ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Geopolítica, países e empresas

POR MARCOS SAWAYA JANK

ESPAÇO ABERTO

EM 06/04/2016

2 MIN DE LEITURA

2
0
*Marcos Sawaya Jank, especialista em questões globais do agronegócio, para o jornal Folha de São Paulo. Caderno Mercado 02/04/2016

Não é só o Brasil que vive momentos de grande tensão, com a política influenciando fortemente a economia e gerando incerteza, paralisia e volatilidade. Apesar da percepção de que vivemos hoje em um mundo plano e interconectado, acessível a um toque no celular, as políticas e diferenças institucionais continuam exercendo papel central na organização dos negócios e na geração de expectativas.

Geopolítica nada mais é do que a influência da geografia sobre os processos políticos, os quais impactam a economia e os negócios. Refiro-me aqui não apenas à geografia física, mas também às geografias humana, econômica, social etc. Apesar da globalização, a geopolítica continua hoje tão ou mais ativa do que no passado. Exemplos de questões geopolíticas de grande impacto na atualidade são os atentados de Paris e Bruxelas e a corrente migratória em direção à Europa, o conflito Rússia-Ucrânia, as disputas no entorno da China (mar do Sul da China, Coreias, Japão, Taiwan), o risco Trump nos EUA e tantos outros.

Pesquisa recente da McKinsey com grandes executivos do mundo corporativo mostra que a instabilidade geopolítica aparece em primeiro lugar entre os cinco maiores riscos que afetam o crescimento econômico. Riscos políticos e regulatórios impactam fortemente os negócios, principalmente quando as empresas operam em diferentes ambientes institucionais.

Tenho notado que empresas gastam muito tempo e energia tentando organizar seu ambiente e cultura interna, montando times que possam funcionar como orquestras bem afinadas. Mas, no geral, gastam pouco tempo tentando entender e atuar nas desarmonias externas.

Além do ambiente interno, que costuma ser a grande prioridade, as empresas normalmente conhecem bem as cadeias produtivas, mercados e setores em que atuam. Mas têm grande dificuldade para lidar com o ambiente externo, que em geral não funciona tão bem quanto o interno. Além disso, raras são as empresas que entendem o que está acontecendo em outras geografias do planeta, marcadas por políticas e ambientes institucionais completamente diversos daquele com o qual estão acostumadas. Muda a função objetivo da empresa, muda a atuação dos governos, muda a forma como as pessoas se relacionam, muda a velocidade da negociação e da tomada de decisão, mudam os valores e as culturas.

Por exemplo, quem sempre trabalhou em empresas tem dificuldade para entender a velocidade e o funcionamento dos governos, e vice-versa. Quando entram em cena diferentes geografias, culturas e ambientes institucionais, fica ainda mais difícil. E, quando a geopolítica influencia essa equação toda criando os seus caminhos e preferências, aí, sim, a coisa se complica de vez!

Por mais que a empresa esteja capacitada e afinada, as variáveis externas podem criar ou destruir muito valor no processo. A crise aguda que o Brasil vive neste momento tem gerado desanimo e paralisia. Mas, como todo momento de crise é também um momento de oportunidade, deveríamos nos lembrar de que até aqui a nossa geografia mais ajuda do que atrapalha.

Nossas fronteiras são estáveis e bem definidas, não temos conflitos com nossos vizinhos, ocupamos o 5º lugar em área e população, falando apenas um idioma e sem grandes diferenças étnicas e religiosas.

Além disso, a combinação da ampla disponibilidade de recursos naturais com clima adequado, tecnologia e gente capacitada nos dá a oportunidade de trazer soluções concretas para questões que estarão na base dos problemas geopolíticos da humanidade nas próximas décadas.


 

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANDRÉ GONÇALVES ANDRADE

ROLIM DE MOURA - RONDÔNIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/04/2016

Parabéns!

Muito claro o artigo.
ALEX MOREIRA

NOVA INDEPENDÊNCIA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 06/04/2016

Brilhante!!!!! É disso que nos precisamos.
MilkPoint AgriPoint