FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Queijo com algas, a fusão da terra e do mar

ESPAÇO ABERTO

EM 28/03/2018

0
2

As informações são do blog Só Queijo, de Débora Pereira, para o Estadão*

Há sete gerações a família Milin cria vacas em Milizac, vila da região da Bretanha, na França. Mas há apenas doze anos Solenn (se pronuncia Selene) e seu marido Damien começaram a fazer queijo de leite cru. "Nos anos 60 e 70, entregar leite para as cooperativas era a opção mais rentável para a nossa economia, mas agora valorizamos muito mais o leite ao transformá-lo na própria fazenda", contou ela. Depois de fazer um curso técnico agrícola, aos 24 anos, Solenn decidiu ressuscitar as receitas de manteiga e queijo da sua avó e mudar o horizonte da fazenda.


Tomme d’Iroise, coalhada com algas frescas. FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager

A Bretanha, banhada pelo Atlântico, é conhecida por ser a região que mais produz leite na França. Mas o forte da produção artesanal sempre foi creme de leite, manteiga, leites fermentados e iogurtes. Nos últimos anos, alguns produtores estão começando a transformar o leite em queijo e inovar nas receitas, já não possuem tradição queijeira.

Tomme d’Iroise 

Solenn e Damien transformam 600 litros por dia, o que representa por enquanto apenas 20% da produção leiteira da fazenda, que também produz gado de corte. Os principais produtos são manteigas, cremes de leite e tommes, esses queijos de massa prensada crua tipo o queijo minas artesanal, naturais ou com algas. “Nosso queijo com algas, batizado de Tomme d’Iroise, é onde a terra e o mar se encontram. As algas vêm da fazenda da ilha de Quéménès", disse Solenn.


FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager

A produtora usa três variedades: Dulse, doce e encorpada, com gosto iodado e um toque de avelã; a alga verde (Ulva lactuca), macia e fina, com um sabor fresco e encorpado; e a Nori, de cor púrpura com tons roxos, com um sabor doce, bem perfumada.

A primeira versão da Tomme d’Iroise foi inspirada no queijo morbier, com três linhas de algas desidratadas. Em 2009, Solenn decidiu usar apenas algas frescas para dar sabor à massa. Elas são misturadas direto na coalhada. "O resultado é melhor", ela admite. Os queijos são feitos nos formatos de 3,5 kg, 1 kg e 500 g.

A produção é comercializada na loja da fazenda (40%), nos mercados em Brest (30%) e o restante em lojas e restaurantes locais. Ela não se interessa em buscar clientes mais distantes que 80 km "Preferimos os circuitos curtos”, defende Solenn.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.