FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Novo protecionismo dos EUA pode criar oportunidades para o Brasil

POR MARCOS SAWAYA JANK

ESPAÇO ABERTO

EM 06/03/2017

1
0
Por Marcos Sawaya Jank, especialista em questões globais do agronegócio, para a Folha de São Paulo (edição de 04/03/17).

O Escritório do Representante Comercial dos EUA —o USTr— publicou a "Agenda de Política Comercial" do presidente Trump para 2017. O teor do texto indica que os americanos podem retomar as práticas do período que antecedeu a globalização dos anos 1990, que o famoso economista Jagdish Bhagwati denominou de "unilateralismo agressivo". Grosso modo, os EUA decidiam, de forma soberana e não recíproca, quais países estariam praticando "comércio desleal" e exigiam compensações sob a ameaça de sanções unilaterais.

O presidente Donald Trump mostra decreto em que retira os EUA da TPP
O presidente Donald Trump mostra decreto em que retira os EUA da TPP

O paralelismo com o momento atual é inevitável. Nos anos 1970 e 1980, o motivo da proteção americana era a concorrência alegadamente desleal do Japão e dos tigres asiáticos. Hoje são a China, o México e a Parceria Transpacífico (TPP). Embora potencialmente prejudicial para a economia global, o novo protecionismo americano pode criar oportunidades para o Brasil. Mas, para capturar seus benefícios, temos de nos mexer - e rápido!

Já perdemos a chance de criar a Alca, nosso primeiro "mega-acordo", e atrasamos, de forma exagerada, as negociações com os europeus. De 2008 para cá, ficamos órfãos da Rodada Doha e deixamos de participar de vários acordos plurilaterais que se cristalizaram desde então, a maioria sob a liderança dos EUA e da UE.

Com a nova posição americana e o "brexit", abre-se um vácuo de poder e liderança no mundo. A pergunta é: vamos apenas observar ou assumiremos um papel protagônico?

Os países que cercam o Pacífico parecem desnorteados, mas não ficarão paralisados. Um exemplo é a primeira reunião ministerial da TPP após o desligamento dos EUA, em Viña del Mar, Chile, nos dias 14 e 15.

China e Coreia do Sul irão como observadores. Por isso, Brasil e Argentina não podem perder essa oportunidade para entender como ficará a TPP e se posicionar. O México, que poderia tomar as rédeas desse processo, encontra-se paralisado pela "renegociação" do Nafta. O fato é que, ao contrário do que parece ocorrer nos EUA e na UE, a Ásia e as economias mais dinâmicas da América Latina continuam querendo se integrar cada vez mais.

Além dos 12 países da TPP que vão se reunir no Chile, há a integração potencial dos 21 países da Apec (Cooperação Econômica Ásia-Pacífico) e dos 16 do RCEP, megabloco asiático oficialmente liderado pela Asean (10 países do Sudeste Asiático), porém extraoficialmente pela China. Ou seja, não faltam tabuleiros para o Brasil jogar nessa região, que abriga 60% da população do planeta.

Nesse contexto, o governo brasileiro deveria participar ativamente da reunião da TPP no Chile, entender a nova dinâmica do comércio global e avançar o mais rápido possível na estratégia de novos acordos.

A Ásia é vista como a grande janela de oportunidade de integração para o agronegócio, respondendo por quase metade das exportações do setor. Barreiras comerciais e burocráticas impedem o crescimento, a diversificação e a adição de valor das nossas exportações agroindustriais para aquele continente.

Já a indústria vê oportunidades mais imediatas na Europa como um todo, EUA, Canadá e Aliança do Pacífico (México, Colômbia, Peru e Chile). Contudo, é importante o setor industrial olhar a Ásia mais como fonte de ganhos do que de perdas comerciais.

Japão e Índia são dois exemplos e há oportunidades comerciais e de atração de investimento pouco exploradas nos demais membros da TPP — Austrália, Cingapura, Nova Zelândia, Malásia e Vietnã.

A agricultura é parte fundamental e dinâmica da indústria brasileira. O interesse de ampliar o comércio e os investimentos é convergente, assim como o pleito para que o país aproveite o vácuo de liderança nas políticas comerciais e assuma presença e protagonismo em todas as frentes possíveis de negociação.

Como diz a expressão latina, "tempus fugit". A hora é de ação. 

"Se você aproveitou o conteúdo do MilkPoint durante o ano de 2016, saiba que nossa equipe o preparou com toda a dedicação para você! Vote em nós para o Troféu Agroleite: nos dê esse presente! Clique aqui para votar no MilkPoint como melhor mídia digital"

 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

HERMENEGILDO DE ASSIS VILLAÇA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 08/03/2017

Para isto  é necessário  qualid\de do produto  e sanidade dos rebanhos (reb. livres),





não esqecendo da PASREIRIZAÇÃO.