ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Como está a CBT no sudeste brasileiro? Publicação traz um diagnóstico completo da CBT nesta região

No mês de outubro foi lançado o segundo volume da série do Mapa da Qualidade do Leite, elaborado pela Clínica do Leite. Neste segundo volume, é apresentado o diagnóstico da qualidade microbiológica do leite avaliada através da contagem bacteriana total (CBT), não somente do leite que está sendo coletado nas fazendas, mas também do leite que chega a indústria e do leite imediatamente antes de ser processado.


Diferentemente da CCS, cujo resultado depende exclusivamente dos processos executados na fazenda, como já foi abordado no primeiro volume do Mapa da Qualidade do Leite, a CBT depende também dos processos de logística e de armazenamento. Ou seja, para que tenhamos um leite de alta qualidade sendo processado, precisamos atuar em diferentes pontos críticos ao longo da cadeia de captação, e não somente “dentro da porteira”.

Os resultados apresentados indicam que é preciso, além de melhorar os processos na fazenda para que 100% dos produtores atendam a IN-62, melhorar, também, o transporte e o armazenamento do leite até o seu processamento. Perde-se muita qualidade quando se compara o leite que está na fazenda e o que está sendo processado (leite armazenado nos silos das indústrias), o que irá afetar diretamente a qualidade do produto final oferecido aos consumidores, além de prejuízos às indústrias por queda de rendimento, por problemas de processamento e por menor tempo de prateleira.

Quando se fala de CBT, é comum inferir que nos últimos anos houve melhora significativa e que os problemas relacionados a alta carga bacteriana são relativamente fáceis de serem solucionados (higiene de ordenha e refrigeração), principalmente quando se compara com a CCS. Realmente, entre o período de 2008 a 2012, observou-se uma redução nos valores médios. Porém, já nos anos seguintes, houve uma inversão do cenário com novo aumento da CBT.

Atualmente, quanto ao atendimento à IN-62, considerando o limite atual de 300 mil UFC/mL, temos 65% dos produtores conformes. Se projetarmos para o limite de 2018, que será de 100 mil UFC/mL, teremos somente 40% deles.

Como é possível observar na Figura 1, abaixo de 10 mil UFC/mL, existem quase 1.800 produtores (4% do total), lembrando que este é o limite preconizado para o leite cru utilizado na produção de leite tipo A. Por outro lado, existem quase 10 mil rebanhos com CBT acima de 600 mil UFC/mL (21% do total), valor este que evidencia problemas sérios de higiene na ordenha e de conservação do leite, e que tem grande impacto na qualidade dos produtos processados a partir deste leite. A grande maioria dos rebanhos (42%) possui média entre 40 e 300 mil UFC/mL.


Figura 1. Distribuição de 44 mil rebanhos que enviaram amostras para a Clínica do Leite em função da CBT (mil UFC/mL) em 2015. FONTE: FONTE: MACHADO, P. F.; CASSOLI, L. D. Contagem Bacteriana Total (CBT) – 2016. (Mapa da Qualidade do Leite, v. 2)

Assim como para CCS, os resultados de CBT indicam que temos uma grande área de oportunidade. Conhecer e caracterizar o problema é o primeiro passo para que se possa de fato agir com eficácia. Que este material possa contribuir com a cadeia e que, juntos, possamos melhorar a eficiência da pecuária de leite assim como outras cadeias agropecuárias já o fizeram no Brasil.

Esta iniciativa tem como objetivo contribuir com a construção de políticas públicas assertivas e o aprimoramento de programas de melhoramento da qualidade do leite. “Este trabalho de diagnóstico de qualidade do leite é um dos componentes básicos para que possamos cumprir a nossa missão, que é ajudar a pecuária de leite a melhorar a produtividade e a qualidade, por meio de conceitos de gestão pela qualidade total. Sem dados e informação não é possível identificar os problemas e agir para corrigi-los”, aponta Paulo Fernando Machado, professor do Departamento de Zootecnia da ESALQ e coordenador da Clínica do Leite.

Para baixar e ver o conteúdo completo do Mapa da Qualidade do Leite de CBT, você pode acessar: http://mq.clinicadoleite.com.br/cbt



Leia também:

CLÍNICA DO LEITE

Vinculada à ESALQ/USP, a Clínica do Leite é uma instituição sem fins lucrativos que atua em gestão da pecuária de leite, por meio da geração de conhecimento e da formação de pessoas.

6

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ADIL ALVES VERLINDO

CAXIAS DO SUL - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/11/2016

Boa tarde,
Ótima matéria.
Estou na faixa dos 4% com valores menores que 10.
Gostaria de saber o que faço para melhorar a qualidade da água, apesar do teste aprovar para consumo humano.

Adil Alves Verlindo
Caxias do Sul - RS
JOÃO LUIS DOS SANTOS

CAMPINAS - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/11/2016

Há uma correlação direta entre a qualidade da água e a CBT. Um grande equívoco que tenho vivenciado é o investimento em processos e produtos para higiene adequada com um água de má qualidade microbiológica.
Essa é a consequência deste procedimento: http://www.milkpoint.com.br/mypoint/244735/p_em_que_momento_a_qualidade_da_agua_afeta_a_qualidade_do_leite_agua_qualidade_leite_bacterias_6025.aspx

Abraços
FERNANDO LOPES BORGES

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/11/2016

Muito bom o artigo, mas a culpa não é do produtor!!!

Sou produtor de leite, em Porangaba/SP, o Laticínio para o qual eu ENTREGO o meu leite se utiliza dos serviços de análise da Clinica do Leite da ESALQ.
Pouco mais de seis meses após o início das minhas atividades na pecuária leiteira, a analise do leite captado na minha propriedade deu resultado 0, isso mesmo ZERO para a CBT. ANALISE 000912034.
Apesar da minha pouca experiência na atividade, a questão da sanidade, higiene e boas praticas é uma questão de principio dentro da minha propriedade.
Em contrapartida, o Laticínio para o qual ENTREGO o meu sacrificado leite me premiou via WhatsApp com três belíssimos troféus jóinha!
Enquanto não houver seriedade no trato das questões relacionadas a CBT não ocorrerão melhoras significativas.

CLÍNICA DO LEITE

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 01/11/2016

Olá Rodrigo. Para baixar o Mapa da Qualidade do Leite de CCS, basta você acessar: http://mq.clinicadoleite.com.br/ccs
RODRIGO

TAPEJARA - PARANÁ - TÉCNICO

EM 01/11/2016

Boa tarde, por gentileza, teria como mandar o link para abaixar contagem de célula somática que estava disponível dia 05/09/2016.
MANOEL ANTONIO DE OLIVEIRA

TUPI PAULISTA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 01/11/2016

Bom dia, Parabéns pela matéria.