ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O novo século pede mudanças no setor de lácteos

POR MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

PANORAMA DE MERCADO

EM 19/01/2001

2 MIN DE LEITURA

0
0

Maurício Palma Nogueira

Mesmo com a expectativa de que os preços se recuperem a partir da segunda metade do mês de janeiro, a situação é tão desanimadora que tem sido inevitável "entregar-se ao pessimismo", conforme comentou um agente de mercado.

É evidente a crise pela qual o setor passa, na virada de um ano que chegou a ser chamado de "o ano do leite" no meio agropecuário. O terceiro milênio começa exigindo mudanças em todas as etapas da cadeia, desde o produtor até o consumidor.

Conforme tem sido comentado por especialistas, cooperativas e pequenos laticínios deverão se mobilizar e se preparar para a possibilidade de alterar suas estratégias de médio e longo prazo, acompanhando exigências de mercado e administrativas, do ponto de vista operacional.

Mesmo as maiores indústrias, nacionais ou multinacionais, deverão rever a sua forma de atuação no mercado, seja nas compras ou nas vendas.

A organização, as fusões e a agressividade das redes varejistas exigem que atitudes sejam tomadas no sentido de mudanças no setor. A prova disso são os resultados recordes obtidos no ano de 2000 pelos supermercados e grandes varejistas,que fecharam o século com chave de ouro.

A antiga relação conflituosa entre laticínios e produtores deve também ser revista, especialmente por parte dos produtores. O setor produtivo (produtores de leite e laticínios) deve se unir e se organizar para conseguir força nas negociações com os gigantes que se formaram e atuam junto aos consumidores numa posição extremamente favorável.

É prejudicial ao setor a forma de atuação do varejo? Não necessariamente. O fato é que o modelo agropecuário brasileiro não se adequou às novas condições, porém é preciso fazê-lo. A nova realidade já está valendo e estará sendo imposta de cima para baixo, como sempre acontece na agropecuária.

E a quem mais interessa essa união, representatividade, força, parceria, relação vencer/vencer (como coloca Stephen R. Covey)? A ambos, laticínios e produtores.

Apesar da situação mais cômoda para a indústria, que pode repassar a pressão para o produtor, também não é interessante para ela que o produtor seja castigado ao longo dos anos.

As relações entre fornecedores e receptores devem ser encaradas como relações entre clientes, ou seja, ninguém e nenhuma organização ganha quando o cliente perde. Atualmente, com tanta preocupação em não extinguir ou esgotar os recursos naturais, o quê as indústrias ganhariam com o esgotamento das forças dos seus fornecedores?

E a recíproca também é verdadeira.

 

**************



Scot Consultoria - (17) 3343-5111
E-mail: scotconsultoria@scotconsultoria.com.br

MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint