FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Compost barn: presente em 22% das fazendas do Top 100, produtores relatam experiências com o sistema

A última pesquisa Top 100 realizada pelo MilkPoint e divulgada neste mês de março apontou que a produção média diária do conjunto dos 100 maiores produtores de leite do país foi de 17.929 litros de leite por dia no ano passado, ante 16.179 litros em 2016. Quando questionados sobre o alojamento utilizado para as vacas em lactação, as propriedades participantes desta edição utilizam em sua maioria o sistema confinado, predominantemente o free stall, em 46% das propriedades. Na sequência, aparece o compost barn, representando 22%.

Confira na tabela abaixo os sistemas utilizados pelos Top 100:

compost barn presente entre os 100 maiores produtores de leite do Brasil

Não é novidade que os produtores de leite no Brasil estão buscando com maior frequência informações sobre o compost barn. O ‘boom’ do sistema ocorreu após algumas suposições como a maior facilidade de manejo e a finalidade clara e adequada para os dejetos dos animais.

“Se questionarmos aos produtores de leite o motivo pelo qual eles estão indo para compost barn e não para o free stall, provavelmente as justificativas serão essas. Muitos acreditam que o composto exige uma menor mão de obra comparada ao free stall, já que é mais fácil dar fim a cama do composto – que, diferente da areia do free stall - é constituída por uma matéria orgânica de ótima qualidade”, comentou Eduardo Pinheiro, médico veterinário e produtor de leite (Fazenda Rio Doce, localizada em Itobi/SP). Eduardo compõe a grade de palestrantes do Interleite Sul 2018 e sua apresentação abordará um dos pontos cruciais para quem pensa em trabalhar ou já é adepto ao compost barn: “Manejo da cama em compost barn: como não errar?”.

Pinheiro destaca que alguns desafios do sistema devem ser ressaltados. “No meu ponto de vista e pela minha experiência, o compost é interessante até certo número de vacas. Até aproximadamente 500 animais em lactação, o composto vai bem, isso com dois barracões de tamanhos intermediários. Quando o barracão fica muito grande, começa a dar mais trabalho, visto que o tempo necessário para que os funcionários revirem a cama às vezes é maior que o tempo de ordenha. Isso ocorre para otimizar o sistema e para que, quando a vaca retorne da ordenha, a cama já esteja pronta”.

Compost barn & Top 100

O MilkPoint entrou em contato com alguns dos 100 maiores produtores de leite do Brasil para saber como o compost barn está se desenvolvendo na propriedade, os desafios do sistema, resultados alcançados, entre outros.

Segundo Eduardo Xavier, da Granja 4 Irmãos Agropecuária, de Rio Grande/RS e a 48ª colocada no ranking Top 100 2018, a propriedade iniciou com o compost há 13 meses e 70% do rebanho. “Há sete meses, 100% do nosso rebanho migrou para o sistema. O processo de transição para as vacas foi excelente. Nós colocamos os animais para dentro do barracão e eles se adaptaram muito bem. Com relação à alimentação, em 10 dias eles se adequaram às mudanças. Antes, nós fornecíamos dois tratos nas saídas da ordenha e eles pastejavam no restante do dia. Agora no compost, são oferecidos três tratos por dia e eles sempre têm alimentos à disposição”, diz Eduardo, que ressalta alguns benefícios observados até agora.

compost barn presente entre os 100 maiores produtores de leite do Brasil
Compost barn da Granja 4 Irmãos Agropecuária 

compost barn presente entre os 100 maiores produtores de leite do Brasil
Compost barn da Granja 4 Irmãos Agropecuária 

  • Aumento de 64% na média de litros/vaca/dia (isso na média total de 2017, considerando que em janeiro de 2017 não era compost e até julho de 2017, a 4 Irmãos ainda mantinha alguns animais a pasto;
  • Redução de 61% nos casos de mastite clínica;
  • Redução de 20% no número de colaboradores;
  • Melhores indicadores de desempenho, como taxa de concepção;
  • Bem-estar animal.

 “O ponto negativo é que a nossa CCS (Contagem de Células Somáticas) não diminuiu, porém, ainda não fizemos nenhum trabalhado focado nesse item. Estamos iniciando agora”, explicou.

A cama do compost na 4 Irmãos é manejada da seguinte forma: a cada 15 dias uma nova camada é adicionada. “Viramos a cama duas vezes ao dia e até três vezes nas épocas mais úmidas. Também, mantemos a ventilação, o que ajuda a manter a cama seca”. A capacidade atual do compost barn da Granja 4 Irmãos é para 500 animais, mas está abrigando 530. A média de produção de leite diária na fazenda é de 14.228 litros.

“O que não podemos negar é o espetacular bem-estar dos animais”

O Sítio Tapir, de Rolândia/PR, produz 9.253 litros de leite por dia. Na 90ª posição do Top 100 2018, a propriedade utiliza o compost barn há aproximadamente quatro anos. De acordo com Carlos Baudraz, foi erguido um barracão para testar o compost barn com 48 animais e – notado o bem-estar dos mesmos e outros benefícios – outros barracões passaram a ser instalados por etapas.

animais alojados em compost barn
Compost barn no Sítio Tapir

“Finalizamos toda a instalação no ano passado e obtivemos muitas melhorias como aumento de produtividade em nível de produção e reprodução, melhorias na locomoção dos animais, longevidade, entre outros. O que notamos de negativo e que vale compartilhar é que os animais ficam mais suscetíveis às doenças parasitárias, pois eles ficam muito tempo sem ter contato com os parasitas, perdendo imunidade”.

No Sítio Tapir a capacidade do compost é para 300 animais em lactação, a cama é revolvida duas vezes por dia e a ventilação é mantida durante todo o tempo. “Quando ocorre aumento de umidade, colocamos uma cama de cepilho a cada 20 dias mais ou menos e a cada dois anos, essa cama é removida e utilizada como biofertilizante na lavoura. O que não podemos negar é o espetacular bem-estar dos animais. É de impressionar como eles se sentem bem. Quanto à mastite, os níveis aqui estão baixíssimos, tanto que minha CCS está abaixo de 200 mil células/ml há mais de cinco meses (para um rebanho em ordenha com 270 animais em média). Também, a nossa produção cresceu 16%. Posso afirmar que o compost foi a nossa ‘tábua de salvação’”.

Corroborando com esse caso prático da família Baudraz, Eduardo Pinheiro, palestrante do Interleite Sul 2018, destaca que em um compost barn bem manejado, o conforto é maior do que em um free stall bem manejado. “Estudos já comprovaram isso. Em uma pesquisa realizada nos EUA, que comparou o tempo que uma vaca fica deitada no compost e no free stall, no primeiro, o tempo é em média 13 horas por dia, e no segundo, 9 horas, o que é um indicativo de bem-estar”.

A Fazenda Vitória, em Monte Alegre de Minas/MG, teve muitos desafios no início com o compost porque não tinha experiência e foi a primeira da região a aderir ao sistema. Para Raphael Rocha, a capacidade do compost na fazenda é de 330 animais e o principal ponto observado foi o aumento na produtividade dos animais. “A média de aumento foi de 5 litros/animal/dia, mas, a reprodução não evoluiu na mesma proporção da produção leiteira. Em compensação, a nossa mastite caiu para menos que metade e passamos a observar os animais mais tranquilos, deitados e ruminando em várias horas do dia”.

A cama da Fazenda Vitória, 95ª colocada no ranking Top 100 (9.143 litros/dia), é manejada duas vezes ao dia com subsolador e enxada rotativa. No geral, o compost contribuiu com um aumento na produção de leite de 25%.

Cama do compost barn e a mastite

Com relação à mastite, Pinheiro destaca que os resultados são controversos e questionáveis. “Ainda não tenho uma resposta para dizer se um sistema é melhor que o outro (compost x free stall). O que posso afirmar é que quando trabalhamos com matéria orgânica, o risco de dar mastite cresce. Algumas pesquisas mostram que a contagem bacteriana ambiental na cama do composto é ‘infinitivamente’ maior que numa cama de free stall, o que expande as possibilidades de infecções intramamárias, porém, esse fator está totalmente relacionado à umidade da cama. Esta última pode conter muitos micro-organismos, mas, sem umidade suficiente para ela aderir ao orifício ou pele do teto, as bactérias não conseguem ascender para a glândula. Não é porque há muita bactéria no composto que o animal terá mastite”.

É por isso que a revirada da cama se faz necessária, assim como, a averiguação do teor de umidade da mesma. “Todos esses detalhes devem ser milimetricamente ajustados no composto, até porque, se faltar muita umidade na cama, faltará água para as bactérias compostarem a matéria orgânica. No entanto, alguns estudos já mostraram que camas com umidade abaixo do ideal considerado atingiram temperaturas maiores que 45 ou 50ºC – o que prova que nessas condições, também pode ocorrer a compostagem. Mas se a cama ficar muito seca – o que é vantajoso para evitar a mastite – favorece as doenças respiratórias. Por isso, o ajuste precisa ser fino”.

