ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

IBGE: produção de leite cresce 1,8% no 1T em relação a 2020

POR AMANDA QUINTÃO

PANORAMA DE MERCADO

EM 08/06/2021

2 MIN DE LEITURA

0
2

O IBGE divulgou nesta terça-feira, 08/06, os dados finais da Pesquisa Trimestral do Leite, referentes à captação no primeiro trimestre de 2021. A prévia, divulgada em maio, apontava uma queda de 3,3% em relação ao quarto trimestre de 2020, mas um aumento de 1,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Com os dados já consolidados, observamos uma queda de 3,5% em relação ao último trimestre de 2020, e um aumento de 1,8% em relação ao primeiro trimestre de 2020. O Gráfico 1 mostra a relação da variação de cada trimestre em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

 

Gráfico 1. Captação - Variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

 


Fonte: elaborado pelo MilkPoint Mercado baseado em dados do IBGE.

 

A aquisição de leite cru resfriado no 1°T de 2021 foi de 6,5 bilhões de litros. Se comparada ao que foi observado no 1°T de 2020, temos um acréscimo de 114,6 milhões de litros, que podem ser atribuídos ao aumento da aquisição no Rio Grande do Sul, que cresceu 6% (+52 milhões de litros), Santa Catarina com crescimento de 5% (+38,35 milhões de litros), Paraná crescendo 3% (+32,10 milhões de litros) e Goiás com crescimento de 4% (+28,14 milhões de litros).

Comparativamente, estados como São Paulo, Mato Grosso e Minas Gerais tiveram uma queda de aproximadamente 62,9 milhões de litros, sendo que São Paulo captou 3% a menos, Minas Gerais 6% a menos e Mato Grosso captou 10% a menos do que em 2020.

Em uma análise por cada região, tivemos Sul e Sudeste se destacando com as maiores captações, apresentando 2.62 bilhões de litros no Sudeste e 2,57 bilhões de litros no Sul. Mesmo com as quedas apresentadas anteriormente, Minas continua sendo responsável pela produção de 25,3% do leite brasileiro.

Uma variável que nos ajudaria a entender este aumento da captação no primeiro trimestre de 2021 frente ao primeiro trimestre de 2020 é a rentabilidade ao produtor, aferida pelo RMCR. No final de 2020, esta se mostrou 19% mais elevada do que o que era apresentado no início do ano, alavancando a produção leiteira (há uma defasagem entre a elevação da RMCR e seu efeito na captação/produção). Este cenário mudou drasticamente no início de 2021, conforme nos mostra o gráfico 2.

 

Gráfico 2.  RMCR (R$/vaca/dia) - ano x ano - deflacionado.


Fonte: elaborado pelo MilkPoint Mercado com base em dados do DERAL/SEAB/PR e do Cepea – deflacionados pelo IGP-DI.

 

No primeiro trimestre de 2021, tivemos a influência dos altos preços dos grãos como ponto determinante nos valores observados no Gráfico 2. Com isso, temos 2021 começando com  o RMCR de janeiro 15% mais baixo do que o que era observado em dezembro de 2020.  O efeito desta queda no RCMR deve ser verificado na produção do 2º trimestre de 2021.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint