ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Batucada de comté para descobrir defeitos no queijo francês

ESPAÇO ABERTO

EM 10/10/2018

0
0

A região Franche-Comté da França, na fronteira com a Suíça, é o berço desse queijo de denominação de origem protegida que encanta os consumidores por sua massa semi-dura e sabores complexos, naturalmente de leite cru. Cada peça de queijo comté que pesa entre 30 e 50 kg pode custar a partir de 400 euros e cada uma delas é avaliada antes da venda.


Queijo comté de outubro de 2017, com traçabilidade feita por placas de caseína. FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager

objetivo da avaliação é saber qual tempo potencial de cura de cada queijo. Um queijo curado por quatro meses, o mínimo permitido pelo caderno de regras da denominação de origem, custa entre 12 e 15 euros o quilo. O comté de 36 meses pode chegar a 40 euros. Outro objetivo é descobrir se há defeitos.


Não é leve! FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager

sonda é a ferramenta usada para avaliar os queijos. De um lado, ela pode furar o queijo e recuperar uma pequena amostra do interior, chamada de cenoura. Do outro, há um pequeno martelo para bater. O curador bate em toda superfície para escutar se existem fissuras ou olhaduras que possam indicar uma má fermentação. Na dúvida, o queijo é sondado, ou seja, a “cenoura” é retirada e a massa interior é avaliada se há fermentações que possam denegrir a qualidade do queijo. Ao final, a prova é recolocada e o curador fecha bem o buraco, esmagando um pouco de comté em volta da amostra retirada, para não ter possibilidade de contaminação interior.


Queijos com esse tipo de defeito não têm o direito de se chamar “comté”, eles são reaproveitados na indústria alimentar. FOTO: Débora Pereira/Profession Fromager

As olhaduras aceitáveis podem ter o tamanho máximo de um grão pequeno de feijão, feitas por bactérias propiônicas. Em caso de cascas muito úmidas com fissuras, o queijo é automaticamente desclassificado e vendidos para indústrias alimentares.

Robôs de cura aliviam os trabalhadores das caves de comté

Embora seja estritamente proibido o uso de robôs de ordenha nas fazendas de comté, nas últimas décadas o sindicato permitiu robô para virar e lavar os queijos. O objetivo é facilitar o trabalho dos homens, garantindo o caráter tradicional e autêntico do produto. Um robô pode substituir a força de trabalho de dez homens.

O leite utilizado para fazer comté é produzido por 2.600 fazendas que praticam a agropecuária familiar extensiva sem silagem ou alimentos transgênicos. A produção média anual de cada fazenda gira em torno de 270.000 litros de leite. A coleta é feita em um raio de até 25 km de distância do local de transformação e o uso de fermentos industriais também é proibido. As culturas lácteas usadas na acidificação do queijo são cultivadas a partir do soro das fabricações anteriores.

As informações são do blog Só Queijo, de Débora Pereira, para o Paladar, do jornal O Estado de S. Paulo.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.