FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Não adianta vender 'o Brasil', precisamos vender 'do Brasil'

ESPAÇO ABERTO

EM 19/09/2019

3
2

Por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)


A agricultura no mundo representa apenas 3% do total do Produto Interno Bruto (PIB) de todas as nações. Porém, significa mais de 30% de todos os empregos. 

Em muitos países africanos, como o Quênia, quase 58% dos empregos são no setor da agricultura; países asiáticos, como Índia, 44%. No Brasil, cerca de 10% dos empregos são no agro, e nos países mais avançados o percentual pode ficar abaixo de 4%. 

Dessa forma, o que vamos assistir nos próximos dez anos no Brasil será cada vez mais tecnologias, mecanização de agricultura de precisão e a transformação de uma mão de obra de ‘mão na massa’ por cérebro nos robôs. 

Por isso, é fundamental para o planejamento brasileiro da economia passarmos a compreender imediatamente o significado do conceito de agribusiness.

O campo continuará sendo fundamental, pois ali ocorre a originação. Porém, os empregos, o empreendedorismo, o cooperativismo, o comércio e os serviços serão crescentes em tudo o que ocorre antes das safras e da criação dos animais terem início. Ciência e tecnologia, e continua na agregação de valor agroindustrial, comercial, terceirização de serviços, sistemas financeiros e seguros. 

Inclusive iremos assistir empresas especializadas em produzir e administrar propriedades rurais para investidores ou herdeiros que possuam terras, mas que não desejam gerenciar.

Dessa forma, se a agricultura significa 3% do PIB global e gera 30% dos empregos globais, o agronegócio como um todo significa 20% do PIB do mundo, e continuará absorvendo empregos, mantendo cerca de 35% de empregados no sistema direto das cadeias produtivas, e impactando outros 35% ao seu redor.

Só para exemplificar, a grande indústria do turismo mundial significa uma enorme conta para o agronegócio por meio de suas gastronomias, bebidas, especialidades e especiarias, pois além de visitar museus e observar belas vistas da natureza, o que mais se faz numa viagem turística é comer e beber.

A economia passará a determinar o sucesso dos governos, não importa mais se de esquerda, centro ou direita. Dessa forma, chegamos a uma nova supersafra no Brasil de 240 milhões de toneladas de grãos, mas já produzimos mais de um bilhão de toneladas quando somamos diversos itens.

Para a economia crescer, não bastará a produção agropecuária sozinha, precisaremos de uma política agroindustrial, comercial e de agressividade para conquistas de mercados internacionais em todas as cadeias produtivas. 

Hora de um plano estratégico nacional do brasileiro. Sem isso, não adianta vender o Brasil… precisamos vender do Brasil.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

WESLEY DA SILVA ODA

BARUERI - SÃO PAULO - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 03/10/2019

Tenho clientes no Japão á procura de WPC e WPI 90 % para formulação infantil GUM (grow up milk)
Falar com Wesley Oda
+55 11 9 9351 8222
PAULO VITTORAZZE

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - ESTUDANTE

EM 20/09/2019

Desejo dizer que não é só essas medidas que precisam ser implantados no País. Por exemplo, esse negócio de produtores rurais, políticos, funcionários dos órgãos de agricultura e pecuária ficarem se vangloriando da produção e exportação de grãos do País, os únicos beneficiados são estes mesmos, o coitado do trabalhador rural continua todo ano do mesmo jeito, o mesmo salário de fome. Então, este negócio de falar que aumentou as exportações do País e que o País ganhou mais dinheiro, é tudo balela e história para boi dormir. O coitado do trabalhador rural não se beneficia em nada disto.
PAULO VITTORAZZE

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - ESTUDANTE

EM 19/09/2019

Quando os entendidos do assunto "Exportação", tais como comentaristas, pesquisadores, e governos estaduais e federais, fazem comentários sobre o aumento da produção agrícola e das exportações de produtos agrícolas, eles tem a mania de falar que o BRASIL aumentou e faturou mais. Mas isto é tudo balela, e conversa para boi dormir. Os únicos beneficiados são os produtores rurais, os bancos e os Estados que cobram os impostos. O coitado do trabalhador rural não ganha nada com isto, o salário de fome deles continua a mesma coisa.