FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Híbrido de milho para silagem: faça você mesmo o teste

No Brasil, pouquíssimas regiões dispõem de informações sobre o desempenho de híbridos de milho para silagem. Em outros países, os produtores são fomentados por órgãos de extensão, os quais possuem dados de décadas de avaliação.

Para contornar este problema e não adquirir o híbrido “no escuro”, cada fazenda pode fazer o seu próprio teste. Testar híbridos nas condições de cada propriedade é muito positivo, pois os híbridos irão reagir com o ambiente e manejo que poderão ser conduzidos no futuro.  Abaixo seguem as diretrizes:

1. Selecionando os híbridos: sugiro que a quantidade de híbridos não passe de dez e sempre inclua dois ou três que você os conheça bem em termos de desempenho;

2. Blocando: escolha uma área uniforme da propriedade. Divida esta área em três blocos de mesmo tamanho. Plante todos os híbridos em cada bloco e os arranje em diferentes posições (aleatorizados);

3. Parcelas: divida cada bloco pelo número total de híbridos. Ou seja, dentro dos blocos as parcelas devem ser do mesmo tamanho. Cinco linhas por parcela é suficiente. Ou seja, duas serão bordaduras e as três centrais serão avaliadas;

4. Manejo: os tratos culturais devem ser os mesmos para todas as parcelas. Considere aqueles que você usualmente conduz na sua propriedade (adubação, herbicida, inseticida e fungicida);

5. Mantenha-se informado: após a germinação, visite as parcelas semanalmente e avalie os aspectos fortes e fracos de cada híbrido, tais como susceptibilidade às doenças, pragas, tombamento, resistência aos veranicos e etc;

6. Coleta final: procure colher os híbridos com a mesma maturidade (concentração de matéria seca), pois esta afeta a produtividade e o valor nutritivo. Colha as plantas das parcelas com a mesma altura em relação ao nível do solo. Pese as plantas de cada parcela e determine a concentração de matéria seca para que a produtividade seja expressa em matéria seca. Considere a média das três parcelas (de cada bloco) para fazer a avaliação final;

7. Reúna os dados: dados derivados de somente um ano não adequados. Eles podem servir apenas para descartar os híbridos que se desempenharam pior. Reúna dados de dois ou três anos para dar robustez na sua avaliação.

THIAGO FERNANDES BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

WALNE DE OLIVEIRA

IPANGUAÇU - RIO GRANDE DO NORTE - ESTUDANTE

EM 30/10/2019

Manual de silagem
WALNE DE OLIVEIRA

IPANGUAÇU - RIO GRANDE DO NORTE - ESTUDANTE

EM 30/10/2019

Sem problemas
CÉLIO ROBERTO DE SOUZA

ITUIUTABA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/10/2019

Gostei da idéia! vou tentar aplicá la.