ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Não coloque a culpa na pecuária ao lidar com o aquecimento global

POR ISRAEL FLAMENBAUM

COWCOOLING - FLAMENBAUM & SEDDON

EM 21/02/2022

6 MIN DE LEITURA

0
7

Atualizado em 21/02/2022

No artigo anterior publicado na coluna do MilkPoint, apresentei as diferentes opiniões que existem sobre as causas do aquecimento global nas últimas décadas e também chamei a atenção dos leitores para a opinião de pesquisadores que negam que a atividade humana nos últimos 150 anos seja a principal causa para isso. 

Segundo esses pesquisadores, o aquecimento global faz parte de um processo cíclico de um milhão de anos em que o mundo aquece e esfria de forma intermitente, em ciclos de centenas e milhares de anos, devido às mudanças que ocorrem no sol e suas interações com os oceanos e a Terra. Estamos simplesmente em um período de aquecimento após uma longa era glacial, período esse que não podemos prever qual será sua intensidade e duração. 

O que sabemos é que a flora e a fauna da Terra sobreviveram a essas mudanças ao longo dos anos e até evoluíram durante esses processos. Em meu artigo anterior, levantei a ideia de que, se os pesquisadores que apoiam essa abordagem estiverem certos, então, quando se trata de pecuária, há espaço para desviar os enormes orçamentos que o mundo gasta para substituir fontes de energia “poluidoras” por “limpas” e gastá-los no desenvolvimento de ferramentas que permitirão a criação de animais em condições mais quentes.

Neste artigo, pretendo refutar a opinião pública predominante de que a agricultura e, principalmente, a pecuária, estão entre os principais contribuintes para o aquecimento global, principalmente por causa do gás metano que emitem na atmosfera.

Os gases que contribuem para o efeito estufa são divididos em gases de efeito estufa diretos, cuja presença na atmosfera afeta diretamente o aumento da temperatura da Terra, e gases de efeito estufa indiretos, que contribuem para o efeito estufa após reações químicas atmosféricas.

O impacto de cada um desses gases é estimado com base em duas características: o potencial de aquecimento (GWP: Global Warming Potential) e o tempo de permanência na atmosfera (vida atmosférica). O valor GWP representa o coeficiente de emissão para converter as emissões em valor de CO2 (CO2 equivalente). As emissões do setor agrícola são compostas por gases diretos (dióxido de carbono CO2, metano CH4 e óxido nitroso N2O) e gases indiretos (amônia, NH3; dióxido de carbono, CO; e dióxido de enxofre, SO2).

Neste artigo, vou me referir apenas aos efeitos dos gases diretos, cujo potencial de aquecimento pode ser visto na Tabela 1.

Tabela 1. Potencial de aquecimento e tempo de permanência na atmosfera de gases de efeito estufa emitidos diretamente pelo setor agrícola e pela indústria de bovinos e ovinos

O metano representa cerca de 10% de todos os gases de efeito estufa emitidos na atmosfera, sendo 45% provenientes da agricultura. Em outras palavras, o gás metano contribui com cerca de 5% do total de emissões de gases de efeito estufa na atmosfera, com a participação da pecuária não superior a 3%. O mais importante é o fato de que cerca de 95% do carbono do metano emitido pelo gado para a atmosfera é devolvido ao solo e preso pelas plantas, ficando apenas 5% “preso” na atmosfera.

A emissão de metano na atmosfera pelo gado está no centro das críticas atuais no mundo, que consideram essas indústrias como as principais responsáveis pelo “efeito estufa” e aquecimento global, e todos os danos decorrentes. Essa atitude pode ter um impacto extremamente negativo nas agroindústrias e principalmente nos setores de pecuária de corte e leite.

A maior parte do gás metano que chega à atmosfera sofre um processo de decomposição química por oxidação, permanece na atmosfera por um tempo relativamente curto e entra em um “ciclo biogênico” que envolve a ligação do carbono às plantas no solo, tornando seu “aquecimento” um efeito mínimo. Portanto, esse metano pode ser considerado um gás “sustentável”.

