FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O mercado de leite orgânico no mundo e no Brasil

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/10/2020

4 MIN DE LEITURA

2
9

O mercado global de alimentos e bebidas orgânicos está em expansão e atingiu cerca de US$ 90 bilhões, representando 4% de todos os alimentos e bebidas consumidos em 2017, segundo o relatório anual da Global Organic Dairy Market (2019). O gasto global per capita anual com alimentos orgânicos aumentou 10% nos últimos anos, com valores chegando a US$ 12,1. Considerando que há países com o gasto per capita muito elevado, como a Suíça (US$ 290,00) e EUA (US$ 130,00), enquanto o Brasil é de cerca de US$ 5,00, presume-se que ainda há um grande potencial de expansão do mercado brasileiro de produtos orgânicos, associado ao maior crescimento da renda da população (Global Organic Dairy Market, 2019).

O mercado mundial de lácteos orgânicos, atrás apenas do de frutas e verduras, atingiu US$ 18 bilhões em 2017 e estima-se que deve chegar a US$ 28 bilhões até 2023, estando mais concentrado nos EUA (54%), Alemanha (11%) e França (7%) (Global Organic Dairy Market, 2019). O volume da produção mundial de leite orgânico está crescendo e, em 2017, atingiu cerca de 8,1 bilhões de litros, o que representa 1% da produção mundial de leite, sendo o principal fornecedor os EUA (26,1%) seguido pela China (10,9%), Alemanha (10,3%), França (7,7%), Dinamarca (7,0%) e Reino Unido (5,1%) (Tabela 1). Entretanto, o mercado de produtos lácteos orgânicos dos EUA vem desacelerando nos últimos anos, sendo a estagnação mais pronunciada para o leite fluido. Grande parte da desaceleração é reflexo do crescimento do setor de bebidas alternativas, como chás, sucos, bebidas vegetais, entre outros. No entanto, com a pandemia do novo coronavírus, este mercado de bebidas alternativas (especialmente as bebidas vegetais) ficou prejudicado, o que pode representar oportunidades para os lácteos orgânicos.

O mercado de alimentos naturais nos EUA está repleto de produtos “livres de leite” e a pecuária tem sido alvo de críticas por diversos movimentos que questionam os grandes confinamentos e o bem-estar animal nestes sistemas. Assim, os agentes da cadeia de lácteos orgânicos dos EUA têm apostado na estruturação de sistemas de criação baseados na alimentação dos animais exclusivamente a pasto, conhecidos como “100% grass-fed”, que têm sido bem aceitos pelos consumidores pelos benefícios para o bem-estar animal e qualidade nutricional da gordura do leite (grass-to-glass) (Global Organic Dairy Market, 2019).

Tabela 1. Características da produção de leite orgânico nos principais países produtores



Fonte: Global Organic Dairy Market (2019). Elaborado pelos autores.


No Brasil, a cadeia agroalimentar de leite orgânico é ainda incipiente, em estruturação e expansão. Entretanto, alguns produtores com laticínios e marcas próprias já estão consolidados no mercado há vários anos e em diversas regiões do país, com fornecimento principalmente para o mercado local (cadeias curtas) de leite pasteurizado e/ou derivados orgânicos, como queijos, iogurtes, manteiga e requeijão. Os investimentos recentes de multinacionais na produção de leite orgânico no Brasil alavancaram a entrada de novos produtores de leite, bem como a tecnificação de propriedades já certificadas. Recentemente estas empresas lançaram produtos lácteos orgânicos no mercado, porém, em função da pandemia, o volume de leite orgânico captado foi reduzido. Além disso, como é um mercado incipiente, os volumes vendidos ainda são baixos. Pelos dados da Pesquisa de Orçamento Familiar do IBGE, para 2017-2018, observa-se um gasto familiar inferior a 0,5% de lácteos orgânicos em relação aos gastos totais com lácteos. Mas é um mercado com aproximadamente R$ 100 milhões em vendas.

O Mapa conta com um Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos (CNPO), que consiste na relação de todos os produtores orgânicos certificados do país, com informações sobre o produtor, localização da unidade de produção, sistema de certificação e produtos certificados. Em abril/2020, foram identificadas 96 unidades certificadas de produção orgânica de leite no país, distribuídos em todas as regiões (Figura 1), sendo que a grande maioria – 65 unidades – está estabelecida na região Sudeste. Apesar da baixa representatividade da produção orgânica de leite em relação à produção total de leite convencional, o Brasil possui vocação e potencial para expandir a produção de leite orgânico, visto que predominam no país os sistemas de produção a pasto com uso de raças adaptadas ao clima tropical, sendo esses fatores priorizados na regulamentação dos sistemas orgânicos de produção animal. A despeito dos pontos fortes, a ausência de dados nacionais precisos e sistemáticos sobre a produção (volume, vacas em lactação, etc.) e a comercialização (principais produtos produzidos e mercados) dificulta o acompanhamento da dinâmica e estruturação da cadeia agroalimentar e o planejamento estratégico dos diversos elos, bem como prejudica o desenvolvimento de pesquisas e a elaboração de avaliação de políticas públicas para o setor.

leite organico Brasil


Figura 1. Distribuição das unidades de produção de leite orgânico no Brasil. Fonte: Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos (CNPO). Elaborado pelos autores.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário! Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!
 

Autores:

Fernanda Samarini Machado – Pesquisadora/Embrapa Gado de Leite
Maria de Fátima Ávila Pires – Pesquisadora/Embrapa Gado de Leite
Fábio Homero Diniz – Analista/Embrapa Gado de Leite

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROSANA DE OLIVEIRA PITHAN E SILVA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 07/10/2020

A respeito da opção por produtos orgânicos, há uma parcela de consumidores destes produtos que se preocupam com a emissão de gases de efeito estufa na produção da pecuária e isto pode ser um fator que beneficie o consumo de leites vegetais, não acreditam? Estas correntes têm ganhado apoio e em função das questões climática não podem ser desestruturantes?
FÁBIO HOMERO DINIZ

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 08/10/2020

Olá Rosana. Sim, concordamos com esta preocupação dos consumidores, mas os esforços em identificar práticas que promovam a sustentabilidade ambiental da produção pecuária vem avançando muito. Fazendas bem manejadas, que adotam tais práticas (recuperação e manejo adequado das pastagens, integração lavoura-pecuária-floresta, alimento adequado para o rebanho, melhoramento genético do rebanho, etc.), a quantidade de carbono que os animais liberam na forma de metano para a atmosfera é compensada pelo carbono que as pastagens e outras culturas vegetais têm capacidade de absorver. Assim, a produção de leite neste cenário, pode servir como prestadora de serviços ambientais. Talvez falte justamente uma maior divulgação destes esforços.
MilkPoint AgriPoint