FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Neosporose bovina, um inimigo oculto da pecuária leiteira

GRUPO APOIAR

EM 08/08/2019

1
7

Autores do artigo

Luis Fernando Faria Coury – Médico Veterinário (Grupo Apoiar)

Layane Queiroz Magalhães – Doutoranda e membro do Grupo De Pesquisa E Laboratório de Saúde em Grandes Animais, Universidade Federal de Uberlândia (LASGRAN-UFU).

Para um sistema eficiente de produção, torna-se cada vez mais necessário o entendimento das patologias que interferem na saúde e na produção do animal, pois, juntamente com elas, o impacto econômico negativo é realçado, comprometendo o capital do produtor.

A neosporose bovina, talvez seja uma doença pouco abordada no âmbito da pecuária leiteira. Constantemente encontramos produtores e técnicos com alto embasamento em diversas causas de aborto como rinotraqueíte infecciosa bovina (IBR), diarréia viral bovina (BVD), Trueperella pyogenes, brucelose e até mesmo causas extrínsecas relacionadas à sazonalidade e a agentes tóxicos, entretanto o controle da neosporose é de difícil visualização em propriedades leiteiras.

O que é a neosporose?

A neosporose é causada por um parasita chamado Neospora caninum (N. caninum), que não apenas acomete bovinos, mas também ovinos, caprinos, equinos, felinos, cervídeos e bubalinos. Entretanto, estes não são caracterizados como hospedeiros definitivos, ou seja, o parasita não completa seu desenvolvimento nos animais citados, necessitando então de um hospedeiro completo para seu fechamento cíclico. Este hospedeiro definitivo são os canídeos, principalmente o cão doméstico, que é facilmente encontrado nas propriedades rurais com livre acesso ao rebanho.

Quais os prejuízos dessa doença?

Em cenário mundial, a neosporose é considerada uma das principais doenças causadoras de aborto em ruminantes, ocasionando assim, falhas reprodutivas significativas. Economicamente, torna-se necessário maior aporte literário para mensurar um valor causado apenas pelo parasita, porém, qualquer perda gestacional é vista como prejuízo para os produtores.

Além de aborto, outros prejuízos são associados à doença, como mortalidade de embriões, perda na produtividade leiteira e nascimento de animais com anomalias. Importante ressaltar que nem sempre o aborto está presente, e em alguns casos pode estar presente apenas na primeira gestação, o que torna ainda menos visível a presença do parasita.


 

Como é a transmissão?

Na literatura são citadas duas formas de transmissão, sendo uma pelo contato com oocistos esporulados no ambiente, fômites, alimentos e restos fetais. Outra forma de transmissão seria a vertical, ou seja, transplacentária, onde o animal ao nascer, já é hospedeiro do parasita, provocando perdas zootécnicas e falhas reprodutivas.

A transmissão vertical então é descrita como uma característica da doença que torna difícil o controle no rebanho. Alguns fatores como imunidade da fêmea, e período gestacional, ocasionalmente podem interferir no grau de infecção fetal.

Como diagnosticar?

Para diagnóstico da neosporose em fetos abortados, é necessário a coleta de amostras específicas, como restos placentários, líquidos fetais, cérebro, coração e fígado. Já em animais adultos é necessária uma pesquisa de anticorpos no sangue, leite, colostro, fluidos vaginais e saliva. Testes sorológicos são comumente usados como Ensaio de imunoabsorção enzimática (ELISA), Reação da polimerase em cadeia (PCR) e exame de antiglobulina direto (NAT) em amostras de soro.

O que fazer se meu rebanho for diagnosticado?

Ao conhecer a doença em seu rebanho, assim como várias outras, é necessário iniciar medidas de controle de infecção para que os animais presentes não venham a contribuir para a disseminação da doença. Se possível, o descarte voluntário de animais que possuem a doença é visto como uma solução plausível a longo prazo para controle.

Como controlar?

O controle da doença consiste primariamente na identificação dos animais que possuem o parasita, e na quebra do ciclo do parasita. Para evitar que ele seja transmitido, controle de canídeos na propriedade, controle de receptoras, controle sanitário de venda e compra e medidas higiênicas, são o caminho para o controle da neosporose.

Atualmente não existem vacinas disponíveis no mercado, o que seria uma ótima alternativa para o controle. Existem estudos que visam o desenvolvimento da mesma, e, uma vacina comercial existiu no mercado recente, porém foi retirada devido à sua baixa eficácia em ensaios no campo.

Referências bibliográficas

COSTA, G. H. N., CABRAL, D. D., VARANDAS, N. P., SOBRAl, E. A., BORGES, F. A., & CASTAGNOLLI, K. C. Freqüência de anticorpos anti-Neospora caninum e anti-Toxoplasma gondii em soros de bovinos pertencentes aos estados de São Paulo e de Minas Gerais. Semina: Cienc Agr, 22, 62-66, 2001.

DUTRA, M. G. B. As múltiplas faces e desafios de uma profissão chamada Medicina Veterinária. Revista do Conselho Federal de Medicina Veterinária. Brasília: Conselho Federal de Medicina Veterinária. n.37, p. 49 –56, 2006.

GOODSWEN, S. J.; KENNEDY, P. J.; ELLIS, J. T. A review of the infection, genetics, and evolution of Neospora caninum: from the past to the present. Infection Genetics and Evolution, v. 13, p. 133-50, 2013.

GUEDES, M. H. P., GUIMARÃES, A. M., ROCHA, C. M. B. M., & HIRSCH, C. Frequência de anticorpos anti-Neospora caninum em vacas e fetos provenientes de municípios do sul de Minas Gerais. Rev Bras Parasitol Vet, 17(4), 189-194, 2008.

MARUGAN-HERNANDEZ, V. Neospora caninum and Bovine Neosporosis: Current Vaccine Research. Journal of Comparative Pathology, v. 157, n. 2-3, p. 193-200, 2017.

MENDES, M. B., BITTAR, J. F. F., PEREIRA, W. A. B., ARDUINO, G. D. G. C., BITTAR, E. R., DO CARMO PANETTO, J. C., & DOS SANTOS, J. P. Determinação da prevalência das principais doenças da reprodução no rebanho bovino da região de Uberaba-MG. Ciência Animal Brasileira, 1, 772-777, 2009.

MEGID, J.; RIBEIRO, M.G.; PAES, A.C. Doenças infecciosas em animais de produção e de companhia. 1ª Ed Rio de Janeiro: Roca, p.1272, 2016.

SILVA, M., ALMEIDA, M., MOTA, R., PINHEIRO JUNIOR, J., & RABELO, S. Fatores de riscos associados à infecção por Neospora caninum em matrizes bovinas leiteiras em Pernambuco. Ciência Animal Brasileira, 9(2), 455-461, 2008.

STENLUND, S., KINDAHL, H., MAGNUSSON, U., UGGLA, A., & BJÖRKMAN, C. Serum antibody profile and reproductive performance during two consecutive pregnancies of cows naturally infected with Neospora caninum. Veterinary parasitology, 85(4), 227-234, 1999.

STOTZER, E. S., LOPES, L. B., ECKSTEIN, C., DE MORAES, M. C. M. M., RODRIGUES, D. S., & BASTIANETTO, E. Impacto econômico das doenças parasitárias na pecuária. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, 8(3), 2014.

VOGEL, Fernanda Silveira Flôres; ARENHART, Sandra; BAUERMANN, Fernando Viçosa. Anticorpos anti-Neospora caninum em bovinos, ovinos e bubalinos no Estado do Rio Grande do Sul. Ciência Rural, v. 36, n. 6, p. 1948-1951, 2006.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

BRUNO VICENTINI

LAVRAS - MINAS GERAIS

EM 08/08/2019

Bacana o artigo! Uma pequena revisão muito boa mesmo! De fato é uma doença pouco comentada... Obrigado!