FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Sítio São Sebastião: como o manejo garante CCS abaixo de 100 mil?

EDUCAPOINT

EM 03/07/2020

4 MIN DE LEITURA

0
2
om Contagem de Células Somáticas (CCS) média de 50 mil cél/ml e Contagem Bacteriana Total (CBT) inferior a 2 mil ufc/ml, o leite produzido pelo Sítio São Sebastião, localizado em Castro, PR, em uma das maiores bacias leiteiras do país, é considerado um dos melhores do estado do Paraná há vários anos consecutivos, o que resulta em diversas premiações à propriedade, além de bonificações no preço da matéria-prima.

No entanto, esses índices nem sempre foram assim. Em 2003, a fazenda tinha uma CCS de 207 mil células/ml e uma CBT de 2 a 3 mil ufc/ml. Ao longo dos anos a fazenda foi aprimorando seu manejo e, em 2009, quando colocou dois pré-dippings, a CCS reduziu para 85 mil células/ml e a CBT para 2 mil ufc/ml.

Como o Sítio São Sebastiao conseguiu isso? Foi tudo uma questão de manejo!

Manejo do Sítio São Sebastião

Teste do CMT de vacas recém-paridas


Toda vaca, após o parto, vai para a ordenha para a retirada de cinco dias de colostro. Depois disso, é feito o California Mastitis Test (CMT) dessas vacas antes mesmo de o leite ser liberado para o tanque. Caso a vaca apresente algum problema, já é dado início a um tratamento.

Higiene em todos os processos

O Sítio São Sebastião faz um controle rigoroso da higiene em todos os processos. Dessa maneira, com a cama e o ambiente da vaca limpos, ela já chega bem limpa para a ordenha, o que já ajuda muito a prevenir a mastite. Lembrando que casos de mastite, mesmo subclínicos, acarretam em redução da produção.

Controle leiteiro individual mensal

Essa é outra ferramenta utilizada pelo Sítio São Sebastião. A partir do resultado desse controle, é possível ver se há animais com CCS muito elevada. Nesse caso, esses animais são colocados para serem ordenhados por último, ou seja, a linha de ordenha é uma ferramenta para evitar a contaminação entre os animais.

Identificação dos animais que estão com mastite

A fazenda faz um controle rigoroso para identificar quais animais estão apresentando mastite. Caso sejam detectados grumos no filtro, a fazenda busca imediatamente descobrir qual animal que está com mastite já na próxima ordenha.

Assim, é feito um “pente fino”, através da ordenha de animais em lotes e posterior avaliação da presença ou ausência de grumos. Ao se detectar a presença de grumos, faz-se a avaliação daquele lote específico que foi ordenhado e um exame cuidadoso para detectar qual animal está apresentando a doença.

Isso ajuda muito, porque muitas vezes é possível perceber a presença de mastite, através dos sinais que a vaca emite, simplesmente ao trazer os animais do free-stall.

Assim, o Sítio São Sebastião sempre procura identificar a presença de mastite antes de o leite desses animais afetados ir para o tanque. São poucos os casos que vão para o tanque, e esse é um ponto crucial para manter a CCS baixa.

=> Conheça muito mais sobre essa propriedade no curso Sítio São Sebastião: Referência em qualidade, Família Stockler produz leite com CCS abaixo de 100 mil. No curso, os irmãos Mariele e Luis César, contam o dia a dia na propriedade, e como conseguem obter esses índices impressionantes.  O curso pode ser adquirido individualmente ou você pode optar por assinar a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis (mais de 180!) por um preço único.

Avaliação do grau da mastite

Ao se detectar a mastite, é feito o tratamento intramamário por cinco dias consecutivos em todos os casos. Além disso, faz-se a avaliação do grau em que está a doença, e, dependendo de qual for, decide-se qual o tratamento associado será feito.

CMT em animais com CCS alta

Animais que apresentam CCS alta no controle leiteiro, são submetidos ao CMT. Primeiro, detecta-se o teto que levou à CCS elevada e é feita a coleta do material, antes do tratamento. O material coletado é enviado para a realização da cultura microbiológica para identificar o agente causador da mastite.

Caso não seja possível detectar no CMT qual o teto afetado, são coletadas amostras dos quatro tetos individualmente para se fazer a cultura microbiológica para detectar o agente causador da doença e qual teto está afetado. Após o resultado das análises, define-se o tratamento a ser feito.

A cultura microbiológica é feita não somente nas vacas que apresentam CCS alta, mas também, em vacas reincidentes e vacas de alta produção que apresentam mastite clínica. Quanto mais dados se têm, mais fácil a identificação da origem da mastite (cama, processo de ordenha, etc), podendo-se tomar medidas para melhorar o manejo referente a esse tipo de mastite.

Vacinação para controle de mastite

O Sítio São Sebastião faz a primeira dose da vacinação para o controle de mastite 15 dias após a secagem. A segunda dose é feita 21 dias após a primeira. Além disso, 15 dias após o parto é feita mais uma dose para reforçar essa vacina para não ter problema no início da lactação.

Assim, mantendo-se uma rotina, um bom manejo e uma boa higiene, é possível sem “milagre” algum conseguir índices tão bons de CCS e CBT quanto os do Sítio São Sebastião!
 
Mais informações:
contato@educapoint.com.br

Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.