FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

EUA: comercial da Arla Foods sobre leite gera polêmica por criticar o uso de rBST

*O texto é de Maggie Seiler, para a Hoards.com, traduzido pela Equipe MilkPoint. 

"rBST e chifres afiados. Ele é tão alto que poderia comer nuvens. Você pode querer acariciá-lo, mas a pele dele é elétrica". Esta fala acompanha uma propaganda da Arla Foods na qual um monstro surge de uma tela escura com a seguinte introdução. “A Arla Cheese questionou às crianças: o que é rBST?"

O monstro rBST compõe um dos primeiros anúncios da empresa na campanha "live unprocessed" (viver de forma não processada, em uma tradução literal, fazendo alusão a uma vida mais natural) da Arla Cheese.

O comercial termina com a imagem de uma mãe feliz e sua filha compartilhando um sanduíche - que apresenta o queijo da Arla - enquanto uma voz fala atrás: “O rBST é um hormônio de crescimento artificial dado para algumas vacas, mas não para as vacas que fazem o leite usado na fabricação dos queijos Arla. A nossa empresa não adiciona hormônios e nenhum outro material estranho”.

Também, em um outro momento do anúncio aparece escrito em letras pequenas: “não foi demonstrada nenhuma diferença significativa entre o leite derivado de vacas tratadas ou não tratadas com rBST”.

No meu ponto de vista, a Arla transformou em vilã uma tecnologia aprovada pela FDA (Food and Drug Administration). Mesmo para os produtores que não usam o rBST ou acham que isso é um ponto discutível, tópicos dos anúncios feitos dessa forma são importantes pontos de discussão.

Para o consumidor, qual é a diferença entre rBST e antibióticos? Qual é a diferença entre rBST e robôs não naturais que ordenham o leite? Qual é a próxima tecnologia em seus alimentos que não é natural e, portanto, equiparável a um monstro?

Na indústria de lácteos discutimos constantemente como vender mais produtos para mais pessoas. Anúncios como este caminham na direção oposta enquanto prejudicam os produtores que trabalham duro para encontrar tecnologias que beneficiem a fazenda e forneçam produtos de alta qualidade. 

"Se você aproveitou o conteúdo do MilkPoint durante o ano de 2016, saiba que nossa equipe o preparou com toda a dedicação para você! Vote em nós para o Troféu Agroleite: nos dê esse presente! Clique aqui para votar no MilkPoint como melhor mídia digital"

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SILVIA DOMINCIANO

PESQUISA/ENSINO

EM 16/05/2017

Concordo com o Craig Bell.
CRAIG BELL

JABORANDI - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/05/2017

No caso International Dairy Foods vs Boggs, o sexto tribunal determinou que leite produzido com rBST é diferente de leite produzido sem rBST pois 1) contém niveis elevados do hormonio IGF-1, 2) tem qualidade nutritional inferior durante um periodo de lactação, e 3) tem  níveis maiores de celulas somaticas.



O rBST não pode ser comercializado em Canada, Japão, Israel, Nova Zelândia, Australia, Europa e Argentina.



Um relatório da UE sober bemestar animal concluiu que o uso de rBST muitas vezes causa "dor severo e desnecessária" para vacas.  



Até not EUA o uso de rBST está cada vez menor devido ao pressão dos consumidores para leite produzido sem rBST



Acho que o Brasil deve banir o uso de rBST e não correr na contramão do resto do mundo.