ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Com realismo e objetividade

ESPAÇO ABERTO

EM 08/01/2019

1
2

Por Coriolano Xavier, membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor da ESPM.

Começa o novo governo com ímpeto, efervescência política, alguns cacoetes de palanque e enormes desafios, jogando as expectativas lá em cima. E o agro, se quiser manter seu ritmo histórico recente de expansão, contribuir e ser protagonista em uma virada econômica do país, terá que superar (mais uma vez) a si mesmo. No geral, o setor não padece da ameaça de baixa produtividade, que espreita outros setores da economia. Pelo contrário. Mas carrega no lombo o surrealismo dos impostos e do tamanho do Estado, o peso da crise fiscal e de outras mazelas do “custo Brasil”, como de resto carregam todos os brasileiros.

Fazer o Brasil crescer será a determinante chave para um bom encaminhamento de todas as outras mudanças esperadas pela sociedade no jeito de ser, fazer e pensar do país. E esse esperado sucesso na gestão macroeconômica significará melhor potencial de avanço das cadeias produtivas de alimentos. Em 2017, só a indústria de alimentação movimentou R$645 bilhões e manteve-se ascendente em 2018, diz a associação setorial (ABIA). Representa cerca de 10% do PIB e 25% da indústria, somando 36.000 empresas que investem 4,5% a 5% do faturamento em inovações, informa a entidade. Por isso, a economia recuperada impacta no vigor quantitativo e qualitativo do agro inteiro, alimentando uma espécie de círculo virtuoso.

As lideranças do setor também podem ficar de olho e se preparar para um cenário de abertura comercial mais profunda (provavelmente gradual), contemplando inclusive serviços, novas tecnologias e alguma desregulamentação de investimento estrangeiro direto. Ou seja, está aí um fator para o agro ponderar desde já em suas estratégias de médio prazo, principalmente na perspectiva de explorar oportunidades para produtos com valor agregado, serviços tecnológicos e parcerias internacionais.

Toda essa prontidão também deve existir para os riscos, pois o mapa do mercado internacional pode não ser tão sereno assim. Basta lembrar a questão do Brexit e seus impactos na União Europeia, uma já falada perda de fôlego da economia norte americana, os tropeços de Trump dentro do país e suas escaramuças comerciais com a China. Como tempero temos algum descrédito na globalização, revisionismos nacionalistas em certas partes do mundo e resistências culturais à ciência, em segmentos do consumo alimentar. 

Somando tudo, podem surgir tremores localizados no mercado internacional, que será um espaço cada vez mais estratégico para o crescimento de nossas cadeias produtivas de agronegócio. Ao agro e à indústria da alimentação, apesar do bom momento e das vantagens competitivas construídas nos últimos tempos, convém encarar o futuro próximo acima de tudo com realismo e consciência dos negócios. Foi assim que fizemos a diferença dentro e fora do Brasil e 2019 será um ano decisivo para o setor inaugurar mais uma década de bonança. 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

TANIA APARECIDA SANTANA

PIRACANJUBA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/01/2019

Mas carrega no lombo o surrealismo dos impostos e do tamanho do Estado, o peso da crise fiscal e de outras mazelas do "custo Brasil", como de resto carregam todos os brasileiros. É UM TANTO HILARIO SEU TEXTO, PRA NAO DIZER TENDENCIOSO ESQUERDISTA. E AS MICRO EMPRESAS ONDE SE POSICIONAM QTO AOS IMPOSTOS, MANUTENÇAO DE EMPREGOS E CONCORRENCIA?? TROPEÇOS DE TRUMP? TODA MUNDANÇA DE COMPORTAMENTO GERA DIVERGENCIA. MAS VAMOS AGUARDAR OS FATOS. E O CUSTO BRASIL É O VALOR QUE PAGAMOS PELA CORRUPÇAO DOS ULTIMOS TEMPOS.