O carbono proveniente do metano se liga às plantas, que são posteriormente utilizadas como alimento para o gado, cuja digestão é a fonte do gás metano emitido para a atmosfera. Há um fechamento do ciclo aqui e tudo isso está acontecendo, com pouco ou nenhum efeito sobre a concentração de gases de efeito estufa na atmosfera.

Em geral, há quase igualdade na razão entre a quantidade de metano emitida para a atmosfera pelo gado e que é absorvida de volta pela vegetação, o que significa que a contribuição do gás metano de origem bovina para o efeito estufa é muito baixa. Está claro para nós hoje que, quando se trata de discutir a contribuição da pecuária para o aquecimento global, o termo CO2 equivalente é enganoso e irrelevante.

A questão levantada neste trabalho é de suma importância quando se trata do sistema digestivo de ruminantes, por sua capacidade única de digerir a celulose vegetal, que é o principal “aglutinante de carbono” na natureza e a principal fonte alimentar de todos os ruminantes.

Cerca de dois terços das terras do planeta relevantes para qualquer atividade agrícola são definidas como “terras marginais” que, por razões de qualidade da terra ou limitações topográficas, não são adequadas para cultivo agrícola intensivo e só podem ser usadas para pastagem. Constatou-se que a capacidade de “ligação de carbono” das pastagens, bem como dos campos onde os volumosos são cultivados e consumidos ou colhidos com frequência, não fica aquém da das florestas, e até os supera (a capacidade de ligação de carbono é diretamente proporcional ao crescimento das plantas e à frequência de pastoreio ou colheita).

Estudos recentes nos Estados Unidos e na Itália sobre as emissões de gases de efeito estufa em processos de criação de gado constataram que a quantidade de dióxido de carbono gerada pela decomposição do metano emitido pelo gado na atmosfera não só não aumenta as concentrações de gases de efeito estufa, como também as reduz.

As emissões de carbono do gado nos processos de produção são cerca de 30% menores do que a quantidade de carbono fixado no processo de pastagem e forrageiras, de modo que o gado não aumenta a concentração de gases de efeito estufa na atmosfera, mas, sim, diminui.

Outro ponto que gostaria de levantar neste artigo é a crescente mudança das pessoas para o veganismo, deixando de consumir produtos de origem animal. Parte dessas pessoas toma essa decisão devido à contribuição da pecuária para o aquecimento global.

Em muitos casos, essas pessoas estão agindo (consciente e talvez inconscientemente) contra a “ordem de sua consciência” e gostaria de esclarecer este ponto aqui. A transição humana para o veganismo e evitar completamente o consumo de produtos de origem animal reduzirá as emissões de gases de efeito estufa em 0,8 tonelada de CO2 por ano, metade da quantidade de CO2 emitida para a atmosfera em um voo transatlântico por ano.

Possuir um carro particular, ou ligar um ar condicionado no verão e um fogão no inverno, liberará na atmosfera uma quantidade de dióxido de carbono que excede dezenas de vezes mais do que não comer carne e beber leite. O dióxido de carbono emitido neste caso será proveniente da queima de combustíveis fósseis e pode permanecer na atmosfera por muitos anos e realmente contribuir para o aquecimento global. Vamos ver esses veganos parar primeiro com essas atividades!

Concluindo, a agropecuária em geral, e a pecuária em particular, não só não contribuem para o aquecimento global, como ajudam a reduzi-lo. É desejável que todos aqueles que vivem da agricultura, especialmente os pecuaristas de corte e de leite, estejam familiarizados com esses dados e tomem o cuidado de transmiti-los ao seu ambiente imediato.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

Leia também: 

ISRAEL FLAMENBAUM

Especialista no estudo do estresse térmico em vacas leiteiras, professor na Hebrew University of Jerusalém, tem ministrado cursos e treinamentos sobre o assunto em diversos países.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint