ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Água escassa sacrifica a produção de leite em Minas Gerais

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 03/11/2015

4 MIN DE LEITURA

0
0
Há mais de 50 anos, Antônio Gonçalves Sobrinho é produtor de leite na região de Abaeté, no Centro-Oeste do estado, como foi seu pai. O negócio é uma herança de família. Nesse último ano, Antônio está mais preocupado com os custos e os resultados da atividade, que estão fechando no vermelho. O terceiro ano consecutivo de estiagem prolongada na Fazenda Bicué já secou cursos d’água e não é o único desafio. A retração no consumo de produtos lácteos e a elevação dos preços dos insumos, como ração, energia elétrica e combustíveis, pesam na conta e já reduziram a produção de 4 mil litros por dia para 1,5 mil litros de leite diariamente. “O pasto acabou, mas às vezes acho que a crise da economia está pior que a crise da água”, arrisca o pecuarista.


Em Abaeté, o Pecuarista Antônio Sobrinho contabiliza queda de mais de 50% No negócio, enquanto a remuneração de R$ 0,98 por litro NEM sequer cobre os custos de manter rebanho e equipamentos (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

A estiagem prolongada afeta duramente também a produção leiteira do Norte de Minas, região que garante o sustento de centenas de pequenos agricultores. Dados da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG) mostram que a produção de leite da região baixou de 500 mil litros por dia para 100 mil litros diariamente. “Considerando o valor de venda do leite pelo produtor a R$ 1 por litro, significa que a região enfrenta prejuízo de R$ 400 mil por dia”, afirma Reinaldo Nunes de Oliveira, técnico do escritório da Emater-MG em Montes Claros.

Minas é líder na produção de leite do país. Com 9,5 bilhões de litros produzidos no ano passado, detém 26% do volume nacional. Na última década, o consumo do brasileiro de leite e derivados cresceu 50%, passando de 120 litros por habitante para 180 litros, alcançando a indicação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Em 2015, a indústria projeta a primeira desaceleração para o mercado dos últimos 10 anos, o que pode alcançar 2% no estado, o equivalente a quase 200 milhões de litros a menos.

Parece pouco, mas o percentual inverte um forte ciclo de alta. Na ponta do lápis, o produtor Antônio Sobrinho sente o freio da cadeia produtiva. “Neste ano, o preço do leite está péssimo. Estou recebendo, neste mês, da indústria R$ 0,98 pelo litro em plena entressafra, o que não cobre o custo da produção. Quanto vale um litro de água?”, reclama Sobrinho.

Falante, o produtor, que completou 75 anos, anda rápido pela propriedade, sem dar mostras de cansaço. No curral, conhece cada animal do rebanho e lamenta que há dois anos sua produção caiu para menos da metade. Apesar de apresentar números de uma produção de grande porte, ele aponta que a remuneração não está cobrindo os custos de produzir com investimentos em equipamentos e qualificação técnica.

Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/USP), o preço médio do litro do leite pago ao produtor em setembro, de R$ 1,08, está 6% abaixo da cotação de setembro de 2013, quando o produtor era remunerado a R$ 1,15. O diretor de Pecuária Leiteira da Sociedade Rural de Montes Claros, Otaviano de Souza Pires Junior, ressalta que a irregularidade das chuvas se intensificou na região nos últimos cinco anos, danificando as pastagens e capineiras, afetando o sustento de cerca de 2 mil pequenos produtores. Com a falta de água e de pasto e sem dinheiro para comprar ração, muitos produtores tiveram que vender seus animais. Houve queda do rebanho bovino da região de mais de 60%.

Pierre Vilela, superintendente do Instituto Antônio Ernesto de Salvo (Inaes), ligado à Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), explica que em Minas são cerca de 230 mil dedicados à atividade, sendo que 20% produzem 80% do leite. Para os 80% que ficam com a menor fatia, um grupo formado por médios e pequenos proprietários rurais – contingente próximo a 180 mil produtores –, o peso da crise é maior. “Vivemos o terceiro ano de estiagem prolongada até novembro. Quem não tem preparo para enfrentar a seca, recorre ao mercado, e está pagando mais caro pelos insumos”, aponta Vilela.

Um studo que acaba de ser concluído pelo Inaes mostra que é crítica a situação das pastagens de norte a sul do estado, o que afeta diretamente a pecuária de corte e de leite. Dos 20 milhões de hectares plantados, 75% estão degradados. “A situação mais grave está no Jequitinhonha e Norte de Minas, seguidos da Região Central e Noroeste. As pastagens em melhores condições estão no Mucuri e no Sul de Minas.”

O freio no consumo das famílias, que já reduzem a quantidade de itens no carrinho, e a alta dos preços dos insumos, somados à seca, que aumenta a necessidade de alimentação do gado com ração, pressionaram a baixa na produção de leite. “O mercado não está permitindo repasse de preços, o que torna a atividade mais apertada para o produtor”, avalia Celso Moreira, diretor-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios de Minas Gerais (Silemg). 

No exterior

A boa notícia para o setor é que as fábricas não estão superestocadas e o dólar pode favorecer as exportações, mas não são esperados grandes resultados em 2015. “Para formar um contrato de exportação é preciso de tempo”, diz Celso Moreira, do Silemg. O principal mercado do Brasil é a Venezuela. Para dar uma ideia de como as exportações ficaram desestimuladas nos últimos anos, ele recorda que dos 506 estabelecimentos vinculados à indústria em Minas Gerais, somente 20 estão habilitados a exportar. “Os contratos são de longo prazo e é preciso que sejam perenes”, observa.

As informações são do Estado de Minas.


0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint