ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Eficiência alimentar para avaliar o desempenho do rebanho leiteiro

POR ALEXANDRE M. PEDROSO

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/02/2004

5 MIN DE LEITURA

0
0

Atualizado em 23/12/2020

A eficiência alimentar é uma medida de quão bem suas vacas convertem os nutrientes consumidos em produtos comercializáveis: leite, carne e bezerros. Em termos básicos, a eficiência alimentar nos mostra até que ponto a dieta das nossas amigas está atendendo suas exigências nutricionais, bem como sua demanda produtiva.

Em termos mais amplos, esse índice nos aponta fatores da dieta, manejo e ambiente que afetam a digestibilidade dos alimentos e os requerimentos de manutenção do animal. Complicado? Não, basta se dar conta de que, para vacas em lactação, se o alimento ingerido não vira leite, ele se transforma em dejetos.

Avaliar a eficiência de conversão dos nutrientes consumidos em produtos comercializáveis pode ser uma ótima ferramenta para saber se você está tendo um retorno satisfatório do dinheiro investido no lanchinho das vacas, e se você pode reduzir o volume de esterco produzido na fazenda, o que em alguns casos pode ser muito interessante.

A eficiência alimentar pode ser definida simplesmente como quantidade de leite produzida (em Kg) por Kg de matéria seca (MS) consumida. Há muito tempo a indústria de carnes (aves, bovinos e suínos) usa esse índice (eficiência de conversão) como parâmetro de lucratividade e, no entanto, não é comum vermos o monitoramento da eficiência alimentar em sistemas de produção de leite. A tabela 1 mostra o impacto da melhora da eficiência alimentar no bolso de dois produtores de leite.
 


Notem que o Rebanho B consegue R$ 0,70 a mais por vaca/dia do que o Rebanho A, tendo melhor eficiência alimentar. Se ambos tiverem 50 vacas em lactação, isso vai significar uma perda de R$ 1.050,00 por mês para o Rebanho A. Muito dinheiro, não é? E como isso acontece?

Um dos princípios básicos da nutrição de vacas leiteiras é maximizar o consumo de MS. Quanto mais as nossas amigas vacas comerem, mais leite nos darão. De maneira geral, essa afirmativa é verdadeira, mas será que isso acontece sempre? Nos últimos meses, temos visto várias publicações focando a eficiência alimentar, e os especialistas têm falado em otimização, e não mais em maximização do consumo de MS.

A recomendação geral é de que o índice de eficiência alimentar média do rebanho deva ficar em torno de 1,5 kg de leite para cada kg de MS consumida, com vacas em início de lactação podendo chegar a 2:1 e vacas em final de lactação podendo chegar a índice baixos, em torno de 1:1. Via de regra, quanto maior a média de produção do rebanho, maior sua eficiência alimentar.

E o que fazer para conseguir aumentar a eficiência de conversão de nutrientes em leite? Há muitos fatores que afetam o desempenho das vacas, e neste artigo vamos destacar aqueles que julgamos mais importantes.

 

Principais fatores que afetam a eficiência alimentar:

  • Mudanças nas exigências de manutenção
  • Digestibilidade da dieta
  • Vacas doentes
  • Dias em lactação



Mudanças nas exigências de manutenção

Qualquer fator que aumente a exigência para manutenção do animal, causa uma redução na proporção de nutrientes destinados à produção. Destes os mais comuns são:

  • Estresse térmico
  • Caminhadas excessivas (Qual a distância entre os pastos e a sala de ordenha? Há muita lama ou pedras pelo caminho? As vacas têm que enfrentar subidas e descidas?)
  • Muito tempo em pé (Falta de um lugar confortável para deitar)

Mesmo que as vacas consigam aumentar o consumo de MS para compensar o aumento nas exigências de manutenção, a eficiência alimentar vai cair, pois uma proporção maior dos nutrientes consumidos vais ser direcionada para a manutenção.

No caso de estresse por calor, tanto a produção de leite como o consumo e a eficiência diminuem. Manter as vacas em ambiente confortável e reduzir a demanda por atividade física extra permite que elas destinem mais nutrientes para produzir aquilo que efetivamente nos interessa, o leite.



Digestibilidade da dieta

Se um alimento é pouco digestível, vai contribuir muito pouco com a produção de leite. E nesse caso, o foco de atenção devem ser os volumosos – frescos ou conservados. Animais alimentados no cocho normalmente sofrem menos com a qualidade da dieta, mas no pasto...

Uma vaca em pastejo pode ser comparada a uma colhedora de forragens, porém com efeitos diferentes dos da máquina. A limitação dessa "máquina" é possuir apenas 8-9 cm de largura (distância média entre os dentes incisivos de uma vaca). Mesmo que a língua seja usada para aumentar a eficiência, a massa de forragem captada por um único bocado é de apenas 0,2 - 1,0 g MS, o que significa que para uma vaca consumir diariamente de 2,5 a 3,0% de seu PV em MS de forragem, são necessários cerca de 20 a 30.000 bocados por dia.

Para tal ela terá que andar, em média, de 3 a 4 km por dia. E esse esforço será minimizado à medida que se aumenta a qualidade da forragem disponível. Ou seja, se a pastagem for ruim, além do efeito direto do baixo valor nutricional da forragem, a vaca terá que andar muito mais para "buscar" nutrientes pasto afora.

Mas não devemos nos esquecer do concentrado. O processamento adequado dos grãos, por exemplo, é fundamental para se obter boa eficiência alimentar. A redução das partículas dos grãos de milho e sorgo é fundamental para torná-los bem digestíveis, porém a moagem muito fina pode causar fermentação muito rápida dos grãos no rúmen e aumentar a taxa de passagem dos nutrientes, o que pode prejudicar a eficiência.



Vacas doentes

Vacas com problemas de casco, retenção de placenta, acidose ruminal, ou qualquer outro problema sanitário, destinarão grande parte dos nutrientes que consumirem para tentar consertar o que está errado, prejudicando a eficiência de conversão de alimento em leite. Ou seja, não descuidem do controle sanitário do rebanho!



Dias em lactação (DEL)

À medida que o estágio de lactação avança, a eficiência alimentar diminui. Isso se deve em grande parte à redução na produção de leite, à medida em que a vaca destina mais nutrientes para a reposição das reservas corporais e crescimento do feto. A eficiência é maior em vacas em início de lactação, até o pico de produção. Dessa forma o produtor deve cuidar muito bem do manejo do rebanho, dando também grande atenção à parte reprodutiva, para evitar períodos de concentração de vacas em final de lactação, o que pode pesar duramente no bolso.

O aumento da eficiência de conversão de nutrientes em leite, mantendo-se boa média de produção no rebanho, pode melhorar o retorno financeiro do dinheiro investido na compra de alimentos e manutenção de pastagens. Esse índice é de grande valia na avaliação do desempenho de um rebanho em relação e uma determinada dieta, práticas de manejo, ambiente, etc., ou se estes fatores precisam ser melhorados.

Referências:

Hall, M. B. - What you feed vs. what you get: feed eficiency as an evaluation tool - 14th Annual Florida Ruminant Nutrition Symposium, 2003.
Gardner, C. E. - If they esta more, do they give more milk? - Hoard´s Dairyman 148(6), p. 608, 2003.

ALEXANDRE M. PEDROSO

Engenheiro Agrônomo, Doutor em Ciência Animal e Pastagens, especialista em nutrição de precisão e manejo de bovinos leiteiros

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint