FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Proteína solúvel e proteína degradável no rúmen

POR MARCOS NEVES PEREIRA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/07/2003

3 MIN DE LEITURA

3
0

Atualizado em 29/12/2020

Proteína solúvel e proteína degradável no rúmen são dois conceitos importantes em nutrição de vacas leiteiras e que serão abordados nesse artigo.

O balanceamento proteico em ruminantes deve considerar a disponibilidade de nitrogênio para os microorganismos do rúmen. A proporção da proteína bruta dietética que é degradável no rúmen depende da fonte de proteína utilizada.

Forrageiras com alto conteúdo proteico e ensiladas, por exemplo, têm alta proporção da proteína em forma degradável enquanto farinhas de origem animal são consideradas fontes de proteína não-degradável. Fontes de proteína não-degradável fornecem aminoácidos pós-ruminalmente, dai o termo "bypass" ou proteína sobrepassante.

A proteína metabolizável (PM), aquela absorvida no intestino e cujos aminoácidos estão disponíveis para o animal, é composta pela proteína microbiana sintetizada no rúmen, pela proteína alimentar sobrepassante e por muito pouca proteína de origem endógena. A proteína quantitativamente mais importante para o ruminante é a microbiana, também de alto valor biológico.

Quando a taxa de fermentação de carboidratos excede a taxa de degradação da proteína pode ocorrer redução na produção de proteína microbiana. Maximizar a síntese de proteína microbiana no rúmen requer equilíbrio entre a energia oriunda de carboidratos e o nitrogênio disponível para os microorganismos, dai a importância de conhecer a degradabilidade da proteína nos alimentos.

A meta em nutrição é fornecer quantidades adequadas de proteína degradável no rúmen para eficiência ótima dos microorganismos e, ao mesmo tempo, obter a produtividade animal desejada com a mínima quantidade de proteína bruta dietética. A resposta produtiva à suplementação proteica pode ocorrer por melhoria no perfil de aminoácidos da proteína metabolizável ou reduzindo o excesso de nitrogênio da dieta.

Quando a taxa de degradação da proteína excede a taxa de fermentação de carboidratos ocorre perda de nitrogênio como amônia. Maior absorção de amônia do rúmen aumenta o custo energético de excreção metabólica do excesso de nitrogênio, potencialmente capaz de aumentar a magnitude do balanço energético negativo no início da lactação.

Excesso de N-uréico no sangue também pode ter efeito tóxico sobre o espermatozóide, o óvulo ou os embriões, além de reduzir o pH uterino, a produção de prostaglandina e a concentração plasmática de progesterona (Butler. J. Dairy Sci. 81: 2433, 1998). Excesso de nitrogênio degradável no rúmen pode afetar negativamente a eficiência reprodutiva de vacas leiteiras.

A mensuração laboratorial da degradabilidade protéica nos alimentos tem utilidade prática. Esta seria uma alternativa ao uso de valores de degradabilidade tabulados em listas de composição de alimentos, a metodologia corriqueira. Uma alternativa para a obtenção do valor de degradabilidade em alimentos protéicos de uso prático seria a mensuração da solubilidade da proteína em algum solvente.

O solvente mais comumente utilizado tem sido o tampão borato-fosfato, popular porque é utilizado para determinar as frações protéicas A e B1 no modelo nutricional de Cornell (Sniffen et al. J. Anim. Sci. 70: 3562, 1992).

Alguns nutricionistas têm sido atraídos pela tentativa de utilização de valores de solubilidade proteica para estimar a degradabilidade da proteína no rúmen. Entretando, as limitações desta prática precisam ser compreendidas, solubilidade não é um estimador perfeito de degradabilidade. A correlação entre solubilidade e degradação ruminal in vivo da proteína foi de apenas 0,26 para 34 dietas contendo várias fontes de nitrogênio (Stern & Satter. J. Anim. Sci. 58: 714, 1984).

Toda proteína solúvel não é igualmente susceptível à degradação por enzimas ruminais. Solubilidade também não é pré-requisito para degradação, existe proteína insolúvel que é degradada no rúmen. A proteína solúvel também pode ter maior taxa de passagem pelo rúmen que a proteína insolúvel e, portanto, pode deixar o rúmen intacta. Isto ocorre pela maior possibilidade de associação da proteína solúvel à fase fluída da digesta ruminal.

Apesar das imperfeições da técnica de solubilidade, esta pode ter valor para avaliar diferentes partidas de um mesmo alimento. Entretanto, os modelos nutricionais vigentes adotaram a degradabilidade como critério para formulação de dietas. Não existem diretrizes seguras para recomendar valores dietéticos de solubilidade proteica compatíveis com o desempenho ótimo de vacas leiteiras.

MARCOS NEVES PEREIRA

Professor Titular da UFLA (Lavras, MG)

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RICARDO DE SOUZA MARTINEZ

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL

EM 04/10/2012

Muito bom artigo, professor Marcos Neves.
JÚLIO CÉSAR DE CERQUEIRA FIDELIX

IMPERATRIZ - MARANHÃO - ZOOTECNISTA

EM 03/12/2008

Como estudante de Zootecnia, leio e recomendo estes artigos tão ricos e bem explicados para aqueles que se envolvem com a bovinocultura. Artigos assim facilitam minhas pesquisas acadêmicas e me preparam melhor para o mercado de trabalho.

O conhecimento sobre Proteína Degradável e Não Degradável no Rúmem é fator essencial na nutrição de bovinos.

Professor Marcos Pereira, continue assim.
JÚLIO CÉSAR DE CERQUEIRA FIDELIX

IMPERATRIZ - MARANHÃO - ZOOTECNISTA

EM 03/12/2008

Como estudante de Zootecnia, leio e recomendo estes artigos tão ricos e bem explicados para aqueles que se envolvem com a bovinocultura. Artigos assim facilitam minhas pesquisas acadêmicas e me preparam melhor para o mercado de trabalho.

O conhecimento sobre Proteína Degradável e Não Degradável no Rúmem é fator essencial na nutrição de bovinos.

Professor Marcos Pereira, continue assim.
MilkPoint AgriPoint