FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Concentração das proteínas do soro de queijo empregando processos de separação por membranas

VÁRIOS AUTORES

CLAUCIA FERNANDA VOLKEN DE SOUZA

EM 17/02/2020

4 MIN DE LEITURA

0
4

A indústria de queijos tem utilizado várias técnicas e tecnologias para tratar o soro de queijo, visando recuperar os principais componentes como proteínas, lactose e minerais. O processamento do soro de queijo para utilização em outros produtos auxilia na redução da poluição ambiental e também fornece à indústria de laticínios um retorno econômico, devido à possível venda desses produtos recuperados e processados (GANJU; GOGATE, 2017). Dentre as tecnologias utilizadas para concentração do soro de queijo destacam-se os processos de microfiltração, ultrafiltração, nanofiltração e osmose reversa (CARVALHO; MAUBOIS, 2010). A separação por membranas vem sendo utilizada em grande escala, principalmente nos processos controlados por pressão: microfiltração, ultrafiltração, nanofiltração e osmose inversa (ou reversa) (LIPNIZKI, 2010). Esses processos de separação são aplicados na indústria de laticínios, por exemplo, na concentração das proteínas do soro de queijo e na padronização do teor proteico do leite (KUMAR et al., 2013).

Os processos de separação por membranas baseiam-se na utilização de membranas orgânicas ou minerais e, a partir da filtração seletiva de uma determinada solução, são formadas duas novas frações líquidas denominadas de retentado (produto retido durante o processo de filtração, também chamado de concentrado) e permeado (produto que permeia pela membrana) (BALDASSO et al., 2011; KALAYANPUR, 2013; KUMAR et al., 2013). Estes processos são classificados de acordo com o tamanho ou a massa molar das partículas ou moléculas a serem separadas, como pode ser visualizado na Figura 1. À medida que o tamanho das partículas diminui, reduz-se também a dimensão dos poros da membrana, sendo necessária a aplicação de maior pressão para se alcançar as mesmas vazões de permeação (LIPNIZKI, 2010; HABERT et al, 2006).

Figura 1. Principais características dos processos de membrana para separação das proteínas do soro de queijo que utilizam gradiente de pressão como força motriz.

A ultrafiltração (UF) vem sendo empregada na recuperação das proteínas do soro de queijo, pois permite a retenção das proteínas e a permeação da lactose, sais minerais e outros compostos com menor massa molar. É o método mais promissor para a concentração das proteínas do soro, operando em pressões inferiores a 10 bar e membranas com tamanho de poros de até 100 nm. Desta forma, é possível reter compostos com massa molar entre 1 e 100 kDa (HABERT et al., 2006), tais como as proteínas do soro de queijo: β-Lactoglobulina (β-Lg) (3,2 g.L-1, 18,3 kDa), α-Lactalbumina (α-La) (1,2 g.L-1, 14,2 kDa), albumina sérica bovina (Bovine Serum Albumin-BSA) (0,4 g.L-1, 66,0 kDa), imunoglobulina (Ig) (0,8 g.L-1,146-1030 kDa) e lactoferrina (0,2 g.L-1, 80 kDa) (ASGHAR et al., 2011).

Quando submetido ao processo de separação por membranas, o soro de queijo dá origem aos produtos denominados concentrados proteicos, com composição de 35 a 80% de proteínas lácteas (DAUFIN; MERIN, 1995). Ao ser processado por ultrafiltração, o soro gera entre 50 e 75% (em base seca) de proteína no retentado (PAGNO et al., 2009). Segundo Iltchenco et al. (2018) os concentrados obtidos por UF apresentam retenção média de proteínas de 55 e 80% para membranas de 100 e 10 kDa, respectivamente. A extração das proteínas de soro de queijo pelo método de ultrafiltração, seguida da secagem por liofilização, é adequada para a produção de concentrado proteico com composição de 35 a 80% de proteínas (LUZ, 2016).

A indústria de laticínios no processamento do soro de queijo utiliza o método de separação por membranas para aumentar o rendimento, aprimorar a qualidade do produto, melhorar as condições de higiene, aumentar a flexibilidade da produção e também para reduzir o impacto ambiental. É uma tecnologia que possibilita inúmeras aplicações à indústria de derivados lácteos, devido à simplicidade de operações e escalonamento.

Referências

ASGHAR, A. et al. Utilization of dairy by product proteins, surfactants and enzymes in frozen dough. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, v. 51, n. 4, p. 374-382, 2011.

BALDASSO, C. et al. Concentration and purification of whey proteins by ultrafiltration. Desalination, v. 278, p. 381-386, 2011.

CARVALHO, A. F.; MAUBOUIS, J. L. Applications of membrane technologies in the dairy industry. In: COIMBRA, J. S. R.; TEIXEIRA, J. A. Engineering aspects of milk and dairy products. Boca Raton: CRC Press, cap. 3, p. 33-57, 2010.

DAUFIN, G., MERIN, U. Fouling of inorganic membranes in filtration processes of dairy products. International Dairy Federation, p. 53–70, 1995.

GANJU, S.; GOGATE, P. R. A review on approaches for efficient recovery of whey proteins fromdairy industry effluents.  Journal of Food Engineering, v. 215, p. 84-96, 2017.

HABERT, A. C. Processos de separação por membranas. Vol. 3. Editora E-papers, 2006.

ILTCHENCO, S. et al. Concentração de proteínas de soro de leite por ultrafiltração e estudo de propriedades funcionais. Ciência Rural, v. 48, n. 5, e20170807, 2018.

KALAYANPUR, M. Membrane Separations. In: Downstream industrial biotechnology, Recover and purification, Fliclinger, p. 545-556, 2013.

KUMAR, P. et al. Perspective of membrane technology in dairy industry: A review. Asian-Australasia Journal Animal Science, v. 26, n. 9, p. 1347-1358, 2013.

LIPNIZKI, F. Membrane process opportunities and challenges in the bioethanol industry. Desalination, v. 250, p. 1067-1069, 2010.

LUZ, G. B. Processo de extração das proteínas de soro de leite para produção de concentrado proteico. Tecnologias para Competitividade Industrial, v. 9, n. 2, p. 137-150, 2016.

PAGNO, C. H. et al. Obtenção de concentrados proteicos de soro de leite e caracterização de suas propriedades funcionais tecnológicas. Alimentos e Nutrição, v. 20, p. 231-239, 2009.

DANIEL LEHN

Mestre em engenharia e ciência de alimentos (FURG, 2003)
Professor do Centro Universitário UNIVATES -
Diretor do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

CLAUCIA FERNANDA VOLKEN DE SOUZA

Professora Titular da Univates, atuando nos Programas de Pós-Graduação em Biotecnologia e Sistemas Ambientais Sustentáveis e nos cursos de Engenharia de Alimentos, Engenharia Química e Química Industrial. Doutora em Biologia Celular e Molecular.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint