FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Produção de leite: contexto e alternativas de mercado

ESPAÇO ABERTO

EM 07/11/2017

4
1
Autores do artigo: Róger Pase Bresolin e Maurício de Moraes Valter, pós-graduandos em agronegócios pela FAMES (Faculdade Metodista de Santa Maria)

Nos últimos dias, tornou-se destaque o desabafo, por meio de um vídeo nas redes sociais, de um produtor de leite se Santa Cruz do Sul/RS sobre o preço do óleo diesel. No vídeo, ele procura mostrar quanto precisa comercializar para abastecer o seu trator com 57 litros de diesel. No dia em que o vídeo foi publicado, 5 de outubro, o produtor precisava vender 181 litros de leite, ou 41 dúzias de ovos ou 7 sacas de milho.

Segundo publicado pelo Ministério da Agricultura a produção de leite brasileira aumentou 673%, enquanto que a demanda aumentou 240% entre 1974 e 2015. Por si só, essa discrepância entre os dois aumentos explica a tendência de desvalorização de preço para o produtor. A relação entre oferta e demanda é o primeiro fator a ser analisado quando voltamos os olhos para o mercado. No cenário atual brasileiro, com altos índices de desemprego, a demanda ainda não tem previsões de aumentar, pressionando a indústria a reduzir os preços dos produtos finais, e, portanto, diminuindo o preço pago ao produtor.

O gráfico de produção, de 1961 até 2015, apresentou crescimento durante quase todo o período, enquanto o gráfico de consumo demostrou um comportamento bem cíclico, intercalando períodos de aumento com redução. O deslocamento para produtos substitutos em função da mudança de gostos e preferências pode explicar a diminuição do consumo da bebida, percebida a partir de 2014. O leite de soja, por exemplo, é um substituto para o leite bovino, o que o tornou um concorrente direto. Com cada vez mais competitividade no mercado, o simples fato de se produzir e entregar para a indústria já não mais garante sustentabilidade para a propriedade rural.

Hoje a tendência de qualquer setor da economia mundial é a redução de custos, e os agronegócios estão seguindo para esse caminho. No cenário econômico atual brasileiro, o governo tem cada vez menos capacidade de atuar de forma direta no mercado, garantindo preços mínimos, ficando mais com o papel fomentador da agricultura, subsidiando financiamentos de safras. Levando em consideração esses cenários, o produtor tem que buscar dentro da sua propriedade meios de reduzir seus custos fixos, aumentando a sua margem de lucratividade.

No caso desse produtor apresentado no texto, ele fala do impacto do preço do diesel na sua propriedade. Prestando uma mini consultoria, sem conhecer mais profundamente a realidade dele, podemos propor algumas possibilidades.

Primeiro, o produtor poderia buscar parcerias com vizinhos, por exemplo, realizando compras coletivas de diesel, aumentando o poder de barganha e podendo conseguir um preço mais baixo por litro com o fornecedor, ou diretamente com um distribuidor/refinaria. Essas compras coletivas não se limitariam apenas ao diesel e também outros insumos poderiam ser adquiridos da mesma maneira.

Em uma alternativa mais complexa, o produtor poderia organizar uma associação ou cooperativa entre agricultores vizinhos. O recolhimento de leite poderia ser centralizado, podendo obter uma maior força com a indústria. Essa associação poderia gerar um tambo coletivo, onde os produtores centralizariam o seu manejo retirando o leite em um local adequado. Até mesmo uma agroindústria poderia surgir, onde os próprios produtores poderiam comercializar os derivados de leite, diminuindo a influência das variações de mercado na sua lucratividade. Dessa maneira deixariam de ser produtores de insumos, para entregar produtos processados diretamente para o consumidor final.

O Brasil é reconhecido internacionalmente pela exportação de seus produtos agrícolas, mas a cadeia leiteira é pouco relevante nesse quesito. Nesse fator, dependemos de políticas públicas que incentivem a exportação de leite. Acordos internacionais se fazem necessários nesse caso, tanto para certificar as indústrias, como também os produtores às exigências dos mercados internacionais. Apesar de ser o 4º maior produtor de leite do mundo (referência), somente a partir de 2002 que as exportações tomaram algum destaque no Brasil. Existe muito espaço para ações governamentais que façam a produção leiteira brasileira atingir o mundo. Essa seria uma maneira de estimular o mercado a remunerar melhor o produtor pela redução da oferta.

A prioridade do produtor é se manter sustentável, reduzindo os seus custos de produção e buscando alternativas de comercialização da sua produção. Os cenários nem sempre estarão desfavoráveis, mas também nem sempre ruins, para se diferenciar no mercado é preciso buscar alternativas principalmente em momentos de crise. Frisa-se principalmente a cooperação entre os próprios agricultores, pois se a base de insumos é a mesma, por que não unir forças para adquiri-los? Por que não utilizar uma mesma infraestrutura? Por que não comercializar conjuntamente? As oportunidades estão aí, basta enxergá-las.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RÓGER PASE BRESOLIN

EM 09/11/2017

Caro Darlani de Souza Porcaro concordamos com o seu posicionamento. Tentamos propor alternativas que pudessem amenizar os impactos desses insumos como o Diesel, mas o preço deles é absurdo.
RÓGER PASE BRESOLIN

EM 09/11/2017

Caro Roney Jose da Veiga, cada sugestão apresentada foi levantada em exemplos que já existem na prática.
DARLANI PORCARO

MURIAÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/11/2017

O govêrno brasileiro precisa enxergar melhor , não só o produtor de leite , mas sim , todos os pequenos sitiantes e até médios produtores  rurais de alimentos em geral, que se mantém com sua pequena produção , pagando os seus impostos ,  a  sua família , vendendo seus produtos , gerando empregos  e alimentando grande parte da população.Então é uma vergonha , esse prêço do dieesel  , energia elétrica e outros combustíveis, em relação à  gazolina por exemplo
RONEY JOSE DA VEIGA

HONÓRIO SERPA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 07/11/2017

Te vendo as vacas parceiro...venha por isso em prática!!