ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Como podemos maximizar a eficiência de uso do nitrogênio e a produção de leite das vacas leiteiras?

NOVIDADES DOS PARCEIROS

EM 19/05/2022

8 MIN DE LEITURA

0
4

A eficiência da produção está estritamente ligada ao metabolismo do nitrogênio. Em relação ao ingerido, a quantidade excretada do elemento indica a eficiência do animal na utilização da proteína alimentar (aminoácidos da dieta e outros compostos nitrogenados) para produzir proteína do leite. O nitrogênio fecal e o urinário podem comprometer a segurança ambiental e, consequentemente, aos animais e humanos. Por outro lado, o nitrogênio não proteico é amplamente utilizado na dieta de vacas leiteiras devido à capacidade desses animais de utilizá-lo, podendo substituir parte da proteína e fazer menor o custo da dieta. O que podemos fazer para maximizar o metabolismo das proteínas, reduzindo a excreção de nitrogênio e garantindo que os animais façam melhor uso de todos os nutrientes ingeridos?

Diferentes estudos indicaram que as vacas leiteiras convertem apenas 25-30% da proteína ingerida em proteína do leite (Nadeau et al., 2007; Spek et al., 2013), enquanto grande parte do ingerido é perdido na urina (como ureia) e no nitrogênio fecal. Uma vez no ambiente, a maior parte do nitrogênio excretado proveniente da proteína alimentar é convertido em amônia, nitratos, nitritos e óxido de nitrogênio, compostos que contribuem para o aquecimento global. Entretanto, isso não é apenas um risco de poluição, mas também é um desperdício de dinheiro, que pode ser diminuído com manejo alimentar. Equilibrar corretamente a dieta das vacas leiteiras e reduzir as deficiências de aminoácidos essenciais são fatores críticos para diminuir a excreção de nitrogênio, melhorando a sustentabilidade econômica e ambiental.

As vacas leiteiras modernas são animais cada vez mais produtivos, que precisam de uma dieta em maior quantidade e melhor balanceada, não só em relação à proteína e macroelementos, mas também para o suprimento total e relativo de aminoácidos. A proteína do leite provém da proteína metabolizável, sendo a segunda, a parte que chega ao intestino e que pode ser absorvida e utilizada pelo animal, que é oriunda da dieta, da microflora ruminal e da degradação dos tecidos. A seleção genética tornou nossas vacas leiteiras capazes de produzirem uma grande quantidade de leite devido à capacidade da glândula para utilizar os nutrientes da dieta. Em particular, as vacas recém paridas alocam nutrientes (especialmente aminoácidos) primeiro para o úbere e, depois, para os tecidos restantes.

Os ruminantes endogenamente podem produzir alguns aminoácidos a partir de diferentes fontes de nitrogênio, mas os aminoácidos essenciais, como o próprio nome sugere, devem ser fornecidos através das proteínas microbiana e de origem alimentar, só assim serão cobertas as exigências nutricionais e o animal poderá sustentar o desempenho. A metionina e a lisina são uns dos aminoácidos mais importantes, pois além de essenciais, são limitantes e, no caso da metionina, também é estimuladora da síntese de proteína do leite: portanto a deficiência deles compromete a produtividade potencial das vacas. Na dieta típica para vacas leiteiras à base de milho e soja, há 25% menos metionina do que a exigência dos animais (Cho et al., 2007). A inclusão de aminoácidos protegidos da ação ruminal, por meio de microencapsulação, permite a redução da quantidade desse tipo de suplemento na dieta (e do custo alimentar), bem como o atendimento das exigências dos animais, de uma forma mais biodisponível.

Em uma fazenda leiteira de ensino e pesquisa da Universidade do Estado Iowa, um estudo recente (King et al., 2021) pesquisou como usar a metionina microencapsulada na dieta de vacas leiteiras de elevado desempenho para maximizar as eficiências alimentares e de uso do nitrogênio. Quarenta e oito (48) vacas Holandesas com 127 dias de DEL, dispostas em um delineamento de quadrado latino 4x4 (28 dias/período) foram suplementadas com o Timet®, a solução da Vetagro para suplementar metionina à dieta de vacas leiteiras. O produto contém 55% de metionina protegida da ação ruminal em uma matriz lipídica que, junto ao tamanho de partícula específico para a espécie, maximiza a biodisponibilidade do ingrediente ativo e garante a liberação lenta ao longo de todo o intestino. Os quatro tratamentos testados foram:

· Controle: dieta basal (ração total misturada), fornecendo 1,8% de metionina metabolizável com base na proteína metabolizável (Tabela 1);

· Metionina baixa: dieta controle mais a inclusão de 20 g Timet®/vaca/dia, fornecendo 11,0 g metionina/vaca/dia;

· Metionina média: dieta controle mais a inclusão de 35 g Timet®/vaca/dia, fornecendo 19,3 g metionina/vaca/dia;

· Metionina alta: dieta controle mais a inclusão de 50 g Timet®/vaca/dia, fornecendo 27,5 g metionina/vaca/dia.

Tabela 1: Composição da dieta basal, fornecida ad libitum aos animais suplementados ou não com Timet®.

