FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Lições da paralisação dos caminhoneiros

ESPAÇO ABERTO

EM 05/06/2018

1
3

*Por Wiliam Tabchoury, Engenheiro Agrônomo, formado pela ESALQ/USP, Piracicaba, SP, 30/05/2018.

O PIB (Produto Interno Bruto) é a somatória de toda a riqueza produzida no País. Ele é calculado pela soma do Consumo das Famílias, Consumo do Governo, Investimento e Exportações, menos as Importações. Em 2017, o PIB brasileiro foi de R$ 6,6 trilhões, o equivalente a R$ 18,1 bilhões diários, sendo 63% Consumo das Famílias, 20% Consumo do Governo, 16% Investimentos e 1% o Saldo da Balança Comercial (Exportações – Importações), segundo o IBGE.

Desta forma, a principal mola propulsora da economia nacional é o Consumo das Famílias, que patina ou anda de lado, com a falta de renda e desemprego recorde, batendo à casa dos 13,4 milhões de trabalhadores. O consumo das famílias movimentou algo ao redor de R$ 11,4 bilhões/dia, composto basicamente por gêneros essenciais (moradia, alimentação, transporte, saúde, vestuário e educação). A paralisação dos caminhoneiros teve dois efeitos instantâneos: queda no consumo das famílias e nas exportações. Em 10 dias de paralisação, somente a retração de consumo das famílias pode ter chegado a R$ 57 bilhões (considerando uma queda de 50%).

Depois de dois anos de retração, o PIB brasileiro cresceu 1% no ano passado (cerca de R$ 65 bilhões). Portanto, somente a queda no consumo das famílias, em apenas 10 dias, levou praticamente 85% do crescimento da economia nacional no ano todo de 2017. Outro ponto importante a ser destacado, que se tornou o centro das atenções, foi a importância da Petrobras na economia nacional. Vale ressaltar que ela é uma empresa de capital misto (Sociedade Anônima), com 36% de capital privado (ações em bolsas no Brasil e em várias partes do mundo) e 64% estatal.

Antes da crise, o seu valor de mercado era de R$ 370 bilhões (5,6% do PIB de 2017). Em oito dias de paralisação, ela perdeu R$ 128 bilhões (34% de valor), vindo para R$ 242 bilhões, saindo da primeira para a quarta posição das empresas nacionais. Este novo valor equivale a 21 dias de consumo das famílias. Portanto, já temos um saldo inicial de prejuízos da ordem de R$ 185 bilhões (queda no consumo das famílias e redução do valor da Petrobras).

Este valor supera o montante investigado por toda a Operação Lava Jato, sem entrar no mérito se a causa foi corrupção, incompetência, má fé ou outra desconhecida. Portanto, pode-se tirar três grandes lições desta paralisação: 1) toda e qualquer ação que leve à queda no consumo das famílias é um enorme tiro no pé; 2) os efeitos negativos recaem, primeiro, sobre a população, em seguida, no setor produtivo e, por último, nos investidores; 3) deve-se ter cuidado em apoiar uma causa aparentemente nobre e justa, sem mensurar os seus reais efeitos, a curto, médio e longo prazo.

Que estas lições sirvam a todos (manifestantes, mídia, poder púbico e população em geral) para que, em toda e qualquer situação de crise (uma greve ou paralisação, por exemplo), que prevaleça o bom senso, à defesa do interesse comum e, principalmente, o ganha-a-ganha para a toda a sociedade brasileira.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DIVANIR RUBENICH

CARLOS BARBOSA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/06/2018

Dados importantes para entender a economia nacional.
As lições ou consequências da paralisação agora são sentidas de imediato, por exemplo, por aqui a Cooperativa vinha dando reajustes no preço do leite pago ao produtor mensalmente (últimos três meses) e agora , mês de maio, zero centavos de reajuste.