ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Corona Voucher: como o fim do auxílio emergencial poderá impactar na produção de leite?

POR VINICIUS PIMENTA DELGADO RIBEIRO NARDY

PANORAMA DE MERCADO

EM 22/12/2020

3 MIN DE LEITURA

0
6

2020 está terminando, e com ele, poderá estar indo embora também o Auxílio Emergencial. O programa foi essencial para que a pandemia não atrapalhasse ainda mais a economia brasileira neste ano, e devemos nos atentar aos impactos a serem enfrentados após o fim do também chamado "Corona Voucher”.

O Auxílio foi um benefício financeiro concedido pelo Governo Federal aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados para enfrentamento da crise da Covid-19.

Segundo dados do Instituto Fiscal Independente (instituição ligada ao Senado Federal), atualizados em 14 de dezembro, já foram empenhados mais de R$ 250 bilhões para o auxílio, dos quais R$ 232 bilhões já foram pagos.

Este valor empenhado representa 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro projetado para 2020. Se considerarmos apenas os 3 últimos trimestres, período de pagamento das parcelas de R$ 600 e R$ 300, este valor constitui quase 5% do PIB do país.

Diferente de outros investimentos do governo, como obras públicas por exemplo, em que a serventia ao cidadão é indireta, o Auxílio Emergencial foi uma ajuda direta ao cidadão beneficiário, com injeção financeira literal na economia e em grande parte revertida em consumo.

A importância do “Corona Voucher” para estabilização da economia brasileira ao longo da crise pode ser vista ao pensarmos no cenário em caso de ausência do auxílio: com o impacto do distanciamento social em atividades como as dos comércios (formais e informais), restaurantes, indústrias, entre outras, a subida do desemprego era inevitável.

Com uma renda menor, a população consumiria menos não só pela impossibilidade de circulação, mas também pelo menor poder aquisitivo. O benefício do governo fez com que a população que perdeu renda ao longo da pandemia tivesse um alento e que muitas famílias tivessem um aumento considerável em seus ganhos se comparado ao período pré-coronavírus.

Se observamos as projeções dos analistas participantes do Sistema de Expectativas do Banco Central para a variação do PIB no primeiro trimestre de 2021, notamos também o efeito do Auxílio Emergencial: o programa foi idealizado inicialmente para os meses de abril, maio e junho, e ganhou sobrevida com o passar do tempo.

Em julho, “auge” da pandemia, e ainda sem a confirmação da continuidade do benefício, os analistas previam queda de 2,04% do PIB nos primeiros 3 meses do próximo ano. Com o passar do tempo, a sequência dos pagamentos do “Corona Voucher” e um melhor desempenho da economia do que o esperado, as previsões também se tornaram “menos piores”.

Gráfico1.  Projeção da variação do PIB no primeiro trimestre de 2021.

Fonte: Sistema de Expectativas do Banco Central.

O mercado lácteo, naturalmente, foi afetado por tantas mudanças de cenário ao longo do ano. Se em um primeiro momento, com o fechamento dos food services, houve receio de ausência de demanda por um cliente tão relevante, com o passar do ano o que se viu foram preços elevados para todos os elos da cadeia e bom giro de vendas dos derivados.

Além da mudança de hábitos que fez com que muitos passassem a cozinhar em casa com mais constância, por exemplo, a renda extra proporcionada pelo auxílio fez com que muitos que não consumiam queijos, por exemplo, passassem a consumir. E a grande preocupação com o fim do “Corona Voucher” talvez esteja aqui.

O maior consumo de derivados como o queijo, que permitiu que a muçarela, por exemplo, alcançasse patamar recorde, será mantido? Houve um fator “substituição” neste aumento, ou foi algo ocasional da renda inesperada? Sem esta resposta, é difícil traçarmos uma previsão do que ocorrerá no próximo ano!

Mas é fato que o fim do benefício pode gerar um choque grande no mercado. Apesar de ainda haver um “resíduo” entre o valor projetado para ser gasto com o auxílio e o que efetivamente foi pago, que pode ajudar ao ser desembolsado no início do próximo ano, os analistas ainda preveem variação negativa no PIB do primeiro trimestre do ano que vem (-0,5% em comparação com o mesmo período de 2020).

E se o fator essencial para o aumento na demanda de lácteos tiver sido o ganho de renda, a ausência da injeção financeira direta por parte do governo pode fazer com que as vendas dos derivados travem. Contando ainda com a incerteza na volta das atividades normais dos food services, a cadeia precisaria, provavelmente, diminuir o patamar de preços para manter em parte o volume de vendas. Os produtores, então, seriam naturalmente afetados pelo contexto, tendo seus preços impactados para baixo. 

Por isso, é essencial maximizarmos a eficiência de nossa produção. Com capital mais bem utilizado, vivermos em ambientes de preços sempre elevados se torna menos importante. Para isso, boa informação é fundamental.

Então, siga acompanhando o MilkPoint!

VINICIUS PIMENTA DELGADO RIBEIRO NARDY

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint