ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Compreendendo a ruminação e as tecnologias para monitorar o comportamento das vacas - Parte 2/2

EDUCAPOINT

EM 27/08/2020

5 MIN DE LEITURA

0
1
Saúde da vaca no parto e no período de transição
 
O período de transição de uma vaca leiteira, geralmente definido como o período de 3 semanas antes até 3 semanas após o parto, é um momento desafiador para a saúde e o desempenho da vaca leiteira. Problemas metabólicos e de saúde reprodutiva associados ao período de transição, incluindo deslocamento de abomaso, cetose e retenção de placenta, são causas comuns para a remoção precoce de vacas do rebanho. Dados do USDA mostram que aproximadamente 20% das vacas leiteiras deixarão o rebanho nos primeiros 50 dias após o parto.
 
Diversos estudos de pesquisa avaliaram o uso de dados de sistemas de monitoramento de atividade e ruminação como ferramentas para monitorar o estado de saúde das vacas em torno do período de transição com o objetivo de detecção precoce e prevenção de problemas de saúde das vacas em transição. Esses estudos têm mostrado consistentemente que o tempo de ruminação foi menor durante o período pré-parto para vacas que desenvolveriam um evento de saúde (natimortos, retenção de placenta, deslocamento de abomaso, cetose, metrite) durante ou após o parto em comparação com vacas que não teriam problemas de saúde durante este tempo. Como exemplo, um estudo mostrou que para vacas que tiveram deslocamento de abomaso logo após o parto, o tempo de ruminação começou a diminuir logo aos 12 dias antes do parto, em comparação com vacas que não experimentariam um evento de saúde pós-parto.
 
Um estudo de caso realizado em uma fazenda leiteira da Pensilvânia (Usando sistemas de atividade para monitorar vacas secas e em transição), mostrou dados de observação que sugeriram que os dados de atividade e ruminação durante o período pré-parto podem ser usados ??como uma ferramenta para ajudar os produtores a detectar vacas que podem correr um risco maior de ter um problema de saúde próximo ao parto ou de deixar o rebanho prematuramente. Este alerta precoce pode fornecer aos criadores uma oportunidade de implementar as melhores estratégias de manejo para esses animais em risco, permitindo-lhes lidar melhor com os desafios do período de transição e, portanto, diminuir o risco desses animais desenvolverem eventos de saúde ou deixarem o rebanho prematuramente .
 
Embora o tempo médio de ruminação mais baixo em vacas pré-parto tenha sido associado a potenciais problemas de saúde pós-parto, quase todas as vacas experimentarão uma diminuição acentuada no tempo de ruminação imediatamente antes do parto. Esta diminuição acentuada no tempo de ruminação começa normalmente cerca de 6 horas antes do parto e está associada a uma diminuição do tempo de alimentação e diminuição da ingestão de matéria seca. Este declínio acentuado no tempo de ruminação poderia ser usado como uma indicação de parto.

=> Aprenda muito mais no cursoZootecnia de precisão na produção de leite. O curso pode ser adquirido individualmente ou você pode optar por assinar a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis (mais de 190!) por um preço único. Clique aqui e veja como assinar.
 
Estresse calórico
 
O Índice de Temperatura e Umidade (THI) combina a temperatura do ar e a umidade relativa para calcular um valor de índice para melhor representar as condições ambientais que uma vaca ou outro animal sente e é usado para determinar quando os animais estão em um ambiente de estresse calórico. Um valor de THI de 68 é geralmente aceito como o valor limite para estresse calórico moderado em gado leiteiro. 
 
Em um artigo anterior (Usando sensores de ruminação para monitorar o estresse calórico em vacas leiteiras), o autor sugere que o tempo de ruminação diário diminuiu em seis minutos por dia para cada aumento de unidade de THI acima de 60 para vacas Holandesas de alta produção alojadas em um estábulo tie-stall no sudeste da Pensilvânia. Um estudo alemão descobriu que os minutos de ruminação por dia para vacas alojadas em free stall com ventilação natural começaram a diminuir quando o THI ultrapassou 52.
 
Esses estudos e outros indicam que as vacas podem começar a sofrer estresse calórico bem antes do THI atingir 68. Animais de maior produção, lactação tardia e animais mais velhos podem ser mais sensíveis ao THI alto do que outras vacas. Outras práticas de manejo, como tipo de alojamento, ração e disponibilidade de água, provavelmente também influenciarão quando as vacas em um determinado ambiente começarem a sofrer estresse calórico. O acesso aos dados da tecnologia de monitoramento de ruminação nas fazendas pode ajudar os produtores a identificar o estresse calórico no nível da população e implementar mudanças de manejo antes que a produção ou reprodução de leite seja impactada negativamente.
 
Detecção de estro
 
Foi demonstrado que a quantidade de tempo que uma vaca passa ruminando a cada dia diminui em relação aos níveis basais perto do estro. O tempo de ruminação começa a diminuir na véspera do estro, atingindo um nível mínimo no dia do estro. No dia anterior e no dia do estro, as vacas podem ruminar mais de uma hora a menos por dia em comparação com os níveis basais de ruminação. A ruminação retornará aos níveis basais no dia seguinte ao estro. Quando combinada com os dados de atividade, a diminuição na ruminação pode ser usada para ajudar a identificar melhor o tempo ideal de reprodução.
 
Conclusões
 
O funcionamento adequado do rúmen é a chave para a saúde e produtividade do gado leiteiro, com mudanças graduais ou abruptas na ruminação sendo possível indicação de eventos de saúde. A disponibilidade de tecnologia de monitoramento de ruminação e pesquisa com foco em suas aplicações nas fazendas cresceu rapidamente nos últimos anos. Neste momento, as mudanças no padrão de ruminação não podem ser usadas para diagnosticar uma doença específica, mas podem ser usadas como um indicador geral de uma mudança no estado de saúde ou conforto que merece investigação adicional. Por melhor que esta ou qualquer outra tecnologia se torne, é importante lembrar que é apenas uma ferramenta para ajudar a orientar a tomada de decisão nas fazendas e não deve ser vista como algo que pode substituir completamente o conhecimento e as habilidades dos produtores de leite, nutricionistas de leite e veterinários.
 

 * Baseado no artigo Understanding Rumination and Technologies to Monitor Cow Behavior, de Mathew Haan - Penn State Extension.
 
Mais informações: 
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint