ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Imposto com alíquota cheia sobre insumos faz surgir impasse em Goiás

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 18/01/2021

3 MIN DE LEITURA

0
0

Apesar de o Convênio 100/1997 - que autoriza a isenção nas operações internas e reduz de 30% a 60% a base de cálculo do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas vendas interestaduais de insumos agropecuários ¡ ter sido prorrogado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) até 31 de março de 2021, os produtores rurais de Goiás estão tendo que pagar a alíquota cheia de 12% neste início de ano. A cobrança começa a afetar e até a travar alguns negócios, segundo relatos do setor.

O impasse surgiu porque o governo goiano ainda não enviou o processo de extensão dos benefícios do ICMS à Assembleia Legislativa, que precisa convalidar a decisão federal. A Secretaria de Economia de Goiás informou, em nota, que a proposta está na Casa Civil e será encaminhada para análise dos deputados em breve. A expectativa da Pasta é a de que a questão esteja resolvida até o fim do mês.

“O segmento agrícola estadual já foi informado, por meio de nota, da decisão de manter os incentivos. O novo convênio retroagirá a 31 de dezembro de 2020, prazo do término do anterior”, garantiu a secretaria.

Mesmo assim, produtores e corretores de grãos relatam insegurança jurídica e até a tentativa de cancelamento de alguns negócios. O atraso na validação da prorrogação dos benefícios afeta, principalmente, o milho usado como insumo na ração de aves, suínos e bovinos. As vendas internas, de agricultores para criadores, por exemplo, eram isentas. O envio do cereal para outros Estados, destinado ao trato animal, tinha redução de 30% na alíquota do ICMS.

“Os problemas são maiores nas vendas entre produtores ou do produtor para granjas e confinamento. O produtor fica indeciso. Por mais que a prorrogação seja aprovada e o benefício seja retroativo, ele não vai receber isso em dinheiro, mas sim como crédito para operações posteriores, e não é a mesma coisa”, explicou Cristiano Palavro, consultor de mercados da Pátria Agronegócios, que atende a Associação dos Produtores de Soja, Milho de Goiás (Aprosoja-GO) e a Federação de Agricultura e Pecuária do Estado (Faeg). “Quem pode está evitando vender ou comprar agora. O imposto de 12% inviabiliza e afeta o ritmo de negócios”.

O impacto é de até R$ 3 por saca de milho, segundo uma corretora de grãos do Estado. A empresa aguarda o desfecho do imbróglio para faturar algumas negociações.

Mas a comercialização não está totalmente parada. Isso ocorre porque grande parte do milho é destinada à industrialização, operação que continua isenta e não foi afetada pelo atraso.

O presidente da Aprosoja-GO, Adriano Barzotto, disse ao Valor que essa é uma “dor de cabeça desnecessária” para os produtores, apesar de o problema não ser generalizado. “Vai dar um trabalho enorme para rever esse crédito das vendas feitas agora”, lamentou.

Edson Novaes, diretor-executivo do Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag), prega cautela a produtores e revendas de insumos até o problema ser resolvido. Os preços elevados dos grãos, diz, têm garantido folga aos agricultores para não precisar vender imediatamente com o tributo. “Não recebemos nenhuma reclamação de falta de alimento em granjas ou confinamentos, e o produtor tem condição de segurar a produção até o governo resolver a questão”, relatou. 

Em Mato Grosso, os deputados estaduais também não ratificaram a decisão, mas a Secretaria de Fazenda do Estado já publicou uma instrução para orientar a concessão da desoneração. No ano passado, o processo de convalidação da prorrogação demorou 79 dias, conta o consultor jurídico da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado (Aprosoja-MT), Thiago Rocha.

“Causa um grande imbróglio para o contribuinte, e nesse caso, específico muitos fiscais queriam autuar. Mesmo que o efeito seja retroativo, o produtor fica com receio de problemas futuros e da cobrança”, disse.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint