FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Silagem de grãos reconstituídos: qual é a correta quantidade de água?

A reconstituição de grãos (adição de água seguida de ensilagem) é uma técnica que existe há décadas. No Brasil, nos últimos anos, este método de conservação de grãos tem ganhado importância. Porém, muitas propriedades ainda erram na quantidade de água a ser adicionada. Então, neste artigo, nós disponibilizaremos algumas diretrizes que devem ser seguidas na fazenda no momento da reidratação.

Umidade alvo: a matéria seca (MS) da massa deve ficar entre 60 à 65%. Este é o intervalo considerado ótimo. Acima de 65% a fermentação pode ter baixa intensidade, o que pode comprometer a disponibilização do amido e a eficácia dos aditivos. Abaixo de 60% a propriedade estocará muita água. Se estiver abaixo de 50% pode ocorrer ainda a produção de chorume, o que significa perdas.

Quantidade de água: a quantidade de água é em função da MS dos grãos que serão moídos. O exemplo a seguir irá facilitar a compreensão. Se os grãos estão com 85% de MS e o alvo é de 65% (conforme comentado acima), basta dividir 85 por 65 (85/65 = 1,308). O valor após a vírgula seria a quantidade de água a ser incluída (308 litros por tonelada). Porém, experiências práticas têm mostrado que os 308 litros não seriam suficientes para hidratar a massa como queremos. Portanto, adicione de 25 a 30% a mais de água, que neste caso seria entre 385 à 400 litros por tonelada.

Na prática: além de fazer o cálculo acima, você deve monitorar com certa frequência se a reidratação está sendo efetiva. Para isso, observe o vídeo disponibilizado abaixo. Após a distribuição da massa no silo, colete uma amostra que caiba na mão, feche a mão sem fazer força excessiva e note se formou este “bolinho”. Ele deve se formar e se manter na sua forma original. Se ele se desmanchar há necessidade de colocar mais água. Se escorrer líquido pela mão, a umidade está em excesso.


Fonte: Thiago Fernandes Bernardes, para o portal MilkPoint

THIAGO FERNANDES BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROBERTO MESQUITA

ITUPEVA - SÃO PAULO

EM 29/11/2019

Ótimo artigo. Aproveitando gostaria de receber o teor de NDT dessa ensilagem. Grato
ALBERTO MAGNO FERREIRA SANTIAGO

RIO POMBA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/11/2019

PARABÉNS PROF THIAGO, AS VEZES FALTA AOS ARTIGOS TECNICOS ESTA INFORMAÇÃO DE CUNHO PRÁTICO QUE FACILITA A COMPREENSÃO DOS PRODUTORES. ABRAÇO.