FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Diagnóstico de endometrite por escore de descarga vaginal ou citologia uterina em vacas leiteiras

VÁRIOS AUTORES

FAMÍLIA DO LEITE

EM 08/07/2020

4 MIN DE LEITURA

0
8

A endometrite é classificada pela presença de infecção uterina após 21 dias pós-parto, caracterizada por descarga uterina purulenta ou mucopurulenta, associada a infecção bacteriana. Diversos métodos para diagnóstico dessa patologia podem ser utilizados, sendo que nenhum deles é considerado padrão-ouro: coleta de conteúdo vaginal utilizando luvas, por meio de Metricheck, marcadores sanguíneos; e técnicas mais diretas, como citologia utilizando escova plástica cervical denominada Cytobrush, biopsia endometrial, esterase leucocitária e cultura bacteriana.

Um estudo realizado por McDougall et al. (2020) em fazendas neozelandesas buscou avaliar a sensibilidade e a especificidade dos testes mais utilizados: avaliação da descarga vaginal purulenta (DVP) e citologia. Muitos estudos sugerem que a citologia é mais precisa que a DVP, enquanto outros relatam maior associação entre DVP e problemas reprodutivos.

De acordo com Sheldon et al. (2009), a classificação de endometrite pode ser clínica ou subclínica, sendo que o diagnóstico por meio da DVP é mais associado à forma clínica e pode ser coletado com auxílio do Metricheck, por meio de coleta vaginal com luvas ou vaginoscopia. Por outro lado, o percentual de células polimorfonucleares (PMN) é mais comumente utilizado para diagnóstico de endometrite subclínica. A amostra é coletada por meio de lavagem uterina ou cytobrush e realizada a contagem de PMN, composta por células fagocitárias, características da presença de inflamação no útero.

O estudo de McDougal et al. (2020) contou com 1806 vacas de 100 rebanhos distintos da Nova Zelândia, objetivando analisar a prevalência de endometrite em sistemas baseados em pastagem e com reprodução sazonal. Os pontos de corte utilizados foram: ≥2% de PMN e escore ≥2 de DVP, que comumente é utilizado para tratamento.

Figura 1. Escore de Descarga Vaginal Purulenta (DVP), sendo ≥2 o ponto de corte utilizado para tratamento e estatisticamente mais relacionado a alterações de índices reprodutivos.

escore descarga vaginal vacas endometrite
Fonte: imagem adaptada de Sheldon et al. (2006)

De acordo com McDougall et al. (2007), a descarga vaginal é classificada em: (0) muco cristalino, (1) muco limpo, (2) muco com estrias de pus, (3) descarga mucopurulenta, (4) descarga purulenta e (5) descarga fétida. No presente estudo, a partir do escore 2, que apresentou dados similares ao escore 3, já era observado impacto na reprodução. Nesses casos, já há menor concepção à primeira inseminação artificial (IA), taxa de prenhez inferior na 6ª semana da estação reprodutiva, como demonstrado na Tabela 1. Assim, 25,1% da população avaliada apresentava endometrite e impactos negativos na reprodução.

Tabela 1. Escore de Descarga Vaginal Purulenta para vacas avaliadas aproximadamente com 42 dias pós-parto e proporção de vacas em cada escore de DVP com %PMN ≥2 e avaliação de parâmetros de eficiência reprodutiva

escore descarga vaginal vacas endometrite
Fonte: tabela adaptada de McDougall et al. (2020)

A %PMN limite foi determinada de acordo com as semanas em lactação, levando em consideração a melhor sensibilidade e especificidade, relacionada à taxa de concepção à primeira IA, fortemente associada à endometrite. Para a análise, foi observada que a contagem de 200 células nucleadas ao invés de 100 aumenta a precisão e repetibilidade

Foram considerados os seguintes pontos de corte: ≥6% até 4 semanas de DEL, ≥2% entre 4 e 6 semanas de DEL e ≥3% após 6 semanas de DEL. De forma geral, quando a %PMN for maior ou igual a 2% é atribuído diagnóstico de endometrite, que neste caso, afetou 27% da população avaliada.

O percentual de PMN igual ou maior a 2, segundo análises estatísticas que determinaram maior especificidade e sensibilidade, de modo geral, já impacta substancialmente nas taxas reprodutivas, com 8,7% menos prenhez à primeira IA, 5,6% menos inseminações na 3ª semana da estação reprodutiva, 11% menos prenhez na 3ª semana e 8,9% na 6ª semana (Tabela 2).

Tabela 2. Associação entre vacas com baixo (0 e 1) e alto (≥2%) percentual de PMN examinado aproximadamente 42 dias pós-parto e taxas reprodutivas com suas respectivas diferenças

endometrite

Ao analisar em conjunto estes testes diagnósticos, os mesmos foram considerados independentes, embora ambos estejam correlacionados com endometrite. O presente estudo demonstrou que a sensibilidade e especificidade na avaliação da DVP foi superior à contagem de PMN, ou seja, teve maior confiabilidade em detectar os casos negativos e positivos para endometrite. Ainda, este método é de mais fácil execução, barato e rápido para o dia a dia de fazendas leiteiras. É importante ressaltar que embora a presença de DVP com escore igual ou superior a 2 esteja fortemente relacionado à endometrite, o escore maior ou igual a 3 impacta significativamente nas taxas reprodutivas, além disso, demais avaliações do animal devem ser realizadas para confirmação, como ultrassonografia uterina.

Alguns autores correlacionam a endometrite com a produção do animal, como Sheldon et al. (2009) associaram uma maior incidência de endometrite com vacas de produção acima de 35 litros/dia. No entanto, o presente estudo concluiu que esta não é uma doença de produção, uma vez que não houve diferença estatística na prevalência total de vacas com endometrite e prevalência dentro dos rebanhos avaliados. Assim, foi determinado que a endometrite não é uma doença de rebanho, pois está intimamente ligada a variações da própria vaca.

Deste modo, é sugerido que, para diminuir a prevalência de endometrite, as intervenções devem incluir diagnóstico e tratamento individual das vacas, ao invés de focar em intervenções a nível de rebanho. É preciso ressaltar que a endometrite de forma clínica ou subclínica, sugere diminuição de taxas reprodutivas.

Vale a pena ler também > Associação entre atraso na cura clínica de metrite e descarte em vacas leiteiras

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário! Quer escrever para nós? Envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br.

Participe também do nosso grupo no Telegram, para receber as notícias mais importantes do setor diariamente. Acesse aqui > https://t.me/milkpointexperts

KELLEN RIBEIRO DE OLIVEIRA

BERNARDO MAGALHÃES MARTINS

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.