FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Só nos resta orar

POR CLOVIS GUIMARÃES FILHO

ESPAÇO ABERTO

EM 04/04/2017

3
0
Autor do artigo: 

Clovis Guimarães Filho, M.Sc. em Animal Science, ex-pesquisador da Embrapa Semiárido, consultor em agronegócio da caprino-ovinocultura

Já são seis anos consecutivos de estiagem severa em todo o semiárido e, até agora, não vimos praticamente nenhuma resposta efetiva em termos de apoio ao produtor por parte dos órgãos competentes, tanto federais como estaduais ou municipais. Seminários, simpósios, reuniões, grupos de trabalho, comitês, “missões internacionais” e outros, nestes anos de seca, não foram suficientes para, sequer, fundamentar uma agenda mínima de trabalho. Respostas mais efetivas ao produtor continuam apenas na esfera das emergenciais, como se a estiagem fosse uma surpresa. Ações mais concretas devem ser creditadas apenas ao esforço individual de algumas poucas entidades, infelizmente em um nível ainda muito pontual, quase negligenciável em termos de público beneficiado.

estiagem severa - semiárido

Nos primeiros dois anos de estiagem ainda foi esboçado algumas formas de apoio ao produtor, como crédito especial para estiagem, distribuição de ração, perfuração de poços, entre outros, mas, salvo a renegociação das dívidas, todas sucumbiram pela absoluta incompetência gerencial em fazê-las atingir um número significativo de beneficiários. Hoje, devido à crise, as ações não passam de “remendos”. Em todos esses anos o desperdício de água continuou generalizado, tanto no campo como nas cidades.

O lago de Sobradinho está com água correspondente a apenas 11% de sua capacidade e, terminado março sem chover, as previsões são as mais sombrias possíveis. Carlos Nobre, do INPE, prevê que até o final do ano mais da metade dos maiores reservatórios do semiárido estarão zerados. O Velho Chico agoniza induzido pela inépcia dos órgãos ambientais, praticamente confinados ao litoral, ante a devastação irresponsável de seus principais afluentes. Exemplos disso são os riachos Pontal e Salitre, importantes afluentes em Pernambuco e na Bahia, bem aí às nossas vistas, em seus últimos estertores com o aniquilamento de suas matas ciliares.

Na verdade, as coisas só melhorarão quando começarmos a enxergar as estiagens como fatores normais de produção e não como anormalidades. Tudo isso em uma região de potencial imenso em recursos naturais e humanos para dar um padrão de vida condigno às suas populações. O catingueiro foi muito pouco lembrado nas recentes campanhas eleitorais. Alguns candidatos até tocaram no assunto, mas de uma maneira muito genérica e superficial. Nos debates da TV o tema “campo” não foi nem levado em conta para sorteio e debate entre candidatos. Não foi apresentada qualquer proposta clara e racional de apoio ao ovinocaprinocultor, ator principal da caatinga, nem mesmo um plano estratégico anual de formação de reservas de forragens para os rebanhos, providência elementar e capital de qualquer programa público voltado ao campo.

Infelizmente, a irrigação ainda é uma solução apenas parcial para o nosso semiárido. Apenas pouco mais de 2% da área apresentam condições satisfatórias (água e solos de qualidade no mesmo espaço) para sua adequada utilização. Somente agora, forçados pela crise, é que se começa a falar em reuso de água, prática já utilizada desde o século IV a.C. pelos romanos. O mesmo, com relação à exploração de alternativas não agrícolas no nosso semiárido. O potencial é imenso. As iniciativas são frustrantes. Veja-se o caso do abandono do projeto da Serra da Capivara, no Piauí.

Em Campo Formoso, município sofrido do sertão baiano, hibernam as duas maiores grutas do Brasil. Mais de 20 km de galerias subterrâneas, com lagos e estalactites de 20 m de comprimento, tudo já mapeado e estudado pela USP. Maquiné não chega “nem aos pés”. Até hoje as grutas não contam sequer com uma via de acesso digna desse nome. Devem estar esperando, também, a chegada de alguma montadora ao município.

Ao final das contas o que salta mesmo aos olhos é a nossa lerdeza em olhar um pouco mais para baixo e reconhecer o potencial de águas subterrâneas das bacias sedimentares da região. O recém-falecido engenheiro Manoel Bonfim Ribeiro, antigo diretor do DNOCS (Departamento Nacional de Obras Contra as Secas), reclamava que mais de 40% dos nossos poços tubulares estavam fora de operação por razões diversas, menos por falta de d’água. Ele afirmava que “o semiárido é uma ilha cercada de água doce por todos os lados”.

São estimados 135 bilhões de m³ em reservas subterrâneas. Só a água subterrânea da bacia do Gurguéia é suficiente para abastecer 2/3 da população brasileira. Um bom projeto de adutoras faria o resto. Manoel Bonfim concluía que o que falta mesmo não é água e sim, gestão. Isso nos faz perguntar: não se perfuram poços petrolíferos no pré-sal, à 5-7 mil metros de profundidade para alimentar veículos? Por que não se perfuram poços, a um custo infinitamente mais baixo, na área sedimentar do semiárido, a 300-1.000 metros de profundidade, para alimentar pessoas? Não seria também uma prioridade?

Resultado da imprevidência generalizada: prejuízos calculados pela Confederação Nacional dos Municípios em mais de 100 bilhões de reais, atingindo 33 milhões de pessoas. Agora não adianta mais vir com remendos. Só nos resta orar para que ainda chova abundantemente.

CLOVIS GUIMARÃES FILHO

M.Sc. em Animal Science, ex-pesquisador da Embrapa Semiárido, consultor em agronegócio da caprino-ovinocultura

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOAO ALBERTO DE SOUZA

SOLEDADE - RIO GRANDE DO SUL - MÍDIA ESPECIALIZADA/IMPRENSA

EM 10/04/2017

Se só orar resolvesse, os monastérios e casas de retiro já seriam a porta do céu. Conheço a historia do nordeste e respeito muito este povo, mas é preciso que haja mais contestações, menos coronéis, mais ação, menos procissão. Como o Vale São Joaquin, na Califórnia é viável? Só pelas águas das Rochosas?Não. Pelo povo empreendedor e por um governo sério, com noções de estratégia alimentar, com vontade de ganhar dinheiro.

Se o nosso estimado Nordeste não deixar de ir atrás do "bloco dos coronéis", padecerá pois é assim que estes querem. Se não tiverem vontade própria não chegarão a nenhum lugar.

Nossa Embrapa e o povo nordestino podem mudar este contexto, mas haverá de alguém, como líder, não se jogar à prática do quanto pior melhor e oferecer alternativas. Nesse deserto de lideranças sempre prosperam os que usurpam do suor do povo para causa própria. Vamos botar estes safados todos dançar frevo, baião no ritmo dos agricultores, pessoas de valor. Orar pode ser por agradecer mas não por conquistar. O altíssimo nos dá a força mas a ferramenta é por nossa conta.
VAGNER ALVES GUIMARÃES

VOTUPORANGA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/04/2017

Tudo esta as claras, aos olhos do povo brasileiro com tantas denúncias,perfurar poços de petróleo no pré sal com profundidade até 5000 metros e tendo nas bombas a gasolina mais cara do mundo e o etanol sendo importado dos estados unidos só podemos afirma a predominância de interesses próprios; tem jeito sim, pesquisas mostram a falta de boa vontade com aquela região com abertura de poços artesianos e o reuso da água como já comentado.

Uma realidade para quem toma consciência, uma frustração para quem sobrevive naquela região, ainda é possível.
PAULO CESAR BASTOS

FEIRA DE SANTANA - BAHIA

EM 05/04/2017

Prezado Clóvis Guimarães Filho



Parabéns pelo artigo, texto esclarecedor e oportuno para este momento em que, novamente, a seca atinge o semiárido sertanejo. Fé e esperança não faltam à brava gente do Sertão. Mas, o sertanejo, que é "antes de tudo um forte", precisa ser desenvolvido e prospero.



É impossível combater a seca. O possível é a prevenção, a convivência com o fenômeno cíclico, natural e inevitável da estiagem. Daí é que precisamos, também, tornar perenes as providências legais para as previdências cabíveis.

Assim, vale a pena ler de novo o artigo deste engenheiro e produtor rural na Bahia, a Boa Terra dos Sertões, publicado em 28/07/2009 nesta tribuna do produtor que é o Espaço Aberto do MilkPoint e que continua atual.



Semiárido: providências legais para as previdências cabíveis.



Acessar: https://www.milkpoint.com.br/seu-espaco/espaco-aberto/semiarido-providencias-legais-para-previdencias-cabiveis-55652n.aspx



Saudações sertanejas

Paulo Cesar Bastos