FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Resfriamento de vacas em propriedades leiteiras robotizadas: o caso da fazenda Bandioli, Itália

POR ISRAEL FLAMENBAUM

COWCOOLING - FLAMENBAUM & SEDDON

EM 19/09/2019

1
8

Formas de resfriamento para reduzir o estresse térmico das vacas vêm sendo desenvolvidas nas últimas quatro décadas em Israel e em todo o mundo e são aplicados com um grau diferente de sucesso em muitas fazendas do mundo.

O resfriamento de vacas na fazenda baseia-se principalmente em uma rotina diária, que inclui o resfriamento das vacas nos pátios de espera antes e entre as sessões de ordenha, bem como na pista de trato, durante o momento da alimentação. Entretanto, nas fazendas que utilizam ordenha robótica não há um momento de ordenha definido, visto que cada vaca é ordenhada e se alimenta em horas diferentes ao longo do dia.

Na primavera de 2016, fui convidado a fazer uma consultoria sobre o alívio do estresse térmico em uma fazenda de gado leiteiro pertencente à família Bandioli e localizada perto da cidade de Mantova, no norte da Itália. A fazenda está localizada em uma região quente e úmida, e as vacas sofrem com estresse térmico durante quase 4 meses do ano. A fazenda contém 500 vacas de alto rendimento, alojadas em free stalls e ordenhadas por oito robôs de ordenha.

O tratamento de resfriamento fornecido às vacas antes da minha intervenção era principalmente de ventilação forçada, operando sobre as baias livres, por meio de ventiladores de teto e laterais, bem como um pequeno número de ventiladores que operavam em combinação com aspersores nos pátios de espera, em frente dos robôs. A ventilação forçada sobre as baias livres operava 24 horas por dia e o tratamento de resfriamento na frente dos robôs era limitado a horas diurnas.

Nos testes realizados durante a minha visita, descobri que a qualidade da umidificação e a velocidade da ventilação forçada não atendia aos requisitos. Desde que minha visita foi realizada no início do verão, foi acordado que a melhoria do resfriamento no verão de 2016 se concentraria em aprimorar as técnicas de resfriamento existentes nos pátios de espera, adicionando ventiladores para aumentar a velocidade do vento e melhorar os meios de  fornecimento de umidade. Além disso, foi elaborado um protocolo de operação com o gerente da fazenda, adaptando o tratamento de resfriamento às condições especiais da fazenda.

O manejo de resfriamento introduzido no verão de 2016 contribuiu para uma melhoria no desempenho. No entanto, as aferições de temperatura que realizamos durante este verão, usando a temperatura vaginal, mostraram que a intervenção não impediu completamente o aumento do calor corporal das vacas e, portanto, concluímos que os animais não estavam alcançando o máximo de seu potencial de produção. Após a resposta positiva do sistema de resfriamento introduzido no verão de 2016, os proprietários da fazenda decidiram investir mais em resfriamento, adicionando meios de umidificação e ventilação forçada também na pista de trato. Além disso, o resfriamento passou a ser operado em todos os locais durante todo o dia, incluindo a noite.

O efeito do resfriamento no desempenho da vaca, em 2015, antes de começarmos a trabalhar na melhoria do resfriamento, 2016 com resfriamento parcial e 2017, com tratamento de resfriamento completo são apresentados nas Figuras 1, 2 e 3.

Figura 1 - Rendimento médio diário de leite (todas as vacas), em diferentes meses de 2015 (antes do início do resfriamento intensivo), 2016 (com resfriamento parcial) e 2017 (com resfriamento máximo).

Figura 2 - Pico médio diário de rendimento por (vacas adultas) em diferentes meses, em 2015 (antes de iniciar o resfriamento intensivo), 2016 (com resfriamento parcial) e 2017 (com resfriamento máximo).

Figura 3 - Taxa de concepção (%), de vacas adultas, inseminadas em meses diferentes, em 2015 (antes de iniciar o resfriamento intensivo), 2016 (com resfriamento parcial) e 2017 (com resfriamento máximo).

