FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

CNA vê avanço menor do PIB do campo em 2021, mas ainda forte

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 02/12/2020

4 MIN DE LEITURA

0
0

Após registrar avanços em ritmo poucas vezes visto em 2020, o valor bruto da produção (VBP) agropecuária e o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio no país deverão crescer menos no ano que vem, mas ainda assim manterão a sólida tendência ascendente observada nas últimas décadas.

O cenário foi confirmado em entrevista coletiva promovida na manhã de ontem pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), e leva em consideração a recuperação das economias do país e do mundo com a gradativa volta da normalidade social passado o período mais grave da pandemia da Covid-19.

Conforme a entidade, o PIB do agronegócio brasileiro deverá crescer 9% neste ano, para R$ 1,75 trilhão, e 3% em 2021, para R$ 1,8 trilhão. Já o VBP da agropecuária terá avanços de 17,4%, para R$ 903 bilhões, e 4,2%, para R$ 941 bilhões, respectivamente. Em 2020, mesmo com os efeitos negativos da pandemia em alguns segmentos, o setor também se destacou na geração de empregos, com 102,9 mil novos postos de trabalho.

O presidente da CNA, João Martins, acredita que, até 2022, a produção brasileira de grãos vai chegar a 300 milhões de toneladas de grãos - a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima 268,9 milhões para este ciclo 2020/21 - e que o VBP alcançará a marca de R$ 1 trilhão. 

Com a ajuda de novas colheitas recorde de soja e milho no Brasil, onde os investimentos dos produtores estão em alta - em parte por causa dos preços elevados desses mesmos grãos -, mas sem desprezar a ameaça de problemas climáticos provocados pelo La Niña, a CNA prevê que a produção global de alimentos vai aumentar em 2021. Mas com a retomada da demanda em áreas como o food service, estima uma relação equilibrada entre oferta e demanda.

“Não deixaremos de ter safra recorde, mas a colheita poderia ser maior se não fosse a questão climática”, ponderou o superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi. Para ele, o clima é um ponto desfavorável nesta temporada, com o atraso causado no plantio da soja e seus reflexos negativos para a segunda safra de milho.

A entidade reiterou que a continuidade da expansão do setor de agronegócios no Brasil passa, em parte, pela preservação dos instrumentos de financiamento da atividade produtiva e de políticas públicas que garantam isenção tributária para itens da cesta básica.

A CNA também espera que a inflação dos alimentos não se torne um problema no país em 2021, sobretudo depois de movimentos impopulares que marcaram 2020, como a forte alta do arroz. Segundo a entidade, aumentos como o do arroz, da soja e do milho foram influenciados por elevações do custo de produção e pelo câmbio.

A entidade fez questão de destacar que não houve falta de produtos no país e que os aumentos nos preços são passageiros, assim como ocorreu com a carne bovina no fim de 2019. No caso do arroz, os produtores conseguiram recuperar parte do prejuízo das últimas cinco safras, ressaltou Lucchi. Mesmo com as cotações recorde agora, 75% da produção foi vendida, em média, a R$ 52 a saca de 60 quilos, quase metade do patamar atual.

“Nas últimas duas safras nem o desembolso o produtor de arroz conseguiu cobrir, por motivos diversos, até mesmo porque o consumo vinha caindo. Nessa safra, conseguiu cumprir desembolso e ter lucro”, disse. “O produtor não está ganhando rios de dinheiro, está recuperando prejuízos”.

Lucchi também concordou que a oferta de arroz foi restrita, mas avaliou que a remuneração melhor pode incentivar o aumento produção. Esse é a melhor opção para equilibrar o mercado, diz ele, ao invés de formar estoques regulatórios, como foi cobrado do governo nesta crise.

No mercado internacional, a CNA destacou que a China continuará a ser fundamental para as exportações do país. E não só para soja em grão e carnes, mas também para novos produtos como o melão brasileiro, para o qual o país asiático deverá abrir mais seu mercado. 

“Devemos nos afastar de ideologia, somos produtores rurais e precisamos exportar o que produzimos - é mercado, quem paga melhor”, sinalizou João Martins. Ele já garantiu a continuidade dos negócios com o país asiático ao “amigo” embaixador Yang Wanming, e quer explorar mercados potenciais como Indonésia, Tailândia e África.

A superintendente de Relações Internacionais, Lígia Dutra, disse que o governo tem que priorizar acordos com países asiáticos e aproveitar oportunidades com a saída do Reino Unido da União Europeia, que abre portas para embarques de produtos diferenciados com preços mais atrativos.

Apesar do desmatamento na Amazônia ser o maior em 12 anos, o presidente da CNA garantiu que “o Brasil não está de braços cruzados na questão ambiental” e que está pronto para atender às exigências do mundo.

Ele informou que a entidade está desenvolvendo, junto ao Ministério da Agricultura, uma plataforma de rastreabilidade para a carne bovina. João Martins disse não temer bloqueios ou represálias no comércio exterior por conta da agenda sustentável. “Já temos lei ambiental rigorosa e temos tudo para cumprir as exigências internacionais. Não vejo nenhum problema nessa área”, concluiu.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint