ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Evolução da produção de leite sob a ótica do Censo Agropecuário

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 11/09/2020

2 MIN DE LEITURA

2
3

Recentemente, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os resultados do último Censo Agropecuário, que teve como base o ano de 2017. Pela comparação com os dados do Censo anterior (2006), é possível analisar a transformação ocorrida na atividade leiteira neste período.

Em 2017, o Brasil contava com 1,176 milhão de estabelecimentos produtores de leite. Esse número é 13% inferior ao levantado em 2006, quando 1,350 milhão de propriedades produziam leite. A grande maioria dos produtores continua sendo de pequena escala, com 93% deles produzindo até 200 litros diários. Por outro lado,o grupo de produtores acima de 200 litros diários praticamente dobrou no período, passando de 44 mil (em 2006) para mais de 87 mil (em 2017), mas ainda representando apenas 7% do total.

Na mesma linha, o número de vacas ordenhadas também diminuiu no período. Neste indicador, a queda foi de 9%, mostrando que em 2017 a atividade leiteira contava com 1,2 milhão de vacas a menos que em 2006. Este número é bastante representativo, sendo equivalente a praticamente todo o rebanho de vacas ordenhadas do Uruguai e Chile em conjunto.

Mesmo com a redução no número de produtores e de vacas ordenhadas, a produção nacional de leite cresceu expressivos 47%, o que significou mais de 9,5 bilhões de litros, superando a marca de 30 bilhões de litros produzidos no ano. Para se ter ideia da magnitude deste crescimento, a produção total da Argentina é pouco superior a 10 bilhões de litros. Ou seja, em 12 anos o Brasil cresceu praticamente uma Argentina em leite produzido, deixando de utilizar o mesmo número de vacas que compõem o rebanho leiteiro do Uruguai e do Chile juntos.

Entre 2006 e 2017, produtividade cresceu mais de mil litros por vaca

Durante esse período, os produtores com volume superior a 200 litros diários tiveram forte aumento de participação na oferta nacional. Enquanto em 2006 este grupo era responsável por 35% da produção brasileira, em 2017 mais da metade do volume produzido internamente veio destes produtores, atingindo a marca de 54% do total de leite.

Por outro lado, entre 2006 e 2017, a produtividade média do rebanho nacional aumentou em mais de 1.000 litros por vaca (+62%), atingindo 2.621 litros/vaca no ano. Este aumento também ajuda a explicar o crescimento da participação dos produtores com mais de 200 litros diários na produção nacional.

A produtividade animal média deste grupo foi de 4.332 litros/vaca, volume 65% superior à média nacional e semelhante à produtividade da Nova Zelândia, principal exportador mundial de lácteos. Portanto, a análise desses indicadores mostra que a atividade leiteira no Brasil registrou aumento da produção de leite, mas tendo menos produtores envolvidos e menor número de vacas ordenhadas. Para que isso fosse possível, os produtores remanescentes aumentaram sua escala de produção diária, enquanto as vacas que continuaram nos rebanhos ficaram mais produtivas.

Essa situação é resultado, principalmente, do aumento do profissionalismo na gestão da atividade, de programas de melhoramento genético animal e da maior adoção de tecnologias por meio de assistência técnica especializada. Tudo isso contribuiu para elevação das produtividades, não só animal mas também dos demais fatores de produção empregados na fazenda, como terra, mão de obra e capital.

As informações são do Anuário Leite 2020 – Embrapa, adaptado de: Denis Teixeira da Rocha e Glauco Rodrigues Carvalho, publicadas no Canal do Leite.

Leia também:

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCOS ANTONIO DE OLIVEIRA MAIA

VALENÇA - RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 15/09/2020

grande parte dos prod. de leite familiar, ate 200l/dia são tradicionais, então o que os leva a desistência da ativ.? O progr. Balde Cheio da Embrapa, nos mostra que é possível, fica faltando a parte govern. em introduzir uma mecanização que substitua a extinta tração animal. Tendo como exemplo o Município de Valença, fica difícil de viabilizar uma logistica de coleta com as estradas vicinais que se tem. Este cenário do crescimento das fazendas/empresas foi preconizado por ocasião da N 51. Em 1978 quando aluno do CANP em Pinheiral aprendi que a Pec. de Cort. deveria ser ativ. do Centroeste, no entanto se tornou tão atrativa que estamos vendo Nelore até em áreas urbanas. Municípios que zeraram a atividade leiteira graças aos R$250,00/@ do boi gordo, e o leite a R$1,50 / litro, não se esqucendo do que prod. até 200,00 litro / que da atividade tiram o sustento familiar. Marcos A de O. Maia / EMATER-RIO
DUARTE VILELA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 14/09/2020

Muito boa análise e sugiro confrontá-las com os dados do IFCN ou pelo menos nivelar as fontes de informação.
MilkPoint AgriPoint