Ingrediente/Nutriente

Quantidade

Composição da dieta (% da MS)

 

Silagem de milho

40,3

Feno de alfafa

15,5

Milho moído

15,3

Farelo de soja

9,3

Caroço de algodão

5,7

Melaço

2,9

Mistura de vários ingredientes1

11,0

Composição nutricional (% da MS)

 

Proteína bruta

17,3

FDN

31,8

FDA

21,5

Amido

23,7

Cinza

8,1

Suprimento de nutrientes (NRC, 2001)2

 

ENL (Mcal/d)

37,2

Proteína metabolizável (PM, g/d)

2520

Metionina metabolizável (% da PM)

1,8

Lisina metabolizável (% da PM)

6,57

Relação Lisina:Metionina

3,65

Exigências de Nutrientes (NRC, 2001)2

 

ENL (Mcal/d)

37,8

Proteína Metabolizável (g/d)

2626

DDG (43%), farinha de sangue (11%), casca de soja (10%), farinha de carne e osso porcino (9%), bicarbonato de sódio (7,4%), carbonato de cálcio (6%), gordura suína (5%), sal (3,1%), ureia (2%), premix vitamínico  (2,3%), óxido de magnésio (2,7%), fosfato monocálcico (1,4%), monensina (0,1%), biotina e zinco orgânico (0,1%).

2Determinado usando os dados do tratamento controle.

Foram avaliadas a produção do leite e seus sólidos, bem como a secreção de nitrogênio no leite e a excreção de nitrogênio nas fezes e urina. Os resultados (Tabela 2) demonstraram que a inclusão de metionina protegida não modificou o consumo de matéria seca dos animais (23,3 kg/d), mas uma quantidade crescente do aminoácido aumentou linearmente a produção de leite corrigido ou não para energia. A produção de leite corrigida para energia melhorou 1,57 kg/d para as vacas com metionina alta quando comparadas ao controle. A suplementação de metionina microencapsulada não alterou a produção de gordura do leite, mas aumentou linearmente a produção de proteína do leite. Houve uma tendência de aumento da concentração de proteína do leite, principalmente para os animais do grupo Metionina média (19,3 g metionina/dia). Este último ponto é muito interessante, indicando que uma alta, mas não racional inclusão de metionina, não é útil e causaria também um desperdício de dinheiro, sem benefício em termos de produção e qualidade do leite. Se o perfil de aminoácidos e a inclusão na dieta estiverem perfeitamente equilibrados, o aumento da quantidade de aminoácidos essenciais não é mais necessário para melhorar a produção.

No que diz respeito ao metabolismo do nitrogênio, em relação ao ingerido, a adição de metionina microencapsulada diminuiu a excreção total e nas fezes do elemento, indicando uma melhora da utilização da proteína consumida. Além disso, a inclusão de Timet® melhorou a conversão de nitrogênio alimentar em proteína láctea (de 30,3% a 33,6%).

Tabela 2. Produção de leite, sólidos e eficiência de uso do nitrogênio de vacas leiteiras recebendo diferentes dosagens de metionina protegida da ação ruminal

 

Controle

Metionina protegida da ação rúmen

Valor P

Baixa

Media

Alta

Consumo de matéria seca (kg/d)

23,59

23,39

23,02

23,33

NS

Leite corrigido para energia (kg/d)

39,73b

40,87ab

40,96ab

41,30a

<0,05

Produção de proteína láctea (kg/d)

1,20b

1,23ab

1,25a

1,26a

<0,05

Produção de gordura láctea (kg/d)

1,40

1,44

1,44

1,44

NS

Excreção fecal de N (% do N consumido)

44,8c

36,8b

35,7ab

31,4a

<0,05

Excreção total de N (% do N consumido)

79,7a

71,1ab

66,6ab

61,2b

<0,01

Balanço de N1

-71,8c

-29,1bc

4,6ab

50,6a

<0,01

Literal distinto na mesma linha indica diferenças estatísticas

1Balanço de N = N consumido – N excretado (N urina + N fezes)

NS = não significativo

 

As vacas do grupo controle foram relacionadas a um balanço negativo de N de 71,8 g/d, que muda para 4,6 g/d no grupo Metionina media (p=0,011). Considerando em conjunto as respostas de produção de proteína láctea e o balanço de N (Tabela 2), entendemos que a dose média de metionina protegida pode atender à exigência.

Considerações finais

Alguns aminoácidos são mais importantes do que outros; a metionina é um deles, porque age como limitante e estimulador da síntese de proteína láctea. Atingir as exigências do aminoácido é obrigatório para maximizar a produção e a qualidade do leite, bem como para manter os níveis de saúde e reprodução das vacas leiteiras. A proteção da ação ruminal permite uma menor inclusão de metionina, pois faz o nutriente disponível para sua absorção no intestino do animal. Por outro lado, um equilíbrio racional de aminoácidos na dieta é importante para maximizar o metabolismo do nitrogênio, evitando o desperdício de dinheiro.

A Vetagro foi pioneira na microencapsulação de aminoácidos para ruminantes, desenvolvendo produtos de tamanho de partícula específico para a espécie, garantindo a maximização da biodisponibilidade e a liberação gradativa dos nutrientes a nível intestinal do animal. O Timet® é a solução eficaz da Vetagro para equilibrar a ingestão de aminoácidos de vacas leiteiras, melhorando a produção e reduzindo a excreção de nitrogênio devido à melhor utilização da proteína ingerida.

Quer saber mais? Fale conosco!

Artigo original de Sara Flisi

Traduzido por Luis Depablos (luis.depablos@vetagro.com)

 

Este é um conteúdo da Vetagro

Referências disponíveis mediante solicitação.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint