FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

MG: resíduo de laticínio pode ser usado como adubo

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 14/09/2009

3 MIN DE LEITURA

6
0
Resíduos de laticínios podem ser utilizados como adubo na agricultura e reduzir os custos que os agricultores têm para preparar a terra. A descoberta foi feita por um grupo de pesquisadores da Universidade Vale do Rio Doce (Univale) de Governador Valadares, Leste de Minas Gerais, após pesquisas com os resíduos orgânicos da indústria de laticínios Barbosa & Marques S/A, produtora dos queijos Regina. Os estudos mostram que o resíduo, até então depositado no aterro sanitário pelos laticínios, é rico em nutrientes, melhora as características físicas do solo, aumenta a retenção de água e a produtividade da planta em cerca de 30%.

A pesquisa vem sendo realizada desde 2006 sob a supervisão do engenheiro agrônomo e professor da Univale Alexandre Sylvio. O objetivo é reaproveitar os resíduos orgânicos originários do processamento industrial do leite e transformá-los em adubo. Já se descobriu, por exemplo, que eles resolvem a carência nutricional das plantas, um problema que, segundo o professor, é sério e agravado, na região, pela qualidade do solo "muito pobre quimicamente".

"São resíduos orgânicos com características agronômicas interessantes em termos de fertilidade e características físicas. Nosso trabalho foi adequar esse material para o uso na agricultura. Foi desenvolver um produto e criar um manejo para que pudesse ser usado, descobrir como a planta pode tirar proveito desse material", explica Alexandre Sylvio. Segundo o pesquisador, foram avaliados, entre outros, a quantidade e o tipo de cultura e feitas análises físico-químicas para descobrir se o material era viável. O passo seguinte da pesquisa foram as experiências na "Casa de Vegetação", ambiente controlado e com a utilização de mudas em vasos. Finalmente, foi feito o plantio no campo, fase conhecida como teste da produtividade. A experiência foi feita com capim, feijão e milho.

"No geral, alcançamos aumento na produtividade de 20% a 30%, valor considerável. A planta se desenvolve e cresce mais", explica o pesquisador, assegurando que não há mudanças genéticas, mas melhoramento na resposta, no desenvolvimento fisiológico da planta.

Os resíduos da agroindústria, explica o pesquisador, geralmente, são orgânicos, ricos em nutrientes e têm baixo teor de contaminantes como metais pesados ou compostos orgânicos tóxicos, pontos positivos que favoreceram a decisão de estudá-los como adubo orgânico. Por outro lado, o preço dos nutrientes tradicionais aumenta o custo para a agricultura, em especial daqueles que contêm fósforo. "No caso em estudo, como está na forma orgânica, o fósforo é liberado aos poucos para a planta. É diferente do adubo, onde o nutriente está totalmente disponível e, aos poucos, vai se perdendo. Com o adubo orgânico acontece o caminho inverso, ou seja, fica disponível aos poucos, tornando-se mais viável".

Alexandre Sylvio ressalta também os custos que as fábricas, em geral, têm hoje com o aterro sanitário. "Fazendo a preparação dos resíduos, as fábricas poderão vender ou até mesmo distribuí-los gratuitamente, se livrando do ônus ambiental", sugere. O resíduo precisa ser secado, moído e peneirado para ser utilizado como adubo orgânico. O material não pode ser lançado "in natura" no meio ambiente, onde levaria cerca de seis meses para se decompor e ainda provocaria mau cheiro.

A pesquisa "Avaliação de Resíduo Orgânico Industrial e Cinzas da Indústria de Laticínios Barbosa e Marques no Solo e no Desenvolvimento de Culturas Agrícolas e Pastagens" está sendo realizada desde 2006, mas ainda não foi totalmente concluída. Segundo o pesquisador, o estudo integra o "Grupo de Pesquisa Avaliação Agrícola de Resíduos Industriais", que, desde 2004, avalia a transformação de resíduos de celulose, rochas ornamentais, silicatos e ácido sulfúrico de baterias em adubos para a agricultura. Na pesquisa com laticínios está concluída a fase de viabilização do uso, já aprovada pela Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam).

A matéria é de Ana Lúcia Gonçalves, publicada no jornal Hoje em Dia /MG, adaptada e resumida pela Equipe MilkPoint.

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SONIA LEITE

AIURUOCA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/04/2015

Bom dia!

Gostaria, por gentileza e se possível, entrar em contato com os pesquisadores, para obter maiores informações sobre o assunto.

Grata,

Sonia Leite
MARILENA WARLLEN

EM 05/11/2014

Eu quero saber sobre residuos do leite nas industrias...
JAIME ALTOÉ

MARINGÁ - PARANÁ - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 07/11/2013

Gostaria de esclarecimentos se realizou alguma pesquisa sobre a acidez dos residuos de lacticineos, já que reagem fortemente contra o aço carbono, destruindo e desgastando o material precptadamente.
CLAUDIA

SERAFINA CORRÊA - RIO GRANDE DO SUL

EM 18/07/2013

gostaria de saber mais a respeito da pesquiza. como entro em contato
HOMILTON NARCIZO DA SILVA

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/09/2009

Gostaria de esclarecimentos mais precisos sobre qual os residuos, como manipulalos, e quais os nutrientes mais importantes? Parabens pela reportagem
CARLOS ALBERTO GOMES DE ARAUJO

CARLOS BARBOSA - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 15/09/2009

Prezada Ana Lúcia
Achei interessante a matéria e tenho interesse de maiores informações sobre trabalho, o tipo de resíduo, que condições fisicas foram feitos os trabalhos. Poderia me passar informações de como manter contato com os pesquisadores e a Universidade. Muito obrigado.
MilkPoint AgriPoint