FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O comércio de lácteos na Era Trump

ESPAÇO ABERTO

EM 09/02/2017

0
0
*Texto de Jim Mulhern, presidente e CEO da NMPF, traduzido pela Equipe MilkPoint.

Em sua primeira segunda-feira na Casa Branca, o presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva oficialmente abandonando a Parceria Transpacífico (TPP). Esta ação levantou muitas perguntas sobre o futuro da política comercial na nova administração. Isso certamente sinaliza que a abordagem americana com relação à política comercial global será submetida a um sério reexame, e enfrentará uma avaliação mais crítica do que em qualquer ponto nas últimas cinco décadas.

Donald Trump - mercado lácteo

Tanto na campanha como durante seu discurso inaugural, o presidente Trump deixou claro que a política comercial é uma prioridade absoluta, e que ele pretende analisar acordos comerciais com uma perspectiva diferente da de seus antecessores. Para o setor de lácteos dos Estados Unidos, o desafio e a oportunidade para o futuro lembrarão aos políticos que o comércio – e a capacidade de exportar nossos produtos - é absolutamente essencial para o futuro de nossas fazendas, bem como nossas cooperativas e proprietários de processadoras.

Não foi há muito tempo que a nossa indústria manteve uma mentalidade "Fortaleza América" que alguns na indústria de lácteos de hoje ainda podem se lembrar. Durante meu primeiro período na Federação Nacional de Produtores de Leite (NMPF), em meados da década de 1980, o setor de lácteos doméstico tinha essa mesma mentalidade - uma que é muito diferente de onde estamos hoje. Exportávamos muito pouco e empregávamos cotas de importação para minimizar a concorrência do resto do mundo. Na maior parte dos casos, outros países com setores lácteos adotaram a mesma abordagem.

O efeito catalisador desde a década de 1990 da aprovação do NAFTA e de outros acordos comerciais regionais, o estabelecimento da Organização Mundial do Comércio (OMC), a formação do Conselho de Exportação de Leite dos Estados Unidos e o avanço das iniciativas de política comercial da NMPF, se tornaram parte integral e indispensável do comércio global de produtos lácteos. O valor de todo o leite produzido em um dia nos Estados Unidos a cada semana é exportado, e por causa da incrível capacidade produtiva de nossa indústria, precisamos de mais - e não menos - oportunidades para aumentar essa proporção ainda mais.

O setor de lácteos dos EUA tem sido um claro vencedor do comércio global, uma vez que políticas melhoradas e um foco no marketing de exportação abriu novas portas para os produtos lácteos "Made in America". O mesmo pode ser dito para muitos outros produtos agrícolas dos EUA - de grãos e oleaginosas à carne bovina e suína.

Como observei em uma carta enviada ao novo presidente após as eleições de novembro, nossas exportações de lácteos valem mais de US$ 5 bilhões anuais, gerando 120 mil empregos na produção de leite, no processamento e nos setores relacionados. Qualquer interrupção nas exportações de produtos lácteos teria um efeito devastador sobre nossas fazendas e para os trabalhadores no processamento, transporte e inúmeros outros setores cujos empregos são apoiados por essas exportações. As relações econômicas valiosas que temos com países como México, Japão, Coreia do Sul e China, quando se trata de nossas exportações de lácteos devem ser preservadas e melhoradas. Vimos o que aconteceu com nossos preços domésticos do leite em 2009, e novamente em 2015, quando os EUA perderam participação de mercado no comércio global de lácteos.

Para os produtos lácteos e grande parte da agricultura, grande parte das nossas futuras oportunidades de crescimento reside fora das nossas fronteiras. Precisaremos da combinação certa de desenvolvimento de mercado, taxas de câmbio favoráveis e negociação de novos acordos - bem como da aplicação estrita dos já existentes - para continuar impulsionando a saúde econômica do setor de lácteos.

No mês passado, a NMPF e o Conselho de Exportação de Leite dos Estados Unidos (USDEC) pediram ao Presidente Trump que promovesse novos acordos comerciais viáveis com os países da costa do Pacífico e enfatizaram a importância crítica de proteger nosso comércio com o México, uma das relações agrícolas mais benéficas. Para a indústria de lácteos dos EUA, o México representa o mercado número um, totalizando US$ 1,2 bilhão em 2016. Qualquer política ou ação que interrompa nosso comércio com o México causaria danos graves e imediatos aos produtores e processadores de leite dos EUA.

Embora o México tenha sido um parceiro comercial incrivelmente valioso para a indústria de lácteos, o Canadá, por forte contraste, tem trabalhado habitualmente para reduzir o comércio de lácteos. Continuamos a testemunhar um retrocesso do Canadá no seu já acordado acesso ao mercado para os produtos dos EUA. A nova estratégia nacional de ingredientes do Canadá visa cortar a importação de proteínas do leite dos Estados Unidos e criar um novo mecanismo para despejar proteínas de leite no mercado mundial. Este é precisamente o tipo de comportamento protecionista e anticompetitivo em que a nova administração deve focar.

Assim, à medida que uma nova análise do NAFTA for iniciada, nosso setor trabalhará em estreita colaboração com a Administração e o Congresso para demonstrar a importância do México para a América rural e, ao mesmo tempo, avaliar como melhorar o NAFTA renegociando provisões comerciais com o Canadá.

O foco da NMPF neste ano em expandir as oportunidades de exportação de produtos lácteos será em conjunto com nossa organização parceira de longa data em questões comerciais, o USDEC - e seu novo presidente e CEO, o ex-secretário de Agricultura, Tom Vilsack. A familiaridade de Vilsack com nossos parceiros comerciais fornece a ele uma sólida base para avançar o trabalho do USDEC, que complementa o ponto de vista da NMPF em termos de política comercial.

Nós também esperamos ter um porta-voz para o comércio rural por meio do novo Secretário de Agricultura nomeado, Sonny Perdue, que como Governador da Geórgia durante oito anos foi ativo na construção de novos mercados para produtos agrícolas, a indústria número um do seu estado. Além disso, estamos ansiosos para trabalhar em estreita colaboração com o novo representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, que liderará novas negociações de política comercial e tem ampla experiência em lidar com questões comerciais complexas.

Claramente, o que é necessário não só para a indústria de lácteos dos EUA, mas também para toda a agricultura dos EUA, é uma abordagem pragmática da política comercial: uma abordagem que trabalha para corrigir os problemas que precisam ser corrigidos, preservando e aperfeiçoando oportunidades que já estão funcionando. Estamos ansiosos para trabalhar com a nova administração para colocar essa abordagem em ação.
 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.