Em sua palestra, Eduardo apresentará alguns dados de produção de leite após ter transferido o seu sistema anterior para o compost barn, mas, já adianta: “no meu caso, comparado ao semiconfinamento, a minha produção de leite aumentou 9 litros por animal na média/ano. Identificar qual é o melhor sistema para a sua fazenda, equilibrar os desafios e as oportunidades que cada um deles apresenta e caprichar no manejo adotado são alguns um dos caminhos”, completa. 

“Zeramos casos de claudicação, mas, tivemos alguns casos de pneumonia”

A Agropecuária Tolazzi, de Cruz Alta/RS, é a 96ª no ranking Top 100 e produz em média 9.073 litros de leite/dia. Desde 2016 utilizando o compost barn, a fazenda não teve problemas na transição com o sistema anterior. Segundo Cristian Tolazzi, a propriedade contou com um incremento de aproximadamente 9-10 litros na média/dia no verão e 7-8 litros no inverno. “Nossa CCS baixou, assim como a incidência de mastite. Também, zeramos casos de claudicação, mas, tivemos alguns casos de pneumonia. A nossa capacidade atual é de 400 animais com 10,5 m² por animal”.

Por lá, a cama também é revolvida duas vezes ao dia durante as ordenhas e em períodos de chuvas, três vezes por dia. “Caso a revirada não seja suficiente e comece a apresentar torrões, é feita a reposição da mesma”.

Os benefícios do compost barn na Fazenda Barreiras, de Edgar Moreira Guimarães, localizada em Patos de Minas/MG, também foram muitos. Com uma produção diária de 9.045 litros por dia e o 98º no Top 100, o aumento na taxa de prenhez foi de 3% na média/ano.

“A nossa produção de leite no período de inverno passou de 31,5 litros/vaca/dia para uma média de 38,5. No verão, foi de 24 para 34 litros/vaca/dia. Em 2016 colocamos as primeiras 100 vacas no compost barn, em março de 2017 mais 88 vacas, em abril mais 88 e agora neste mês de março, o lote pré-parto e o lote de vacas no final da lactação também entraram. Sabemos da importância da revirada da cama e realizamos essa ação duas vezes por dia com subsolador a 25 cm de profundidade. Ele passa apenas uma vez em cada local da cama”, comentou Álvaro Moriya Shiota, consultor da Fazenda Barreiras e diretor da Empresa Grupo Apoiar Consultoria.

A produção de leite em 2016 foi de 2.400.000 litros com 260 vacas em lactação/média/ano e em 2017, o total foi 3.300.000 litros, com média de 308 vacas em lactação/média/ano. “Na Barreiras, o número de mastite caiu drasticamente. No período de verão saímos de 18% para 2% e no inverno, de 8% para 1%”, enfatiza.

Compost barn e Google Trends

O Google Trends é uma ferramenta do Google que mostra os mais populares termos buscados em um passado recente. A ferramenta apresenta gráficos com a frequência em que um termo particular é procurado em várias regiões do mundo, e em vários idiomas. 

Curiosamente, o MilkPoint buscou por meio desta ferramenta a palavra compost barn, bem como, a localização dos principais estados de busca. Veja os gráficos abaixo: 

Estados brasileiros onde a palavra 'compost barn' é mais buscada: 

Fluxo da busca pela palavra 'compost barn' no Google Trends por período: 

Sabendo que os produtores de leite ainda apresentam muitas dúvidas sobre o compost barn, o Interleite Sul, que já conta com mais de 500 inscritos, terá na grade da sua programação o painel “Excelência no Compost Barn”. Para ter acesso à programação completa, acesse: http://www.interleite.com.br/sul/

As inscrições com desconto referentes ao segundo lote se encerram no dia 15/04. Se programe e venha participar conosco do melhor evento leiteiro da região Sul!

Aproveite para confirmar a sua presença na página do Interleite Sul no FacebookPor meio dela também serão publicadas novidades sobre o evento! A hashtag oficial do evento é: #interleitesul2018 

Para quaisquer informações ou dúvidas sobre o evento envie um e-mail para ana@agripoint.com.br ou ligue para (19) 3432-2199. 

interleite sul 2018

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.