FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Bem estar de vacas leiteiras afeta a ocorrência de mastite

POR MARCOS VEIGA SANTOS

E CAMILA SILANO

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 08/02/2012

0
0
Camila Silano* e Marcos Veiga dos Santos

Em rebanhos leiteiros, a ocorrência de mastite e de leite com alta contagem de células somáticas (CCS) pode estar relacionada com uma série de fatores de risco, como a raça, a higiene de ordenha, as condições de ambiente, entre outros. Além disso, as pesquisas atuais têm indicado uma preocupação com fatores ligados ao bem-estar e condições de estresse dos animais, e sua relação com a sanidade da glândula mamária. Em geral, animais estressados tendem a ser mais susceptíveis a doenças, principalmente de origem infecciosa, e o estresse é mais facilmente percebido (por meio de indicadores metabólicos sanguíneos) justamente em rebanhos que apresentam alta incidência de mastite clínica.
Pesquisadores suíços avaliaram a relação homem-animal por meio da observação do comportamento dos ordenhadores e das vacas durante a ordenha, e da distância de fuga no curral de manejo. O estudo foi realizado em 46 propriedades leiteiras, com média de 27 vacas das raças pardo-suíça e holandesa alojadas em sistemas loose-housing e com acesso ao pasto durante o verão.
A coleta dos dados de comportamento e sanidade da glândula mamária foi realizada durante dois anos e meio. Dados do comportamento dos ordenhadores durante a ordenha foram registrados levando-se em consideração o tom de voz e o contato com os animais. Os resultados foram classificados como interações positivas, neutras ou negativas (de acordo com a Tabela 1). O comportamento das vacas também foi avaliado durante a ordenha. Para tanto, foram registradas a frequência de coices e de alternância da pisada. No curral de manejo foi mensurada a distância de fuga dos animais, definida como a distância máxima em que a vaca permite a aproximação de um humano. Todos estes fatores foram correlacionados com variáveis ligadas à sanidade da glândula mamária, como CCS, porcentagem de quartos mamários com CCS acima de 100.000, porcentagem de quartos com mastite e ocorrência de novas infecções.

Tabela 1: Esquema de agrupar as interações táteis e acústicas dos ordenhadores classificadas como positivas, neutras e negativas (Waiblinger et al., 2002).


O comportamento mais frequente entre os ordenhadores foi o neutro (com 1,94 atitudes neutras por vaca ordenhada) e o positivo (com 1,50 atitudes positivas por vaca ordenhada). Comportamentos negativos foram os menos observados, significando apenas 1,8% de todas as interações (0,08 atitudes negativas por vaca ordenhada). A distância de fuga média foi 0,26 metros.
Em três das quatro variáveis relacionadas à sanidade da glândula mamária, a porcentagem de interações positivas foi associada à melhor sanidade da glândula (menor porcentagem de quartos mamários com CCS acima de 100.000 células/mL, menor porcentagem de quartos com mastite e CCS mais baixas). Além disso, em fazendas com maior porcentagem de vacas com distância de fuga maior do que 1 metro, a porcentagem de quartos mamários com elevada CCS foi maior do que rebanhos com distâncias de fuga menores do que 1 metro.
Dentre todas as relações entre o ordenhador e o animal, a que demonstrou maior influência sobre a CCS e porcentagem de quartos mamários com mastite clínica e subclínica, foram as interações positivas com a vaca durante a ordenha, ou seja, toque e voz suaves na condução do animal. Além disso, a prevalência de vacas no rebanho com distância de fuga maior do que 1 metro foi associada a maior porcentagem de quartos mamários com CCS acima de 100.000 células/ml.
Um fato curioso sobre a prevalência de novas infecções é sua correlação com a ocorrência de coices durante a ordenha. Em fazendas com ordenhadeiras mecânicas, quando o animal chuta e o conjunto de ordenha cai no chão, o ar contaminado com as fezes é sugado para o interior da tubulação do equipamento, o que predispõe a contaminação do leite e novas infecções intramamárias nas vacas ordenhadas na sequência.
Esses resultados sugerem que a relação entre o tratador e/ou ordenhador e o animal é relevante para a sanidade da glândula mamária, especialmente ao considerar a capacidade de resposta do sistema imune frente a uma infecção. Interações positivas reduzem o medo a humanos e consequentemente o estresse em vacas leiteiras, já que são constantemente manejadas. Portanto, pode-se dizer que interações positivas, além de proporcionar o bem-estar das vacas, estão relacionadas à melhor função imune, o que previne altas CCS, novas infecções e prevenção de casos crônicos de mastite.

Fonte: IVEMEYER et al. J. Dairy Sci. (2011) 94: 5890-5902.
*Camila Silano é médica veterinária e aluna de pós-graduação em Nutrição e Produção Animal da FMVZ-USP.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

CAMILA SILANO

Médica Veterinária formada pela Universidade de São Paulo. Mestranda pelo Departamento de Nutrição e Produção Animal da Universidade de São Paulo

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.