FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

SE: lei para queijo artesanal protege tradição e garante inovação

ESPAÇO ABERTO

EM 02/05/2019

0
2

O queijo coalho, um dos mais tradicionais do Nordeste, é de longe o mais popular em Sergipe. Mas ele não está sozinho. Prevendo a tendência de produzir queijos especiais em pequena escala, alguns produtores se reuniram e solicitaram a preparação de uma nova lei para o queijo artesanal. Ela foi aprovada na Assembleia Legislativa no dia 17 de abril e sancionada nesta última segunda-feira (29) pelo governador Belivaldo Chagas (PSD).


Queijo coalho da Fazenda Aroeira. Foto: Ednilson Vieira/Acervo Pessoal

“Em outubro de 2018, junto a alguns produtores, nós procuramos técnicos da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário (Emdagro), do Sebrae, da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e do Instituto Federal de Sergipe (IFS) para discutir a legislação antiga, que só considerava ‘artesanal’ o coalho”, explica Arivaldo Barreto, advogado e produtor que faz queijo exclusivamente de leite cru.

Arivaldo redigiu uma proposta de legislação que foi em seguida reformulada com base nas sugestões dos participantes em duas audiências públicas. “Fizemos a várias mãos, partindo de outras legislações como a de Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Norte e Goiás (essa foi a última a ser aprovada) para ajudar na discussão”, conta ele.


Arivaldo Barreto, produtor e redator da proposta da nova legislação. Foto: Ednilson Vieira/Acervo Pessoal

O resultado é que os queijos tradicionais estão agora mais protegidosPor exemplo, queijo coalho para ser chamado de artesanal só pode ser feito de leite cru, coagulante, sal e fermentos naturais.

Por outro lado, a lei é bem “guarda-chuva”. Amplia o uso do termo “artesanal”para inovações queijeiras gourmets – mais na moda atualmente no Brasil. Nesse caso, o uso de tratamento térmico e pasteurização são permitidos. “Mas não é permitida a utilização de nenhum aditivo industrial, nem conservante e antifúngicos, como natamicina”, detalha Arivaldo.


Nos queijos com temperos, o desafio do artesanal é não usar conservante. Foto: Ednilson Vieira/Acervo Pessoal

Uma das particularidades da nova lei é o limite de produção diária, que em alguns estados é de 2.000 litros de leite por dia. Em Sergipe, ficou decidido 2.000 litros por turno, ou seja, se o produtor transformar de manhã, tarde, noite e madrugada pode chegar a 8.000 litros por dia!

Foram feitas duas audiências públicas, uma delas na bacia leiteira de Nossa Senhora da Glória, onde a produção é mais forte no estado.


Queijo com carne-seca, tomate e pimenta. Foto: Ednilson Vieira/Acervo Pessoal

Madeira liberada para cura

“Uma das nossas vitórias foi conseguir a liberação de tábuas de madeira para cura de queijo“, comemora Ari. Ele justificou a sanidade da madeira apresentando o artigo da pesquisadora Célia Ferreira, da Universidade Federal de Viçosa (UFV), que comprova os benefícios da sua utilização para o queijo. (Veja artigo em PDF no fim do texto*)


Queijo de cabra do produtor Portela, comercializado pela Senhor Corte, casa especializada em carnes. Foto: Ednilson Vieira/Acervo Pessoal

Esperando a formalização

No momento, 52 queijarias sergipanas estão com o projeto de implantação aprovados e já funcionam informalmente enquanto esperam sua certificação sanitária estadual – agora possível pois a lei foi sancionada. “Nossa esperança é que essa lei seja reconhecida pelo Selo Arte, federal, o que vai permitir a venda em todo Brasil”, diz Arivaldo.


Queijo Serra do Mocambo, da Fazenda Aroeira, em Poço Verde. Foto: Ednilson Vieira/Acervo Pessoal

Sergipe não tem tradição de Serviço de Inspeção Municipal nas cidades, o que torna mais importante a lei estadual como ferramenta de inclusão dos produtores clandestinos. “A grande maioria das prefeituras nem tem veterinário”, diz ele. A produção de leite estadual é de 750.000 litros por dia, sendo que um terço é processado em queijarias artesanais.

Ao contrário de outros estados do Nordeste, como a Paraíba, a produção de leite de cabra ainda é bem pequena, concentrada no alto sertão. “A produção estadual é basicamente o queijo coalho de leite de vaca. As queijarias que estamos chamando de inovadoras são justamente as que saem dessa receita. Mas essa nova gama é principalmente de queijos de massa prensada, com temperos, com carne-seca ou em fases diferenciadas de cura”, conta Arivaldo.

Foi o deputado estadual Zezinho Sobral (Pode) quem apresentou o projeto na câmara.

Defensores do leite cru

Arivaldo e sua esposa Daniela são motivadores dessa inovação. “Dia 21 de abril fizemos a festa do Dia Internacional do Leite Cru para 70 pessoas”, conta ele. Eles realizam cursos de fabricação para produtores na Fazenda Aroeira. O próximo é de 3 a 5 de maio.


Dia do Queijo de Leite Cru na Fazenda Aroeira, em Poço Verde. FOTO: Ednilson Vieira/Acervo Pessoal
 


Arivaldo e o governador Belivaldo Chagas. Foto: Arivaldo Barreto/Acervo Pessoal

*Confira a íntegra do artigo “Implicações da madeira na identidade e segurança dos queijos artesanais” em PDF.

As informações são do blog Só Queijo, de Débora Pereira, para o Paladar, do Estadão.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.