FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Gargalos na produção leiteira: do rebanho ao transporte do leite

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/07/2020

4 MIN DE LEITURA

5
18

Ma. Juliana Delgado Martins Raymundo
Prof. Dr. Eduardo Guilherme Satolo
Prof. Dra. Priscilla Ayleen Bustos Mac-Lean

Faculdade de Ciências e Engenharia da UNESP, Câmpus Tupã

Na cadeia de produção leiteira o principal agente é a propriedade rural (formada por produtores, animais e instalações em geral), porém esta ainda é considerada o elo frágil. Isso se dá por fatores educacionais, como o baixo nível de escolaridade; fatores tecnológicos, como a ausência de equipamentos para armazenamento e aferição da quantidade de leite produzida por animal; fatores técnicos, como a ausência de programas de assistência técnica ligados à nutrição do rebanho, reprodução, melhoramento genético, manejo e sanidade; e fatores comerciais, como a ausência de parcerias longas com laticínios que acabam comprometendo o bom andamento de toda a cadeia.

Porém, o conhecimento entorno das reais restrições da propriedade rural de leite, por vezes é um ponto que impede ações corretas para melhorar a gestão deste elo da cadeia.

Esta matéria apresenta as principais restrições na gestão da cadeia produtiva leiteira englobando o rebanho, o processamento de ordenha e armazenamento do leite, o transporte do leite até o tanque e até o laticínio em propriedades localizadas na microrregião de Tupã/SP, onde o método de pesquisa selecionado foi survey. Este método é utilizado para obter dados em um processo de pesquisa, aplicando um questionário em determinado grupo de indivíduos.

De acordo com dados fornecidos pela CATI (2017) e IBGE (2019), a microrregião de Tupã conta com sete municípios, responsáveis pela produção de 13,86 milhões de litros de leite por ano, distribuídos em 688 propriedades. Desta forma a microrregião de Tupã corresponde a 46,5% da produção leiteira da região de Marília, sendo 1,1% do estado de São Paulo (IBGE, 2019).

Os dados foram obtidos entre os anos de 2018 e 2019, pela aplicação de um formulário com perguntas estruturadas à 68 produtores, obtendo uma amostragem de todos os municípios da região. A delimitação da amostra ocorreu por meio da parceria com o programa de Pós-Graduação em Agronegócio e Desenvolvimento e principalmente com o Projeto de Extensão Kamby (PROEX/UNESP), que atua para melhorar a produção leiteira na região de Tupã/SP, tanto em quesitos quantidade quanto qualitativos do leite produzido, por meio da difusão do conhecimento e troca de experiência entre estudantes universitários, professores, técnicos e produtores de leite, da Faculdade de Ciências e Engenharia, UNESP, Câmpus Tupã.

Os produtores leiteiros foram caracterizados com idade média de 44 anos, sendo 15% dos entrevistados do sexo feminino e 85% do sexo masculino e, ainda, apenas 25% dos filhos dos entrevistados atuam no campo. As propriedades da amostragem tiveram início na atividade leiteira entre os anos de 1928 e 2018 e têm uma grande variação de produção diária, oscilando com uma produção média de 10 a 2700 litros de leite por dia, e 98,5% tem a produção de leite como atividade econômica principal.

Rebanho leiteiro

Em relação a produção, 44,12% dos produtores mantêm a quantidade de animais em lactação utilizados durante o ano no processo de ordenha, não realizando reposição do rebanho. Isso indica uma falha no controle do ciclo do animal para a participação da ordenha, prejudicando o nível de produtividade. Isto é corroborado ao notar que apenas 55,22% dos entrevistados utilizam-se de meios para controle e monitoramento das etapas de produção. Com essa informação detecta-se que grande parte dos entrevistados ficam vulneráveis a possíveis falhas em seu processo produtivo e sem a possibilidade de correção, pois não há um acompanhamento dos animais do processo para identificar as ferramentas/técnicas necessárias para aplicá-las.

 

Processo de ordenha e armazenamento do leite

  • 85,3% dos produtores, nesta microrregião utilizam ordenha manual e destes, 10,3% não possuem tanque próprio instalados em suas propriedades.
  • 38,2% dos produtores fazem uso de tanque compartilhado. Para estes casos, a confiança entre parceiros é essencial.

 

Transporte do leite até o tanque

  • A padronização no transporte do leite da ordenha ao tanque é importante pois permite ao produtor visualizar propostas de melhoria neste processo. Conhecer as boas práticas de ordenha é um aspecto relevante ao produtor leiteiro para evitar a contaminação de seu produto.
  • Poucos produtores indicaram a necessidade de mudanças no espaço físico, fato este que necessita ser explorado para verificar se atende as novas Instruções Normativas para a produção leiteira.

Gestão de logística

  • O transporte terceirizado é opção dos produtores pela facilidade ofertada pelos laticínios da região, que realizam a coleta dos produtos nas propriedades, associações ou cooperativas.
  • Porém, cabe ao produtor os cuidados no tanque próprio ou terceirizado para garantir que o leite esteja condicionado de modo correto até o momento da coleta.
  • Outro ponto, é o acompanhamento das condições de sanidade do caminhão que efetua a coleta do leite e do processo de transferência, de modo a evitar a contaminação do produto.
  • Os produtores que efetuam a entrega por transporte próprio, apenas 22,2% buscam pela melhoria do desempenho da entrega. Com as novas Instruções Normativas o processo de acondicionamento e transporte teve seus indicadores mais restritivos, o que impacta ao produtor conhecer e atuar na melhora deste item.

Agradecimento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Processo: 424722/2018-6

Quer ficar por dentro do mundo lácteo por meio de um formato diferente? Siga o nosso canal no YouTube e acompanhe as nossas publicações! Vamos amar ver você por lá heart

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JULIANO OLIVEIRA

EM 21/07/2020

Ótimo artigo.
Parabéns!!!
JULIANO OLIVEIRA

EM 21/07/2020

As estradas muitas vezes de terra e com baixa manutenção aumentando o tempo de transporte da zona rural para cooperativas ou para a industria, isso poderia ser um fator negativo na distribuição?
EDUARDO SATOLO

TUPÃ - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 18/08/2020

Juliano agradeço em nome da equipe o comentário e incentivo das mensagens.
A baixa manutenção de nossas estradas rurais com certeza trazem impacto junto ao processo de coleta e transporte do leite. Uma característica comum é que este transporte seja executado por terceirizados contratados pelo laticínio. As estradas ruim geram impactos no custo de transporte, que fica mais demorado, necessita de maiores cuidados com a refrigeração, e pode acarretar em perda da qualidade do produto final.
Convidamos para conhecer nosso projeto: https://www.tupa.unesp.br/#!/comunidade/projetos/kamby/. Abraço Eduardo
EDINEIA CARNAIBA FERREIRA TEIXEIRA

TUPÃ - SÃO PAULO

EM 21/07/2020

Informações muito interessante da nossa microrregião que já foi a maior bacia leiteira do estado de São Paulo
EDUARDO SATOLO

TUPÃ - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 18/08/2020

Olá Edineia, agradeço em nome da equipe o comentário e incentivo das mensagens.
Convidamos para conhecer nosso projeto: https://www.tupa.unesp.br/#!/comunidade/projetos/kamby/. Abraço Eduardo
MilkPoint AgriPoint