As informações descritas nas Figuras 1 a 3 mostram claramente a melhoria gradual no desempenho da vaca durante o verão devido à melhoria na intensidade de resfriamento nos verões de 2016 e 2017. A produção diária média de leite por vaca foi semelhante durante os meses de inverno e primavera (janeiro a maio), nos 3 anos estudados. A partir de junho, observa-se uma diferença de produção no verão de 2016 (5 a 8 litros por dia com o início do resfriamento intensivo em comparação ao ano anterior), sendo ainda maior no verão de 2017. Resultados semelhantes são obtidos para pico de lactação de vacas adultas, com diferença de 10 litros por dia atingidos no verão de 2017, em comparação com o ano anterior ao início do resfriamento intensivo.

Especialmente impressionante foi o efeito de resfriamento na taxa de concepção no verão. Ao contrário do verão de 2015, quando a taxa de concepção caiu para menos de 15% nas inseminações realizadas no verão, a taxa de concepção no verão de 2017 foi superior a 40%, quase 25 pontos percentuais a mais que no verão de 2015, quase sem diferença daquelas alcançada nos meses de inverno desse ano.

'Os resultados obtidos nos últimos dois verões na fazenda Bandioli confirmam que, ativando continuamente os sistemas de refrigeração em todos os "locais de refrigeração" (refrigeração que combina umidade e ventilação forçada) nos pátios de espera em frente aos robôs e na pista de trato, é possível melhorar significativamente a produção de leite e a fertilidade durante os meses de verão, atingindo níveis próximos aos alcançados durante os meses de inverno'.

Os requisitos especiais para o resfriamento de vacas em fazendas com robôs (geralmente, uso de mais água e energia elétrica por vaca) nos levaram a realizar um estudo econômico, utilizando um programa de computador especial que desenvolvi recentemente, a fim de reduzir o custo-benefício de resfriar as vacas ordenhadas por esta tecnologia. O cálculo foi baseado no resultado real da fazenda Bandioli, com um aumento de 900 litros no rendimento médio anual por vaca entre 2015 e 2017 (um aumento de 7%). Também estimei uma melhoria de 5% na eficiência alimentar (conversão alimentar em leite), nos 120 dias de verão na região, e uma média de 5 "dias abertos" a menos no intervalo entre partos, devido à melhoria na fertilidade das vacas no verão, com um valor estimado de 5 euros para cada "dia aberto". O preço do leite para a fazenda foi de 0,42 euros e o preço dos alimentos, 0,24 euros por quilograma de matéria seca (MS) da mistura de vacas leiteiras. O investimento total na compra de equipamentos de refrigeração para a fazenda foi de 400 euros por vaca e o custo de operação do sistema de refrigeração (principalmente eletricidade) foi de 40 euros por vaca por ano.

O investimento total na compra de equipamentos de refrigeração para fazendas foi de 400 euros por vaca e o custo de operação do sistema de refrigeração (principalmente eletricidade) foi de 40 euros por vaca por ano.

A operação do sistema de refrigeração, conforme indicado na fazenda leiteira leiteiro Bandioli, contribuiu para um lucro líquido anual adicional para a vaca (depois de cobrir todas as despesas) de 245 euros e 120.000 euros para toda a fazenda leiteira.

Pode-se concluir que o modo de operação de resfriamento nas fazendas robóticas, caracterizado como resfriamento voluntário das vacas, permite uma melhora significativa no desempenho das vacas no verão. Embora este modo tenha obrigação de funcionamento durante todo o dia e noite em todos os locais, resultando em um alto custo, a melhoria significativa no desempenho das vacas, conforme demonstrado no estudo Bandioli, permite ainda um aumento significativo na lucratividade da fazenda.

Figura 4 - Pátio de espera em frente aos robôs, em 2015, antes da introdução do resfriamento intensivo na Fazenda Bandioli.

Figura 5 - Pátio de espera em frente aos robôs, em 2017, após a introdução de intenso resfriamento na fazenda Bandioli.

Figura 6 - Pista de trato em 2017, após a introdução de um resfriamento intensivo na fazenda Bandioli.

ISRAEL FLAMENBAUM

Especialista no estudo do estresse térmico em vacas leiteiras, professor na Hebrew University of Jerusalém, tem ministrado cursos e treinamentos sobre o assunto em diversos países.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

BRUNO VICENTINI

LAVRAS - MINAS GERAIS

EM 19/09/2019

Muito bom o artigo! Os artigos desse especialista são excelentes e demonstram de forma clara os benefícios trazidos com uma boa ambiência para os animais.