que é muito importante.
VICENTE RODRIGUES

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 11/07/2014

nao contesto os numeros citados por vc,mesmo porque nao os tenho, nem tempo para pesquizar a respeito. o que sei e` que com o advento de um periodo em que podiamos planejar e trabalhar com seguranca ,fomos a luta e deu no que deu. sucesso absoluto de incremento de producao e sobras para reaplicarmos na atividade que estava, e ainda esta  dando retorno positivo. tudo isso so foi possivel com a estabilizacao da moeda.(plano muito bem bolado pela equipe do fhc). quanto a entrada de capitais na nossa economia isso foi muito bom. pois nao tinhamos poupanca para podermos trabalhar com folga,o que veio ocorrer e nos possibilitou a modernizacao de nossas ferramentas produtivas. agora, pagar o que devemos e` obrigacao.nao podemos dar calote em ninguem. precisamos e` de mais financiamento, venha de onde vier, vamos cumprir as regras e trabalhar que tudo da certo. o perigo atual e` o retorno da inflaçao.
PABLO JONAS CAMILO

SALTO DO LONTRA - PARANÁ - ESTUDANTE

EM 11/07/2014

Caro Vicente, perceba bem suas excelentes colocações - progresso técnico, aumento de riquezas, produtividade, modernidade e evolução em todo o setor. Em minha opinião o sucesso da agropecuária brasileira e do agronegócio como um todo se deu a uma série de mudanças de nível técnico, como você bem colocou, ou seja o campo passou por profundas transformações ocorridas pelo avanço das forças produtivas que se apoderam cada vez mais da ciência, criando tecnologia, impulsionando o progresso técnico e consequentemente a produtividade geral dos fatores (terra, capital e trabalho). O que eu não concordo é atribuir o sucesso da agropecuária ao plano real e as politicas NEOLIBERAIS do governo FHC e Collor. Faço umas perguntas a qualquer leitor deste site sobre o governo bem intencionado.  O que aconteceu com o orçamento da Embrapa depois da década de 1990 ? Quem domina atualmente a pesquisa genética de de plantas e animais no Brasil ?

Insisto em dizer que o sucesso do plano real se deu através da entrada de capitais externos no país, o saldo da balança de capitais em 1995 era de 30,7 bilhões.  A sobrevalorização do real facilitou as importações e dificultou as exportações, para cobrir o furo da balança de mercadorias pegávamos empréstimos externos e estimulávamos os IED´s. Isso serviu para ampliar, pouco depois, o deficit na balança de serviços, onerada por crescentes remessas ao exterior de juros e rendimentos. Os juros em 1995 eram de 42,4% qual economia resiste a isso ?

Que tal consultar o aumento da dívida externa do Brasil na época.



Um tsunami seria menos nocivo para o Brasil...
VICENTE RODRIGUES

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/07/2014

nao entendi os comentarios do pablo.esta confuso, misturandoalhis com bugalhos. estamos falando de progresso,aumentode riquezas, produtividade, modernidade,evolucao geral de todo um setor.tudo isso baseado em muito esforco e trabalho de gente com os pes no chao, que contaram com a ajuda de um governo bem intencionado, e competente.haja visto a ferramenta que estamos usando para interagirmos, o milkpoint, produto da evolucao das sacadas corretas desde aquela epoca.um abraco. vicente.
JURANDI LAVOR ROLIM

GOIÂNIA - GOIÁS

EM 10/07/2014

Muito bem colocado, Vicente.

Vale salientar que a balança comercial (importações/exportações) mostrou-se ao longo desses vinte anos, sempre superavitária, corroborando com a estabilização da moeda.
PABLO JONAS CAMILO

SALTO DO LONTRA - PARANÁ - ESTUDANTE

EM 10/07/2014

Este artigo me fez lembrar de um dos ensinamentos de Ignácio Rangel, onde ele explica que a inflação é apenas o sintoma da doença, assim como a febre é o sintoma de uma infecção. Pensando nisso e analisando a conjuntura total das ações políticas dos governos Collor e FHC, que se renderam a "cartilha" neoliberal acredito que o sucesso do plano real só teve os resultados expostos acima por cobrar de outros setores da economia  como a indústria, alem do fato de que nos anos que seguiram o cambio flutuante tornam nossa moeda alvo de especulação do mercado financeiro, mas nos somos um país agrícola ok ok e como esta a situação de nossas commodities ?

Estabilidade econômica se deu de forma superficial, ao promover a abertura economia e garantir a festa para o capital especulativo, promovendo concorrência desleal em vários setores, ou fazendo da terra uma oportunidade para liquides de investimentos.

Acredito que o plano real foi a ação do governo que se livrou da doença matando o doente.  
LUCIO MARTINS COSTA

FRUTAL - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 10/07/2014

Excelente reportagem. Parabéns Xico Graziano.
VICENTE RODRIGUES

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/07/2014

Publique isto na grande imprenssa, mesmo como materia paga. O grande publico precisa saber. Vicente.