FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Diário de viagem pela França queijeira

ESPAÇO ABERTO

EM 30/04/2018

1
2

As informações são do blog Só Queijo, de Débora Pereira, para o Estadão*

A revista onde trabalho na França, Profession Fromager, me enviou em uma semana de reportagem pela França, guiada pelo jornalista Arnaud Sperat Czar. Unindo o útil ao agradável, levei comigo Flavia Soni Rogoski, da loja Bon Vivant, em Curitiba (PR), e Aline Biazous, do Armazém Nona Joana, em Passo Fundo (RS). Elas vieram à França especialmente para fazer a formação intensiva em Venda de Queijos na Mons Formation, escola francesa especializada em cursos para estrangeiros.

Nós saímos de Lille e, depois de visitar boutiques em Paris, seguimos para conhecer o Bleu de Queyras, queijo azul do departamento de Altos Alpes. Em seguida, seguimos para participar como juradas de um concurso regional na região de Provence e Côte d’Azur. De lá partimos para conhecer queijos raros da região de Savoie, como o Grataron d’Arêches e o Persillé des Aravis. No caminho para o centro de formação Mons, visitamos ainda boutiques de queijo em Chambery e Annecy.


FOTO: Google Maps.

Menor que Minas Gerais, fomos do norte ao sul da França em seis dias e no final pousamos 4 dias para formação intensiva em vendas de queijo: 2.037 km! Nossa primeira parada, dia 18 de novembro, foi o Parque Natural Regional de Queyras, onde três produtores solicitaram a denominação de origem controlada para seu queijo azul feito nas alturas, a mais de 2.000 m de altitude.


Bleu de Queyras é de leite cru de vaca e tem um sabor bem mais suave que o Roquefort. FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager.

No segundo dia fomos juradas do concurso regional de Brignoles, uma região de muitas pequenas fazendas de cabra e ovelha, conhecida por fabricarem queijos muito frescos.


Aline aprendeu a gostar de queijo de cabra depois de provar 26 queijos aromatizados. FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager.

Na procura de queijos mais desconhecidos, que ainda não têm origem protegida, seguimos para o vale de Beaufort.


Grataron d’Arêches é um queijo de cabra prensado não cozido de 5 a 7 cm de altura e diâmetro de 7 cm, feito em Savoie. Seu sabor é cremoso e a textura firme, casca natural. FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager.

Em seguida fomos para Manigod visitar um produtor do Persillé des Aravis, em Savoie. É um queijo azul de leite cru de cabra, de 12 a 15 cm de altura e 8 a 10 cm de diâmetro.


Sua massa é quebradiça, e a casca dura e grossa é cinza escura, de mofos mistos naturais. A receita junta os grãos esmigalhados e salgados de duas coalhadas dessoradas, da ordenha de manhã e tarde, como o cheddar. Depois a massa é reaquecida a 40°C e enformada.

Descendo os Alpes em direção à fronteira com a região de Rhône-Alpes e Auvergne, passamos em duas boutiques de queijo tradicionais em Annecy e Chambéry.


Na Boutique La Fromagerie, em Chambéry, as estrelas são os queijos locais, como esse queijo azul de leite de vaca bem suave. FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager.

Na chegada para o curso de Vendas de Queijo na Mons Formation, onde eu faço as traduções para o português, a primeira tarefa (difícil) foi degustar uma tábua com seis famílias de queijo.


Os queijos foram analisados em relação a aparência (casca e massa), textura na boca, gosto e aromas. FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager.

Depois de 4 horas de aulas teóricas sobre organização de vitrines de queijos artesanais, o prêmio das duas estagiárias foi visitar as caves modernas da Maison Mons no final do dia.


Das noves caves modernas da Maison Mons, cada uma tem odores diferentes: cheiro de terra molhada, cogumelos, odores caramelados, amônia… uma infinidade de sensações“, disse Flávia. FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager.


O professor Laurent Mons mostra para Aline a evolução do mucor em casca natural de queijos de cabra. FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager.

É incrível como os queijos muito mofados são bem aceitos pela culinária francesa e apreciados pelos seus sabores intensos. Precisamos mostrar aos brasileiros o potencial que ainda pode ser desenvolvido no nosso queijo artesanal, tanto na diversidade de fabricação e cura quanto na legislação“, disse Flávia.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DANIEL HENRIQUE DINIZ E SILVA

OLIVEIRA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/05/2018

Tem mais informações sobre o curso em algum lugar?